O que levar e o que é proibido durante a prova do Enem

Nas últimas edições do Enem, candidatos foram eliminados por postar imagens da prova em redes sociais

Para fazer as provas, a redação e preencher o cartão de respostas o candidato terá de usar caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Após a rotina de estudos e em meio à ansiedade nos dias que antecedem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o estudante deve ficar atento ao material que precisa levar no dia da prova e ao que não é permitido durante a aplicação do exame.

Nas últimas edições do Enem, candidatos foram eliminados por postar imagens da prova em redes sociais
Nas últimas edições do Enem, candidatos foram eliminados por postar imagens da prova em redes sociais

Para fazer as provas, a redação e preencher o cartão de respostas o candidato terá de usar caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente. Outra cor de tinta impossibilita a leitura óptica do cartão de respostas.

Não é autorizado o uso de celular ou qualquer aparelho eletrônico durante as provas. Os aparelhos terão de ser colocados em um porta-objetos com lacre. Que deverá ficar embaixo da cadeira até o final das provas.

Nas últimas edições do Enem, candidatos foram eliminados por postar imagens da prova em redes sociais. O diretor do Colégio Concórdia, de São Paulo, Edson Wander Eller, alerta os estudantes para o risco de tirar fotos e usar redes sociais no exame.

– Com a moda dos selfies, é comum o aluno entrar na sala e querer fotografar a prova e publicar nas redes sociais. É importante lembrar que o Ministério da Educação e outros órgãos do governo fazem o acompanhamento disso. E podem fazer com que o aluno seja desclassificado – diz o professor.

Os estudantes

O candidato também não poderá usar lápis, lapiseira, borrachas, livros, manuais, impressos. Anotações, óculos escuros, boné, chapéu, gorro e similares. Portar armas de qualquer espécie, mesmo com documento de porte. Se estiver com um desses objetos, eles deverão ser colocados no porta-objetos.

Neste ano haverá, pela primeira vez, identificação biométrica dos estudantes. O objetivo é prevenir fraudes. As impressões digitais serão colhidas durante as provas. O Ministério da Educação informou que também haverá fiscalização dos lanches dos candidatos.

Ao receber a prova, é importante que o estudante verifique se o caderno de questões e o cartão de respostas têm a mesma quantidade de itens e se não há defeito gráfico.  É recomendado ler e conferir as informações no caderno de questões, no cartão-resposta, na folha de redação e na lista de presença.

O aluno poderá deixar o local após duas horas do início da prova. Só é possível sair com o caderno de questões nos últimos 30 minutos antes do fim das provas. Caso descumpra qualquer uma dessas regras, será eliminado.

O documento de identidade com foto é obrigatório para fazer o exame. Pode ser apresentada a carteira de identidade. A identidade expedida pelo Ministério da Justiça para estrangeiros. As carteiras expedidas por ordens ou conselhos de classes validadas por lei, a carteira de trabalho, o certificado de reservista, o passaporte ou a carteira de habilitação.

Se tiver perdido o documento, o estudante deve apresentar boletim de ocorrência com data de, no máximo, 90 dias antes da prova.

Estudantes desocupam a Câmara de Vereadores de Guarulhos

Nas redes sociais, o grupo Ocupa Câmara Guarulhos divulgou nota em que já informava a intenção de desocupar o prédio

Também são contrários à medida provisória que reestrutura e flexibiliza o ensino médio no país. A mudança teria “como pano de fundo a privatização e a precarização do ensino”

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

O grupo de aproximadamente 30 estudantes secundaristas e universitários que ocupava a Câmara de Vereadores de Guarulhos deixou o local espontaneamente, após 11 dias de permanência. De acordo com a Guarda Civil Metropolitana, a saída pacífica ocorreu na segunda-feira à noite. Não foram contabilizados possíveis danos.

Nas redes sociais, o grupo Ocupa Câmara Guarulhos divulgou nota em que já informava a intenção de desocupar o prédio
Nas redes sociais, o grupo Ocupa Câmara Guarulhos divulgou nota em que já informava a intenção de desocupar o prédio

Nas redes sociais, o grupo Ocupa Câmara Guarulhos divulgou nota em que já informava a intenção de desocupar o prédio. Eles protestam contra a Proposta de Emenda à Constituição que limita o crescimento dos gastos públicos nos próximos 20 anos (PEC 241).

