single.php

Superman, de reaça americano a ditador soviético

O mítico Superman cresceu nos Estados Unidos e sem formação política usa seus poderes extraordinários para manter o american-way of life. Se tivesse crescido na União Soviética poderia ter sido o sucessor de Stalin.

Por Ednardo Pinho, de Fortaleza, Ceará:

Superman, um herói sem formação política
Superman, um herói sem formação política

Quadrinhos de super-heróis, historicamente, têm sido considerados produto para entretenimento de crianças e adolescentes, sem qualquer pretensão artística ou intelectual. Foi assim desde o surgimento do gênero, no fim dos anos 1930, nos Estados Unidos, e quase nada mudou até idos da década de 1980, quando surgiram obras que, por um lado, introduziram inovações técnicas apreciáveis, chamando atenção para a
linguagem quadrinhística, e, por outro, apresentaram desenvolvimentos temáticos com forte apelo junto ao público adulto.

Nessa época, O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller, causou furor e devoção ao apresentar um Batman envelhecido, soturno, violento, numa trama efetivamente bem elaborada. Também Alan Moore e Dave Gibbons, com Watchmen, elevaram os quadrinhos de super-herói a um patamar artístico nunca antes atingido ao mostrar uma história altamente realista sobre como poderia ser um mundo em que super-heróis de fato existissem. E assim começou a operar-se uma mudança no modo como os super-heróis eram vistos pelo público.

Ironicamente, o personagem símbolo de super-herói, o Superman, não teve a mesma sorte que um Batman ou um Demolidor, por exemplo, a de estrelar histórias que tivessem algo a dizer a um público maduro ou a um leitor não aficionado por quadrinhos. O Superman, a despeito de algumas histórias escritas por roteiristas consagrados, parecia um personagem fadado a viver aventuras infantiloides e dramas artificiais.

É que talvez não seja mesmo muito fácil infundir densidade a um personagem superlativamente poderoso e sem sérios dilemas morais, cuja atuação parecia ser sempre uma peça de propaganda de valores associados ao American way of life, aspecto ideológico estudado de maneira cabal por Umberto Eco em Apocalípticos e
integrados, cuja primeira edição data de 1964.

O Superman, segundo Eco, batalha sempre pela manutenção do status quo num mundo profundamente injusto e cheio de sofrimento, sem jamais questionar sua conduta. Argumenta o estudioso que um personagem tão poderoso poderia gerar riqueza incalculável, seria capaz de resolver problemas como a fome e a opressão por que passam milhões de pessoas no planeta.

Em vez disso, porém, a luta do herói se dá geralmente em âmbito local, despendendo suas energias no desbarate de quadrilhas de gangsters, assaltantes de banco e coisas do gênero. Por que se limitar a salvar pessoas dos escombros de um desabamento ou evitar o descarrilamento de um trem quando se tem poder para agir em escala cósmica? Por que salvar a humanidade de monstros galácticos sem envidar esforços reais para mitigar o sofrimento humano aqui na Terra?

A resposta é só uma: o Superman nunca age contra as instituições, jamais questiona o establishment social, político e econômico, embora tenha poder para fazê-lo. Está claro, então, que esse personagem espelha os valores do sistema socioeconômico vigente nas economias capitalistas. A própria mitologia do personagem
já mostra os Estados Unidos como um lugar especial.

Pensemos bem: o Superman é um ser alienígena que foi mandado por seus pais para a Terra a fim de escapar de um desastre em seu planeta natal. A nave que o transportou poderia ter caído em qualquer
lugar da Terra, mas foi aterrissar justamente no interior dos Estados Unidos, onde foi encontrada por um casal que, em tudo, encarna o ideal da pequena propriedade que faz a cabeça do americano médio. Parece natural que, dadas essas circunstâncias, o personagem se haja embebido com os valores desse sistema socioeconômico.

O que aconteceria, porém, se a fatídica nave, na verdade, tivesse ido parar, digamos, na antiga União Soviética? Teríamos então um Super-Homem educado segundo os valores do socialismo marxista e stalinista, um defensor do comunismo?

superman

Pois essa é a premissa básica de Superman: Entre a foice e o martelo (Superman: Red Son, no original), uma rara história desse personagem que talvez tenha algum apelo junto ao leitor adulto, ou que pelo menos já tenha passado pelo Ensino Médio, ainda que certos cacoetes do gênero a tornem uma história pouco palatável a quem porventura se acostumou a ler Faulkner ou Proust, por exemplo.

A verdade é que críticas como a de Umberto Eco não costumam deixar pedra sobre pedra, e por sua análise não havia mesmo outra forma de se enxergar o Superman a não ser como entretenimento barato para mentes ainda não amadurecidas e pouco exigentes. De algum modo, então, e seguindo uma tendência mais geral dos quadrinhos norte-americanos em fins do século XX, a de se adequar a um público cada vez mais
adulto, procurou-se dar ao Superman alguma densidade, em tramas um pouco mais elaboradas, em que se esperasse do personagem mais que impedir uma queda de avião ou um assalto, por exemplo.

É nesse sentido que vêm a lume histórias como Paz na Terra, de Paul Dini & Alex Ross, que pretende justamente explicar por que o Superman, poderoso como é, não age de modo a superar os flagelos da humanidade. E é mais ou menos nessa linha conceitual que se insere a citada Entre a foice e o martelo, de Mark Millar e Dave Johnson, história que apresenta uma visão alternativa desse personagem, de maneira que, em vez daquele defensor do American way of life, temos “um super-homem alienígena comprometido com os ideais comunistas”, o “super-homem espacial de Stalin”, o “campeão dos proletários”, sempre disposto a atender a “seus chefes em Moscou”, segundo lemos nas primeiras páginas da história.

