Legado da Rio 2016 é colocado em xeque devido a crise

Ginásios que foram projetados para serem transformados em escolas após os Jogos ainda estão em desmontagem e permanecem sem utilização

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro:

Arenas que custaram centenas de milhões de reais e uma área de lazer prometida à população de uma região pobre estão fechadas ao público desde o fim dos Jogos Rio 2016 devido a problemas financeiros, falta de interesse da iniciativa privada e atraso no planejamento, o que reforça as críticas e dúvidas sobre o prometido legado da primeira Olimpíada na América do Sul.

No Parque Aquático, as piscinas temporárias foram removidas para serem instaladas em outros locais
No Parque Aquático, as piscinas temporárias foram removidas para serem instaladas em outros locais

Ginásios que foram projetados para serem transformados em escolas após os Jogos ainda estão em desmontagem e permanecem sem utilização. Assim como um novo velódromo, que apesar de não receber ciclistas. Conta com o ar condicionado ligado de forma ininterrupta para a preservação da cara pista de madeira.

No Parque Aquático, as piscinas temporárias foram removidas para serem instaladas em outros locais. Mas as crateras onde estavam permaneceram abertas. Acumulando água suja. Um risco em uma região com histórico de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

– Sem dúvida que causa um desconforto aquela sensação de que um parque bonito desse, que a gente viu há tão pouco tempo. Não estar sendo utilizado como nós todos gostaríamos. Atletas, comunidade esportiva e população – reconheceu a subsecretária de Esportes da Prefeitura do Rio, Patrícia Amorim. Acrescentando que está trabalhando para reverter a situação.

Segundo ela, a troca de governo municipal na virada do ano. O fracasso no plano da gestão anterior de repassar o Parque Olímpico da Barra à iniciativa privada por falta de interessados. Foram fatores decisivos para o problema, além do “momento muito complicado no país” no tocante à questão de recursos.

– Nesse momento todo o nosso esforço são os estudos de viabilidade financeira – disse a ex-nadadora olímpica em entrevista à agência inglesa de notícias Reuters durante visita ao parque.

População

Ela ressaltou que está trabalhando para que em um curto espaço de tempo o local volte a estar à disposição da população. Conforme prometido no plano de legado da candidatura da cidade para receber a Olimpíada.

Desde o fim dos Jogos, o Parque Olímpico não havia recebido um evento esportivo sequer nas novas arenas até o último fim de semana, Quando o Centro Olímpico de Tênis foi palco de um jogo de vôlei de praia. Sob duras críticas de tenistas que lamentaram o despejo de toneladas de areia sobre a quadra.

– É patético você ver que já que está fechado, é melhor ter areia do que não ter nada. É patético você ter uma quadra de tênis lá. Não ser usada para tênis seis meses depois dos Jogos – disse à Reuters o ex-tenista Fernando Meligeni, 4º colocado na Olimpíada de Atlanta 1996 e crítico da gestão esportiva no país.

– No momento em que você faz uma Olimpíada e coloca de pé tantas arenas na mesma cidade você tem que se preparar. É inaceitável você acabar uma Olimpíada e não ter ninguém preparado para assumir um legado desses – acrescentou.

Falta de utilização

A falta de utilização após a Olimpíada se repete até no Maracanã. Uma disputa entre o governo estadual, o comitê organizador Rio 2016 e a concessionária responsável pelo estádio. Resultou em abandono do local, que recentemente teve o fornecimento de luz cortado durante alguns dias por falta de pagamento e foi até alvo de furtos.

Ícone mundial e principal estádio de futebol do país. O Maracanã praticamente não recebeu jogos desde a final olímpica em que o Brasil conquistou a inédita medalha de ouro.

O custo da reforma do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos de 2016 supera R$ 1 bilhão. Além dos mais de R$ 1,2 bilhão de recursos federais gastos no Parque Olímpico. Despertando preocupações com a destinação desse dinheiro.

O quadro de desalento com o legado se vê agravado pela grave crise financeira que atravessa o Estado. Em que servidores públicos têm realizado protestos contra atrasos e cortes nos pagamentos.