Também são contrários à medida provisória que reestrutura e flexibiliza o ensino médio no país. A mudança teria “como pano de fundo a privatização e a precarização do ensino”, diz a nota do grupo.

Segundo a assessoria de imprensa da Câmara de Guarulhos, duas sessões ordinárias precisaram ser canceladas. Os estudantes ocuparam a Câmara durante uma sessão, a Guarda Civil foi acionada, mas parte dos vereadores impediu que fosse usada a força para retirá-los.

Processo de reintegração

O presidente da Câmara, Professor Jesus (DEM), já havia pedido o processo de reintegração de posse do espaço. O juiz José Roberto Leme Alves de Oliveira determinou que a reintegração deveria ocorrer na segunda-feira.

De acordo com os alunos, no período de ocupação, foram realizados debates, aulas públicas e saraus, “que aprofundaram o debate entre estudantes secundaristas e universitários, professores da rede federal, estadual e municipal, trabalhadores e desempregados”.

Termina prazo para que estudantes desocupem escolas

Os estudantes que fazem as ocupações são contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016

De acordo com o último balanço da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) são 1.177 locais ocupados em todo o país. Não há um balanço nacional oficial. Os números locais, no entanto, são diferentes

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Terminou nesta segunda-feira o prazo dado pelo Ministério da Educação (MEC) para que os estudantes deixem as escolas, universidades e institutos federais ocupados em protesto contra medidas tomadas pelo governo federal. Caso isso não ocorra, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será cancelado nessas localidades.

Os estudantes que fazem as ocupações são contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016
Os estudantes que fazem as ocupações são contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016

De acordo com o último balanço da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) são 1.177 locais ocupados em todo o país. Não há um balanço nacional oficial. Os números locais, no entanto, são diferentes. É o caso do Paraná, por exemplo, onde a Ubes diz que há 843 estabelecimentos. enquanto a Secretaria de Educação fala em 491.

Conforme o último balanço do MEC, divulgado há quase duas semanas. Cerca de 182 locais de prova estavam ocupados. Mais de 95 mil candidatos deveriam fazer o exame nesses espaços.

Os estudantes que fazem as ocupações são contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016. A PEC limita os gastos do governo federal pelos próximos 20 anos. Estudos mostram que a medida pode reduzir os repasses para a área de educação que, limitados por um teto geral. Resultarão na necessidade de retirada recursos de outras áreas para investimento no ensino. O governo defende a medida como um ajuste necessário em meio à crise que o país enfrenta e diz que educação e saúde não serão prejudicadas.

Medida Provisória

Eles também são contra a reforma do ensino médio, proposta pela Medida Provisória (MP) 746/2016, enviada ao Congresso. Para o governo, a proposta irá acelerar a reformulação da etapa de ensino que concentra mais reprovações e abandono de estudantes.

Os alunos argumentam que a reforma deve ser debatida amplamente antes de ser implantada por MP, que começa a vigorar imediatamente.

De acordo com o MEC, o prazo dado “é para que ainda haja tempo hábil para realização das provas nos locais. Caso as ocupações sejam mantidas, prejudicando os alunos que fariam prova nesses locais.

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Aníseio Teixeira) terá de fazer a prova em outra data. Para aqueles estudantes que não conseguiram. Não há data definida. O MEC ainda aguarda que o bom senso prevaleça”, diz o ministério por meio da assessoria de imprensa.

Estudantes erram mais nas provas de matemática, física e química do Enem

Professores aconselham estudantes pesquisarem os conteúdos de matemática que mais têm caído nas provas do Enem

A taxa de acertos nestas três disciplinas foram as menores no período analisado. Em matemática, o índice de acerto foi de 29%. Tanto em química quanto em física, de 26%

Por Redação, com ABr – de Brasília:

As disciplinas da área de exatas são as vilãs para muitos estudantes nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), como mostra um levantamento sobre erros e acertos. Foi nas provas de matemática, física e química que os candidatos mais erraram questões no Enem entre os anos de 2009 e 2014.