A obra, assim, responde a críticas como a de Eco, de maneira relativamente bem elaborada, ao mostrar o que poderia acontecer ao planeta e à humanidade se um ser com aqueles poderes resolvesse chamar para si a tarefa de aplacar as dores do mundo. Logo fica bem claro, porém, que o perigo não é a ação em si do ser
superpoderoso, mas as convicções ideológicas segundo as quais ele agirá. Na história, vemos um Superman tornando-se líder do Partido Comunista soviético após a morte de Stálin. Uma vez nesse posto, lança-se a ampliar a influência do Pacto de Varsóvia até que todos os países do mundo se hajam convertido ao modo de produção socialista, com exceção de Estados Unidos da América e Chile.

Segue-se uma era de relativo progresso material, com ganhos expressivos nas áreas sociais em todos os países que adotaram o regime socialista: não havia criminalidade, desemprego ou trabalho infantil, todos tinham direito a suas oito horas de sono por dia, e a expectativa de vida chegava a 120 anos. A utopia ganha corpo. Tudo isso, porém, a um preço altíssimo. O Superman erigira-se não apenas líder, mas déspota, ditador, atuando com um Big Brother orwelliano em escala planetária. Não chegava aos extremos da violência física, mas também isso a um custo, o dos cérebros praticamente lobotomizados para todos os opositores, todos os dissidentes, todos os “desobedientes”.

O que uma vez fora a humanidade, com seus conflitos, suas dores e prazeres, sua riqueza de sentimentos, agora eram apenas seres autômatos, desumanizados. É nesse ponto que parece bem clara a moral da fábula: sem o sistema de valores típicos da sociedade norte-americana, o Superman, que representa qualquer tipo de poder exercido de modo absoluto, levaria a humanidade a um caminho sombrio e indesejável. O que se discute, pois, é o poder, que, se exercido com intensidade, centralizadamente, com fins determinados, pode efetivamente conduzir ao progresso econômico e à erradicação de mazelas sociais.

Ocorre, no entanto, de esse mesmo poder desvirtuar-se, passando a constituir um fim em si mesmo. Os regimes que procuram manter o bem-estar social pela força fatalmente descambam para o totalitarismo puro, e quando chegam a esse estágio já quase nada resta das motivações originais relativas ao
desenvolvimento econômico e social.

Essa é uma crítica assaz dirigida aos movimentos socialistas do século XX, e Entre a foice e o martelo ilustra bem tal modo de ver as coisas. Tanto é que a ditadura imposta pelo Superman chega ao fim quando Lex Luthor consegue derrotá-lo e instituir uma nova era na História, em que o capitalismo e a liberdade de mercado triunfam.

Sob a liderança de Lex Luthor, o mundo vê a descoberta de uma cura para o câncer e a AIDS, por exemplo, e entra numa espiral de progressos materiais e tecnológicos inauditos. Aqui se tem, como conclusão, o outro lado da moeda: se, sob o comunismo, o que havia era opressão, apesar de alguns progressos econômicos e sociais, sob o capitalismo se produziu muito mais riqueza e conhecimento, com liberdade para o ser humano. É bem claro o viés ideológico de Entre a foice e o martelo, de sorte que o Superman, mesmo nessa versão alternativa, continua a serviço da representação e propagação de valores caros ao status quo sociedades como a norte-americana.

Logo se vê, dessa forma, que a discussão de temas sociopolíticos resvala paraconcepções um tanto maniqueístas e reducionistas, ainda que estas venham a ser atenuadas pela habilidade dos autores na construção narrativa propriamente dita. Somente assim se entende, por exemplo, que essa história em quadrinhos seja sucesso na Rússia, apesar das conclusões a que aludimos acima. É que, ao que tudo indica, a figura do Superman permanece ainda um símbolo de poder altamente sedutor, é ainda, como o classificou Umberto Eco, um mito moderno.

Ednardo Pinho, professor de Língua Portuguesa, mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará, colecionador e estudioso de quadrinhos.

3 respostas para “Superman, de reaça americano a ditador soviético”

  1. O texto de Ednardo Pinho é uma clássica “hipótese supositória”.
    Elabora o que seria se tudo se desse com se assm fosse . Ora, vai bugiar!

  2. Acreditar que, uma só pessoa mesmo com poderes supernaturais, poderia resolver problemas como a fome e a opressão por que passam milhões de pessoas no planeta, é de tanta pureza, que crianças muito menos adolescentes poderiam imaginar como seria o happy end da estória.
    Da mesma forma infantil é anelar que um regime político, “socialista” ou “capitalista” o faça.

    Críticar milhares de pessoas de, “mentes ainda não amadurecidas e pouco exigentes” é muita presunção para meu gosto.

    A moral desta fábula na minha interpretacao é de que talvez não seria mesmo muito infantil infundir densidade e sérios dilemas morais ao personagem. Tamém quanto a luta do herói que dá-se geralmente em âmbito local, aspirando a este grupo (não amadurecidos e pouco exigentes) de que a tarefa de aplacar as dores do mundo começa com a luta contidiana e assim com cada um de nós.
    Enfim, não ser tão inchaço e exagerando com este tema, espelhando um idealismo encima de um personagem fadado e infantiloides.

    Sinto mas isto me parece mais uma alienação.

    A alienação no trabalho é gerada na sociedade devido à mercadoria, (estória).
    A diferença esta na criatividade de procurar soluções para os problemas. O que me faltou nesta crítica.

    Muito bem escrita mas o conteúdo ideológico, no meu ponto de vista, um pouco alienado.

    Um cordial abraco

    Ricardo

Os comentários estão desativados.