– A grande preocupação nossa é o legado, como ficará o legado com relação às arenas para não se transformarem em elefantes brancos – disse o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes após visitar arenas da cidade.

“NIingué tem dinheiro”

A gestão do Parque Olímpico foi assumida em dezembro de 2016 pelo Ministério do Esporte. Após o fracasso de uma licitação realizada pela Prefeitura do Rio. Para escolher uma empresa para administrar o local por falta de interessados. Um dos motivos seria o alto custo de manutenção, estimado após os Jogos em cerca de R$ 30 milhões por ano.

No fim de semana, o governo federal assinou acordos com o Comitê Olímpico do Brasil (COB). O Comitê Paralímpico Brasileiro e Comitê Brasileiro de Clubes, Com o objetivo de compor um plano para a utilização do local. Como um legado, incluindo locais de treinamento e eventos de alto rendimento e núcleos de iniciação esportiva, inclusão, lazer e participação.

Críticos, no entanto, alegam que o plano deveria ter ficado pronto com antecedência para evitar o longo período de inatividade desde o fim dos Jogos Rio 2016.

– Seis meses depois, uma coisa que já começou a estar detonada, é lógico que ninguém quer pegar. O sentimento é duro, porque é um sentimento de brasileiro, de atleta, de bobo – afirmou o ex-tenista Meligeni.

Parque Olímpico

Questionado pela Reuters sobre o legado do Parque Olímpico, o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes, que tocou todo o projeto olímpico da cidade. Ele disse que a administração do local está com o Ministério do Esporte. Citou a realização do jogo de vôlei de praia como exemplo de utilização.

– Há de se levar em consideração que os caminhos estão dados. Mas não se desmontam estruturas que levaram anos para ser levantadas em poucos meses – disse o prefeito em uma nota. “As condições estão dadas para que possamos ter o melhor legado dos equipamentos. Contratos e convênios estão fechados.”

O acordo do ministério com o COB ainda é preliminar e não tem definições concretas sobre o plano efetivo de uso do Parque Olímpico. De acordo com uma fonte com conhecimento do assunto, que falou sob condição de anonimato.

Umas das questões pendentes é financeira, de acordo com a fonte. “Nesse momento ninguém tem dinheiro sobrando”, afirmou.

O Ministério do Esporte informou, por meio da assessoria de imprensa. Que já está realizando a transformação para o modo legado das arenas sob sua responsabilidade no Parque Olímpico.

– O Ministério do Esporte está cumprindo o que foi compromissado por meio do projeto de legado entregue em 2016 – disse a pasta em nota. “Vale destacar que sair do modo Jogos. Iniciar o modo legado é algo que costuma demorar mais de um ano. Como tem ocorrido nas cidades-sedes de Jogos Olímpicos. Neste sentido, o Brasil deve se destacar, oferecendo conteúdo esportivo a menos de um ano do fim dos Jogos.”

E a diversão agora?

Um dos mais propagados legados da Olimpíada seria a transformação do Parque Radical de Deodoro. Que recebeu provas de mountain bike e canoagem. Em uma área de lazer para os moradores da Zona Oeste da cidade. Uma das mais pobres e violentas do Rio.

Apesar do calor intenso do verão carioca, o local, que conta com um enorme espelho d’água e áreas verdes, está fechado desde o fim dos Jogos. Gerando grande frustração para moradores que esperavam desfrutar do parque durante as férias escolares.

– O verão todo, as férias todas das crianças, ficou fechado. O pessoal está dizendo que está tudo largado – disse Alex da Silva Ferreira, mecânico de refrigeração, de 30 anos. Passando em frente ao local acompanhado do filho Richard, de 7 anos. “Depois da Olimpíada a gente esperava que ficasse para a população.”

A administração do Parque Radical cabe à prefeitura, que alega ainda não ter aberto o local ao público. Devido a questões de segurança para a operação. Uma placa atrás dos portões fechados informa que o parque estaria fechado para manutenção. Com reabertura em janeiro, o que não aconteceu.