O levantamento foi feito pela plataforma AppProva a partir da análise de microdados do exame e o objetivo é auxiliar professores e estudantes para aprimorarem o desempenho nas provas. As provas do Enem serão realizadas nos dias 5 e 6 de novembro.

Professores aconselham estudantes pesquisarem os conteúdos de matemática que mais têm caído nas provas do Enem
Professores aconselham estudantes pesquisarem os conteúdos de matemática que mais têm caído nas provas do Enem

A taxa de acertos nestas três disciplinas foram as menores no período analisado. Em matemática, o índice de acerto foi de 29%. Tanto em química quanto em física, de 26%. Levando em conta apenas o exame de 2014, a taxa de acerto em química foi de 27% e em matemática e física, de 25%.

Dentro da matemática, os conteúdos que os estudantes mais erraram foram sistema de equações, funções do segundo grau e escala. Em física, o conteúdo campeão de erros é a dinâmica e em química há empate entre equilíbrio químico e estequiometria.

Matemática é a maior prova

O diretor do colégio e curso SEI, no Rio de Janeiro, Daniel Vitor Noleto, lembra que a prova de matemática é a maior do Enem, com 45 questões, e aponta algumas dicas para o candidato se sair bem.

Ele aconselha os estudantes pesquisarem os conteúdos de matemática que mais têm caído nas provas do Enem para dedicar atenção a eles. Outra sugestão é também direcionar mais tempo de estudo para as áreas da matemática onde o estudante tem mais dificuldade.

– É importante ver o que você tem mais dificuldade dentro da matemática. Estudar a fundo esse conteúdo, pesquisar o que mais tem caído em matemática. Pegar esses assuntos que são mais importantes e estudar bem. Durante a reta final para garantir o máximo de pontos nesta que é uma a maior prova do Enem – disse.

Taxas de acerto mais elevadas

Já as disciplinas com as maiores taxas de acerto no Enem entre 2009 e 2014 são língua portuguesa (44%), história (38%) e biologia (36%).

A prova do Enem é dividida em quatro áreas de conhecimento: ciências humanas; ciências da natureza; linguagens e códigos; e matemática. O levantamento também analisou os conteúdos que os candidatos mais acertaram dentro dessas áreas.

Em ciências humanas, houve mais acertos nos temas que envolvem ética e política, em ciências da natureza nos conteúdos de anatomia e filosofia. Na matemática, os estudantes acertaram mais progressões aritméticas e, em linguagens, a interpretação de propagandas.

A partir dos microdados do Enem divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a plataforma AppProva analisou as taxas de acertos dos alunos por grandes áreas, disciplinas, conteúdos, habilidades e questões.

Belo Horizonte: candidatos votam em escola ocupada por estudantes

Antes de votar, Alexandre Kalil disse que, se eleito, seu primeiro desafio será tirar famílias de áreas de risco

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) manteve o processo eleitoral nas escolas ocupadas e, em acordo com os estudantes, fez uma delimitação do espaço de mobilização

Por Redação, com ABr – de Belo Horizonte:

 

Os dois candidatos que disputam o segundo turno da eleição para a prefeitura de Belo Horizonte votaram neste domingo na Escola Estadual Governador Milton Campos, conhecida popularmente como Colégio Estadual Central. A instituição é uma das sete na capital mineira que estão ocupadas por estudantes.

Antes de votar, Alexandre Kalil disse que, se eleito, seu primeiro desafio será tirar famílias de áreas de risco
Antes de votar, Alexandre Kalil disse que, se eleito, seu primeiro desafio será tirar famílias de áreas de risco

Eles protestam contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que estabelece um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos, e contra a Medida Provisória  (MP) 746, que propõe mudanças na estrutura do ensino médio.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) manteve o processo eleitoral nas escolas ocupadas. E em acordo com os estudantes, fez uma delimitação do espaço de mobilização, de forma a não atrapalhar o fluxo dos eleitores. A eleição nestes locais ocorre tranquilamente.

Prioridade é evitar tragédia em áreas de risco

Alexandre Kalil votou às 10h20 acompanhado da mulher, Ana Laender. Ele disse que, se eleito, seu primeiro desafio será tirar famílias de áreas de risco. “Em janeiro, começa a cair casa e morrer gente.

Na prática, já na segunda-feira você tem que correr na Defesa Civil, na prefeitura e no governo do estado para que esta catástrofe que se tornou rotina na vida de Belo Horizonte passe agora a ser exceção”.

Às 12h10 foi vez do candidato João Leite comparecer ao Colégio Estadual Central para votar. Acompanhado do senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves. E do também senador tucano Antônio Anastasia. “Não é brincadeira escolher um prefeito de Belo Horizonte. Eu confio na população. Ela escolherá alguém com muita experiência para administrar a cidade”, disse João Leite.

Aécio Neves considerou que a eleição em Belo Horizonte já representa para o PSDB uma vitória. Sobre seu principal adversário, o PT. Ele disse que, embora não assumam, os petistas estão aliados a Alexandre Kalil.

– O PT teve uma votação no primeiro turno em Belo Horizonte muito pouco expressiva. E agora vive o constrangimento de apoiar por debaixo dos panos a candidatura do nosso adversário e de ser renegado por ele publicamente. Triste fim do PT.

No primeiro turno, Reginaldo Lopes (PT) terminou a disputa na quarta posição com 7,27% dos votos. No segundo turno, o PT não anunciou oficialmente apoio a nenhum candidato. O governador mineiro Fernando Pimentel (PT) votou também pela manhã e não quis revelar seu voto.

Eleitores

Cerca de 1 milhão e 900 mil eleitores estão aptos a votar neste segundo turno em Belo Horizonte. Ex-goleiro do Atlético-MG e deputado estadual em seu sexto mandado. João Leite foi o mais votado no primeiro turno com 33,4% dos votos válidos. Já o ex-presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil, registrou 26,56% da preferência do eleitorado.

O cenário é imprevisível já que diferentes pesquisas indicaram empate técnico nos últimos dias. “A eleição será decidida por poucos votos”, opina o cientista político Lucas Cunha, do Centro de Estudos Legislativos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Lucas Cunha também acredita que os constantes ataques entre os dois candidatos no segundo turno favorecem a descrença dos eleitores, o que deve contribuir para que novamente se verifique uma alta taxa de abstenção. No primeiro turno, a soma de abstenções, votos nulos e brancos, superou 740 mil, mais do que a soma dos votos em João Leite e Alexandre Kalil.

Paraná: ‘Não ocupamos por bagunça, mas porque acreditamos no futuro do Brasil’

Ana Julia e Nicoly Moreira se posicionaram contra PEC 241 e contra reforma do ensino médio

Secundarista do Paraná foram ao plenário da Assembleia Legislativa e convidaram deputados a conhecer ocupações. Brasil soma 1.154 escolas ocupadas contra medidas propostas por Temer

Por Redação, com RBA – de São Paulo:

“De quem é a escola? A quem ela pertence? Acredito que todos aqui saibam a resposta.” Foi assim que a secundarista paranaense Ana Julia Pires Ribeiro, de 16 anos, iniciou seu discurso no plenário da Assembleia Legislativa do Estado, na quarta-feira.

Ana Julia e Nicoly Moreira se posicionaram contra PEC 241 e contra reforma do ensino médio
Ana Julia e Nicoly Moreira se posicionaram contra PEC 241 e contra reforma do ensino médio

Ana Julia se dirigiu aos deputados com alertas sobre as demandas do movimento estudantil, que já ocupa 1.154 escolas pelo país contra a reforma do ensino médio e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, ambas medidas do governo de Michel Temer.

– Os colégios do Paraná e do Brasil estão ocupados pela educação. Não estamos lá para fazer baderna, não estamos lá de brincadeira. Lutamos por um ideal, porque a gente acredita no futuro do nosso país, que vai ser o país dos nossos filhos e dos filhos dos nossos filhos, e eu me preocupo com esse país – disse a jovem, aluna da Escola Estadual Senador Manuel Alencar Guimarães.