Risco

– Está fechado porque existe um risco na utilização. É um parque aquático com 31 milhões de litros d’água, não é uma piscina… Toda a manutenção não é barata, todo o maquinário é de um manuseio complexo, então, como custou muito caro, existe essa preocupação para que o manuseio seja compatível com a qualidade daquele equipamento – disse a subsecretária de Esportes.

Enquanto isso, a população da região lamenta estar tão perto e ao mesmo tempo tão longe de um refresco para o calor acima dos 40 graus.  

– Fechou e qual é a nossa diversão agora? Porque na verdade somos de baixa renda, eu tenho muitas netas, é um custo muito grande sair com todas as minhas netas – disse a dona de casa Rita de Cássia Pessoa dos Santos, moradora de uma comunidade vizinha ao parque há 18 anos.

– Já que a gente não tem um hospital, uma educação, uma alimentação boa, pelo menos a gente poderia ter um lazer, né?

Chefe do Comitê Olímpico do Japão é interrogado por pagamentos suspeitos

No ano passado, procuradores franceses anunciaram uma investigação sobre mais de US$ 2 milhões de pagamentos feitos pelo comitê da campanha japonesa à consultoria Black Tidings

Por Redação, com Reuters – de Tóquio:

Procuradores de Tóquio interrogaram o presidente do Comitê Olímpico do Japão por pagamentos suspeitos feitos a uma empresa de consultoria de Cingapura durante a campanha da capital japonesa para sediar os Jogos de 2020, relatou a agência de notícias Kyodo nesta quarta-feira.

Procuradores de Tóquio interrogaram o presidente do Comitê Olímpico do Japão por pagamentos suspeitos feitos a uma empresa de consultoria de Cingapura
Procuradores de Tóquio interrogaram o presidente do Comitê Olímpico do Japão por pagamentos suspeitos feitos a uma empresa de consultoria de Cingapura

O interrogatório de Tsunekazu Takeda, que comandou a campanha bem-sucedida. E de várias outras pessoas envolvidas na candidatura foi voluntário. E realizado a pedido de autoridades da França. Segundo a Kyodo. Takeda e os outros negaram ter feito algo ilegal, disse a agência.

A procuradoria de Tóquio e o Comitê Olímpico do Japão não quiseram comentar a reportagem quando foram contactados pela agência inglesa de notícias Reuters.

No ano passado. Procuradores franceses anunciaram uma investigação sobre mais de US$ 2 milhões. Pagamentos feitos pelo comitê da campanha japonesa à consultoria Black Tidings.

Corrupção

A Black Tidings é comandada por Ian Tan Tong Hon, conhecido por ser amigo de Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack, ex-dirigente de atletismo internacional acusado de corrupção.

As autoridades japonesas vêm repetindo que os pagamentos foram taxas de consultoria legítimas. Uma comissão incumbida pelo Comitê Olímpico de investigar o assunto confirmou em setembro.

Os organizadores da Tóquio 2020 vêm lidando com uma série de dores de cabeça. Entre elas custos crescentes e pedidos de mudança de alguns locais de competição.

O clube de campo que irá sediar os torneios de golfe. Se tornou alvo de críticas por sua política de impedir que mulheres se tornem membros plenos da entidade. E um grupo de expositores está pedindo a Tóquio para encontrar um novo local. Para o centro de mídia dos Jogos em vez de usar o complexo que o grupo normalmente utiliza para suas feiras.

Ataque no Louvre ameaça ambição olímpica de Paris

A França foi alvo de uma série de atentados de militantes islâmicos ao longo dos dois últimos anos, que mataram mais de 230 pessoas

Por Redação, com Reuters – de Paris:

A candidatura de Paris à Olimpíada de 2024 sofreu um revés inesperado nesta sexta-feira, quando um soldado francês feriu a tiros um homem armado com um facão que tentava entrar no Museu do Louvre.

O agressor está vivo, mas seriamente ferido, e a polícia disse que o incidente pareceu um ataque terrorista
O agressor está vivo, mas seriamente ferido, e a polícia disse que o incidente pareceu um ataque terrorista

A capital da França se preparava para apresentar sua candidatura ao Comitê Olímpico Internacional (COI) nesta sexta-feira. Dia que deveria culminar com um espetáculo na Torre Eiffel de noite, na última de uma série de apresentações iniciadas pela manhã em uma escola na área de Saint-Denis.

Autoridades disseram que os eventos irão em frente tal como planejado. Apesar do incidente no Louvre. No qual a polícia disse que um homem que carregava duas bolsas e que gritou Allahu Akbar (Deus é o maior) avançou sobre policiais e soldados antes de ser baleado perto de lojas do museu.

O agressor está vivo, mas seriamente ferido, e a polícia disse que o incidente pareceu um ataque terrorista.

– O programa está inalterado – disse o porta-voz da campanha Paris 2024. “Já estávamos em alerta máximo. Os locais já foram protegidos com esquadrões antibomba que estão verificando as instalações”.

Paris compete com Los Angeles e Budapeste para sediar os Jogos de 2024.

– Essa ameaça terrorista diz respeito a todas as cidades do mundo. Temos serviços de segurança extremamente eficientes em nossa cidade – disse a prefeira Anne Hidalgo após o episódio no Louvre.

Atentados

A França foi alvo de uma série de atentados de militantes islâmicos ao longo dos dois últimos anos, que mataram mais de 230 pessoas.

O soldado que atirou no homem munido de um facão nesta sexta-feira. Ele pertence a um dos grupos de patrulha que se tornaram uma visão comum nas ruas de Paris. Desde a adoção de um estado de emergência em todo o país em novembro de 2015 que continua em vigor.

Tóquio pede doação de smartphones para fabricar medalhas

Comitê organizador dos Jogos Olímpicos de 2020 pede que população japonesa participe dos preparativos do evento doando aparelhos eletrônicos velhos. Expectativa é arrecadar oito toneladas de metal

Por Redação, com DW – de Tóquio:

A organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 pediu aos cidadãos japoneses que doem aparelhos eletrônicos velhos, como smartphones e computadores, para a fabricação as medalhas olímpicas.

O comitê organizador convidou a população a “desempenhar seu próprio papel” nos preparativos do evento. A campanha de recolha dos materiais vai começar em abril.

Medalhas dos Jogos Olímpicos do Rio também aproveitaram materiais reciclados
Medalhas dos Jogos Olímpicos do Rio também aproveitaram materiais reciclados

A expectativa é arrecadar oito toneladas de metal para produzir cerca de 5 mil medalhas que serão entregues aos atletas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Câmeras digitais, laptops e games também podem ser doados.

– Os computadores e smartphones se transformaram em ferramentas úteis. Desprezar aparelhos a cada avanço tecnológico e surgimento de novos modelos é esbanjar – disse o ginasta Kohei Uchimura, medalha de ouro individual e por equipes nos Jogos do Rio, no ano passado.

O atleta acredita que a iniciativa respeita o meio ambiente e é “uma importante mensagem para as futuras gerações”.

O atleta norte-americano Ashton Eaton também se mostrou a favor de um projeto que contribui para “conscientizar sobre um futuro sustentável” e oferece ao público “uma oportunidade de ser parte da jornada olímpica”.

Para economizar

Para realizar a coleta, o Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio fez uma parceria com a gigante japonesa das telecomunicação NTT Docomo e o Japan Environmental Sanitation Center.

A organização vai instalar pontos de coleta em mais de 2.400 empresas de telecomunicações locais e em repartições públicas de todo o país.

Metais reciclados já foram utilizados em edições anteriores do evento esportivo. Nos Jogos do Rio do ano passado, 30% da matéria-prima usada para produzir as medalhas olímpicas de prata e bronze era reciclada.

A iniciativa de Tóquio também tem o objetivo de conter os gastos. O custo estimado das Olimpíadas é de 30 bilhões de dólares, quase o triplo do que foi gasto nos Jogos de Londres. 