O Paraná é o Estado com o maior número de escolas ocupadas: 845 no total, seguida por Minas Gerais (69), Rio Grande do Sul (14) e Distrito Federal (12). De acordo com o levantamento da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).

Escolas

Em todo o país, são 1.047 escolas e institutos federais ocupados, além de 102 universidades, três Núcleos Regionais de Educação e outro espaço ainda não identificado pelo movimento.

– Se vocês ainda duvidarem da legitimidade do nosso movimento. Os convido para participar das ocupações, para nos visitar e conhecer de perto o que fazemos. É um insulto a nós, que estamos nos dedicando, sermos chamados de doutrinados. É um insulto aos estudantes e aos professores – disse Ana Julia, emocionada. “Nós estamos na escola e não somos vagabundos como dizem aqui. Estamos lutando por um ideal, porque acreditamos nele”, insistiu.

Os estudantes protestam contra a reforma no ensino médio, prevista na Medida Provisória 746, que foi anunciada pelo governo Temer em 22 de setembro. A MP foi duramente criticada por especialistas, que defendem que ela é ultrapassada e que fragmenta a formação.

A reforma prevê, por exemplo, a flexibilização do currículo para que os alunos escolham entre as áreas de linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional. Artes, Educação Física, Filosofia e Sociologia deixam de ser obrigatórias e os professores não precisariam mais ter diploma de licenciatura.

– A Medida Provisória está prevista na Constituição, mas para casos emergenciais. Nós precisamos de uma reforma no ensino médio e em todo sistema educacional, mas ela precisa ser debatida e feita pelos profissionais da área de educação. O projeto tem lados positivos, mas tem muitas falhas e, se colocarmos ele em prática assim, o Brasil estará fadado ao fracasso – seguiu.

Ensino Médio

A estudante lembrou que a MP do Ensino Médio não é a única reivindicação do movimento: “Tem também a chamada lei da mordaça e a proposta de Escola Sem Partido. É uma afronta: uma ‘escola sem partido’ é uma escola sem senso crítico. É uma escola racista, é uma escola homofóbica.

É falar para os estudantes que querem formar um exército de não-pensantes, que só ouve e baixa a cabeça, e não somos isso”, afirmou. “Em pleno 2016 querem nos colocar um projeto desse? Isso nos insulta, nos humilha e diz que não temos capacidade de pensar por nós próprios, mas não vamos baixar a cabeça.”

Nas ocupações, os estudantes também protestam contra a PEC 241, que congelará os investimentos públicos por 20 anos, inclusive em educação, prevendo apenas o reajuste pela inflação do ano anterior.

Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) estimaram que, se a lei valesse desde 2005, os recursos para a educação em 2015 teriam caído de R$ 98 bilhões para R$ 24 bilhões.

– A PEC 241 é outra afronta, inclusive para a Constituição cidadã de 1988. É uma afronta à Previdência, à saúde, à educação e à assistência social. Não podemos deixar isso acontecer e cruzar os braços – disse Ana Julia. “Somos um movimento apartidário, que se preocupa com as gerações futuras, com a sociedade e com o futuro do país.

Futuro

Que futuro o Brasil vai ter se não nos preocuparmos com uma geração de pessoas que não vão ter senso crítico e acreditar apenas no que estão lendo?”

O clima na sessão chegou a ficar tenso quando a jovem citou um episódio. O estudante Lucas Eduardo Araújo Mota, também de 16 anos. Ele foi encontrado morto na Escola Estadual Santa Felicidade, em Curitiba, na última segunda-feira. Com perfurações no tórax e no pescoço. O estabelecimento está ocupado desde o dia 14 de outubro.

– Os que estão aqui representam o Estado e os convido a olhar as mãos de vocês. Elas estão sujas com o sangue do Lucas – declarou. Nesse momento, o presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB), interrompeu o discurso e ameaçou suspender a sessão. “Aqui você não pode agredir os parlamentares.