Bolt

O velocista jamaicano Usain Bolt perdeu uma de suas nove medalhas de ouro olímpicas. O Comitê Olímpico Internacional (COI) anulou, no dia 25 de janeiro. A vitória da Jamaica no revezamento 4x100m nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, porque o parceiro de revezamento Nesta Carter foi desqualificado por doping. O ouro ficará com Trinidad e Tobago, enquanto a prata será herdada pela equipe japonesa. O bronze ficará com o Brasil.

Carter competiu nas eliminatórias e na final, em que a Jamaica garantiu a medalha de ouro com o tempo de 37s10, recorde mundial que vigorou por três anos até a própria equipe do país estabelecer nova marca, no Campeonato Mundial, em Daegu, na Coreia do Sul. Além de Carter e Bolt, a equipe jamaicana em Pequim tinha os velocistas Asafa Powell e Michael Frater.

Carter foi flagrado durante novas análises de centenas de amostras colhidas durante os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, e de Londres, em 2012. De acordo com parâmetros estabelecidos em processo aberto em agosto de 2015.

Carter foi testado positivo para a substância proibida Dimetilamilamina, que já foi usada em descongestionantes nasais. Mas agora é encontrada com maior frequência como ingrediente de suplementos dietéticos.

Consequentemente, a Comissão Disciplinar do COI decretou a desqualificação do jamaicano, que terá que devolver a medalha. O pin e o diploma conquistados na China. As entregas dos prêmios simbólicos pelo resultado também terão que ser feitas pelos companheiros de Carter.

Com a perda da medalha de ouro do revezamento. Bolt oficialmente deixou de ostentar a tripla tríplice coroa do atletismo olímpico. Feito alcançado com as conquistas nas três principais provas do atletismo (100m, 200m e 4x100m). Em três edições seguidas de Jogos Olímpicos (2008, 2012 e 2016). 

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, após vencer as provas de 100 e 200 metros rasos. Além de levar a melhor no revezamento 4×100, Bolt tinha igualado o desempenho de duas lendas do atletismo. Ao igualar os nove ouros do finlandês Paavo Nurmi e do norte-americano Carl Lewis.

Com a decisão anunciada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). O Brasil herdará a medalha de bronze. A equipe brasileira terminou em quarto lugar a final dos 4x100m rasos de Pequim. Os novos medalhistas do Brasil seriam Vicente de Lima, prata na prova em 2002, em Sydney, Bruno Lins, Sandro Viana e José Carlos Moreira.

Com isso o Brasil soma 17 medalhas nos Jogos Olímpicos de 2008 (três de ouro, quatro de prata e dez de bronze), mas segue na 22ª posição no quadro de medalhas de Pequim.

Bolt lamenta perda de medalha por doping de companheiro

O Comitê Olímpico Internacional (COI) ordenou que Carter, que já disse que irá recorrer da decisão à Corte Arbitral do Esporte (CAS), e os colegas Bolt, Asafa Powell e Michael Frater devolvam as medalhas

Por Redação, com Reuters – de MelbourneTóquio:

O velocista Usain Bolt não está se deixando abater pela decepção de perder a medalha de ouro conquistada no revezamento 4×100 metros na Olimpíada de Pequim devido ao doping de seu colega jamaicano de equipe Nesta Carter, mas reconheceu a frustração.

O velocista Usain Bolt não está se deixando abater pela decepção de perder a medalha de ouro
O velocista Usain Bolt não está se deixando abater pela decepção de perder a medalha de ouro

Bolt, que conquistou nas pistas um inédito “triplo triplo” de títulos olímpicos. Nos 100m, 200m e 4x100m nos Jogos Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016. Ele foi privado de seu ouro no revezamento dos 4x100m da China no mês passado. Quando um novo exame com uma amostra de Carter indicou que ele havia usado a substância proibida dimetilamilamina.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) ordenou que Carter, que já disse que irá recorrer da decisão à Corte Arbitral do Esporte (CAS), e os colegas Bolt, Asafa Powell e Michael Frater devolvam as medalhas.