Ninguém está com a mão suja. Vou exercer minha autoridade”, disse Traiano. “Peço desculpas, mas o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) diz que a responsabilidade pelos adolescentes é da sociedade, da família e do Estado”, respondeu Julia, sendo bastante aplaudida por parte plenário.

Educação melhor

Outra estudante, Nicoly Moreira do Nascimento, de 15 anos, aluna do Colégio Estadual Santa Felicidade, também falou no plenário da assembleia paranaense. Ela defendeu as ocupações, reafirmou que o movimento é pacífico e que luta por uma educação melhor.

– O que me motivou a estar aqui foi saber que tem muitas pessoas que ainda estão apoiando (o movimento). Que dentro do movimento tem jovens querendo educação –  disse. “Estamos aqui para defender as ocupações, que são pacíficas, ocupações onde a gente não tem intenção de prejudicar ninguém.

Todos querem ter o direito à educação. A gente também quer, mas não quer ter o direito de estudar para tirar um seis e passar de ano. Quer ter o direito de estudar para obter conhecimento.”

– O movimento estudantil nos trouxe um conhecimento muito maior de política e cidadania do que todo o tempo que estivemos sentados enfileirados nas aulas padrão – defendeu. “Apesar da ridicularizarão, de sermos ofendidos e dos problemas que vamos enfrentar, a gente ainda consegue ter felicidade, porque percebemos que deixamos de ser meros adolescentes e nos tornamos cidadãos comprometidos.”

Paraná: Conselho de Educação divulga nota contra MP do Ensino Médio

Secundaristas ocupam escolas contra a reforma do ensino médio e a PEC 241, ambas propostas pelo governo Temer

Conselho também se oferece para atuar como moderador junto aos secundaristas que ocupam escolas, que chegam a 1.072 unidades em todo o país

Por Redação, com RBA – de Brasília:

O Conselho Estadual de Educação do Paraná divulgou comunicado oficial no qual discorda de uma reforma do ensino médio feita por medida provisória (MP) e diz que pedirá apoio à revogação da MP junto a representantes no Congresso Nacional.

Secundaristas ocupam escolas contra a reforma do ensino médio e a PEC 241, ambas propostas pelo governo Temer
Secundaristas ocupam escolas contra a reforma do ensino médio e a PEC 241, ambas propostas pelo governo Temer

O comunicado foi divulgado após a sessão plenária do Conselho Estadual de Educação do Paraná, que ocorreu no dia 21 deste mês. O conselho também se oferece para atuar como moderador junto aos secundaristas que ocupam as escolas.

– Informamos que este conselho, somando-se a lideranças e instituições da educação brasileira, reitera o seu descontentamento e discordância com a tentativa de se promover tão importante reforma por meio de uma medida provisória – diz o comunicado.

A revogação da MP 746/2016, enviada pelo governo ao Congresso Nacional do final do mês passado. É uma das principais bandeiras das ocupações de escolas e instituições federais de ensino por estudantes.

MP

A MP estabelece um novo modelo para o ensino médio, no qual o estudante pode escolher parte da própria formação e a jornada escolar é ampliada para sete horas diárias. Também tranfere a definição de disciplinas obrigatórias para os três anos do ensino médio, com exceção de português e matemática, para a Base Nacional Comum Curricular – atualmente em discussão.

– As reações contrárias à proposta, que presenciamos em todo país. E, em particular, no Paraná, são evidências de que a maneira impositiva adotada não foi adequada. Impedindo que o debate possa ocorrer da forma que tão importante tema exige – diz o conselho.

O governo federal defende a MP dada a urgência do tema e diz que a questão está em debate pelo menos desde 2013, em formato de projeto de lei, no Congresso Nacional.

Os conselheiros acreditam que uma reformulação do ensino médio é necessária. “Entretanto, a via escolhida nos afasta dessa intenção e rechaça as contribuições que. Sem dúvida alguma, o amplo debate e discussão trariam. De forma contrária ao princípio da Gestão Democrática, um dos principais alicerces da educação em nosso país”, dizem.

UBES

De acordo com a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES). Cerca de 1.072 locais estão ocupados por estudantes em todo o país. O número inclui escolas, institutos federais e universidades federais. No Paraná, são 792, segundo o governo estadual.

O Conselho Estadual de Educação do Paraná é composto por 19 membros titulares e respectivos suplentes, nomeados pelo governador, com mandato de seis anos. São profissionais de notório saber e experiência na área educacional relacionada à área de atuação.

Os conselhos estaduais de Educação foram criados com o objetivo de orientar a política educacional do Estado. Tendo como tarefa regulamentar, por atos normativos. As bases e diretrizes emanadas do Conselho Nacional de Educação e a função de ordenar o sistema de ensino em diversos níveis.

Alunos protestam contra reforma do ensino médio em SP

A reformulação do Ensino Médio entrou em vigor no último dia 22 de setembro a partir de uma Medida Provisória (MP) assinada pelo presidente Michel Temer

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

Estudantes secundaristas fizeram na manhã desta terça-feira na capital paulista um protesto contra a Reforma do Ensino Médio. Após concentração no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), o grupo segue animado por tambores, interrompendo o trânsito na Avenida 9 de Julho.

Após concentração no vão-livre do Masp, o grupo segue pela Avenida 9 de Julho até a Secretaria de Educação
Após concentração no vão-livre do Masp, o grupo segue pela Avenida 9 de Julho até a Secretaria de Educação

Com faixas e bandeiras, a passeata deve ir até a Secretaria de Educação, na Praça da República, no centro. O trajeto foi definido em assembleia no início do ato. Nesse momento também foi feito um manifesto conjunto dos estudantes. Condenando o corte de disciplinas no currículo obrigatório. A privatização da gestão de escolas e a Proposta de Emenda Constitucional 241, que estabele um limite para os gastos públicos.

Medida Provisória

A reformulação do Ensino Médio entrou em vigor no último dia 22 de setembro. A partir de uma Medida Provisória (MP) assinada pelo presidente Michel Temer. Além da flexibilização dos currículos, está previsto um aumendo gradual da jornada escolar.

As mudanças já estavam em discussão no Congresso Nacional no Projeto de Lei 6480/2013. Agora voltam em formato de MP, com o prazo de 120 dias para ser votada.

– Juntas (PEC e MP) elas são uma precarização geral do ensino”, diz Lilith Passos (16 anos), estudante do 2° ano do ensino médio. “Vão contra tudo o que a gente lutou nas ocupações no ano passado – acrescentou em referência ao movimento em que os secundaristas paralisaram as atividades em diversas escolas contra a reorganização escolar proposta em 2015 pelo governo de São Paulo. A ideia, abandonada após os protestos, previa o fechamento de estabelecimentos de ensino e a realocação de milhares de alunos.

As mudanças no currículo vão, na opinião da estudante Biana Politto, reduzir o espaço para fazer reflexões na sala de aula. “Eles querem tirar as matérias que mais fazem a gente ter um pensamento crítico”, reclamou a jovem de 18 anos, aluna do ensino técnico. Pelo texto elaborado pelo governo, as disciplinas obrigatórias serão discutidas em paralelo dentro da Base Curricular Comum.

Para a estudante, o sistema de abrir opções para escolha dos alunos tem poucas chances de funcionar. “A gente sabe que as matéria que forem opcionais não vão ter mesmo. História era matéria obrigatória quando eu estudei. Mas praticamente não tive aula de história por falta de professor e outras coisas”, comparou.

Prazo para fazer simulado do Enem termina neste fim de semana

Os três simulados Hora do Enem anteriores registraram cerca de 1,5 milhão de avaliações realizadas. Estudantes de todo o Brasil participaram das provas

 

Por Redação, com ABr – de Brasília:

 

Este é o último fim de semana para que os estudantes que participarão do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) testem os conhecimentos no simulado nacional da plataforma Hora do Enem: será o quarto e último simulado que ocorre antes das provas, marcadas para os dias 5 e 6 de novembro. Uma novidade deste simulado é que o estudante terá acesso ao gabarito oficial, que será divulgado na próxima segunda-feira.

Este é o último fim de semana para que os estudantes que participarão do Exame Nacional do Ensino Médio
Este é o último fim de semana para que os estudantes que participarão do Exame Nacional do Ensino Médio

O teste está dividido em duas provas, somando 180 questões. Como são testes longos, o recomendável é que sejam feitos em dois dias, assim como ocorre no Enem. No primeiro dia do simulado, os alunos responderão 90 questões, divididas igualmente entre Ciências Humanas e Ciências da Natureza. O segundo dia de provas será destinado a outras 90 questões de Matemática e Linguagens.

Depois do simulado, os estudantes terão acesso a um ranking para comparar o seu desempenho com os outros candidatos que buscam a mesma universidade ou curso. As provas do Enem estão marcadas para os dias 5 e 6 de novembro.

A plataforma Hora do Enem pode ser acessada por computador, smartphone ou tablet. Além do simulado, também é possível acessar boletins de notícias com informações sobre o Enem, programas de TV com dicas e conteúdos, questões resolvidas e comentadas, videoaulas e uma plataforma de estudos personalizada com planos de estudos e exercícios on-line.

Os três simulados Hora do Enem anteriores registraram cerca de 1,5 milhão de avaliações realizadas. Estudantes de todo o Brasil participaram das provas, que tiveram como principal alvo os alunos de escolas públicas.

Horário de verão

Devido ao horário de verão, que começa na madrugada deste  domingo (16), os estados terão prazos diferentes para os alunos acessarem as provas. O simulado poderá ser iniciado apenas até as 19h59, de domingo, no horário de Brasília.

Os estados que terão horários diferenciados são: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Bahia, Sergipe, Pernambuco, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Amapá, Pará e Tocantins, onde as provas podem ser iniciadas até as 18h59, no horário local.

Em Rondônia, Roraima e Amazonas os simulados estão disponíveis para inicio até 17h59. No estado do Acre, até 16h59, no horário local. Os demais estados seguem o horário local de Brasília.

Enem

A nota do exame é usada na seleção para vagas em instituições públicas, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), bolsas na educação superior privada, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) além de ser requisito para receber o benefício do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Para pessoas maiores de 18 anos, o Enem pode ser usado como certificação do ensino médio.

A plataforma Hora do Enem disponibiliza gratuitamente um plano de estudos individual para quem quer se preparar para o exame. O estudante faz um cadastro no qual preenche o curso que pretende fazer. O site também permite ao candidato participar de simulados nacionais, além de ter acesso ao Mecflix, portal com mais de 1,2 mil videoaulas.

Simulado do Enem estará disponível até o final desta semana

O teste está dividido em duas provas, somando 180 questões. Como são testes longos, o recomendável é que sejam feitos em dois dias, assim como ocorre no Enem

Por Redação, com ABr – de Brasília:

 

Os estudantes que participarão do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em novembro, puderam aproveitar o feriado desta quarta-feira para dar uma reforçada nos estudos e testar seus conhecimentos no simulado online da plataforma Hora do Enem, que ficará disponível até o próximo domingo.

Este é o quarto e último simulado antes das provas do Enem
Este é o quarto e último simulado antes das provas do Enem

Nesta semana, muitas escolas emendaram o feriado de Nossa Senhora Aparecida com o Dia dos Professores, que fica conhecida como “semana do saco cheio”.

Este é o quarto e último simulado antes das provas do Enem.

Teste

O teste está dividido em duas provas, somando 180 questões. Como são testes longos, o recomendável é que sejam feitos em dois dias, assim como ocorre no Enem. É obrigatório fazer a prova do primeiro dia antes da prova do segundo dia.

Depois da prova, os estudantes terão acesso a um ranking para comparar o seu desempenho com os outros candidatos que buscam a mesma universidade ou curso. As provas do Enem estão marcadas para os dias 5 e 6 de novembro.

A plataforma Hora do Enem pode ser acessada por computador, smartphone ou tablet. Além do simulado, também é possível acessar boletins de notícias com informações sobre o Enem, programas de TV com dicas e conteúdos, questões resolvidas e comentadas, videoaulas e uma plataforma de estudos personalizada com planos de estudos, exercícios e simulados on-line.