– Inicialmente fiquei decepcionado, claro – disse Bolt a repórteres ao chegar ao aeroporto de Melbourne antes da competição Nitro Athletics. “Mas na vida coisas acontecem. Não estou triste… só estou esperando para ver o que vai acontecer”.

– Mas entreguei minha medalha.

Powell, que já foi afastado por seis meses devido a um teste de doping positivo em 2013, repetiu a opinião de seu compatriota.

– É uma pena, e temos que olhar para o futuro – disse. “Conquistamos muita coisa e só precisamos ser positivos a respeito disso agora. Não estou em condição de dizer o que deveria e não deveria (ser proibido). É o que é. Algumas coisas não são justas”.

Bolt irá liderar uma equipe internacional de astros do atletismo na Nitro Athletics em Melbourne contra times representando Inglaterra, China, Nova Zelândia e Japão.

O primeiro meeting irá acontecer em 4 de fevereiro, e os outros dois nos dias 9 e 11 do mesmo mês.

Medalhas de Jogos Tóquio 2020

As medalhas da Olimpíada de Tóquio 2020 serão produzidas com metal reciclado de celulares e eletrodomésticos velhos. Doados por pessoas que desejam se sentir diretamente envolvidas com os Jogos, anunciaram os organizadores nesta quarta-feira.

A medida também é parte de um esforço para promover a sustentabilidade e poupar gastos. Já que o orçamento do evento saltou para o equivalente a mais de US$ 26,5 bilhões em certo momento. Embora os organizadores tenham reduzido esse valor para US$ 16,8 bilhões no final do ano passado.

O comitê organizador da Tóquio 2020 espera coletar até oito toneladas de metal. Sendo 40 quilos de ouro, 2.920 quilos de prata e 2.994 quilos de bronze, de celulares desatualizados e eletrodomésticos pequenos doados por pessoas de todo o Japão.

Essa iniciativa, a primeira do tipo nas Olimpíadas, irá resultar em duas toneladas de metal. O suficiente para fabricar todas as 5 mil medalhas olímpicas e paralímpicas.

– Existe um limite e tanto nos recursos de nossa terra, e por isso reciclar estas coisas e lhes dar um novo uso irá fazer todos nós pensarmos sobre o meio ambiente – disse o diretor esportivo da Tóquio 2020, Koji Murofushi, em uma coletiva de imprensa.

– Ter um projeto que permite a todo o povo do Japão participar da criação de medalhas que serão penduradas nos pescoços dos atletas é muito bom – acrescentou o medalhista de ouro de lançamento de martelo dos Jogos de Atenas 2004.

– Isso irá se tornar uma lembrança importante para as crianças, que irão pensar que algo que doaram pode ter sido parte da criação destas medalhas.

Lojas

A partir de abril, caixas de coleta serão instaladas em escritórios locais e nas lojas da empresa de telecomunicações NTT DoCoMo Inc, que irá fazer uma parceria com a empresa ambiental Centro de Saneamento Ambiental do Japão no projeto.

A coleta irá terminar quando as oito toneladas necessárias forem recolhidas. Embora outros detalhes ainda precisem ser acertados, disseram os organizadores.

As medalhas dos Jogos Rio 2016 também foram feitas com material reciclado, como restos de espelhos e chapas de raio-x.

EUA: Comitê Olímpico diz que atletas estrangeiros não serão afetados

Probst e Blackmun disseram que, assim como seu país, o Movimento Olímpico foi fundado sobre os princípios da diversidade e da inclusão, da oportunidade e da superação da adversidade

Por Redação, com Reuters – de Washington:

O Comitê Olímpico dos Estados Unidos (Usoc) disse que foi informado pelo governo norte-americano que as restrições de viagem impostas pelo presidente Donald Trump a visitantes de alguns países de maioria muçulmana não devem afetar atletas que disputarão provas internacionais nos EUA.

Diretor-executivo do Comitê Olímpico dos Estados Unidos, Scott Blackmun
Diretor-executivo do Comitê Olímpico dos Estados Unidos, Scott Blackmun

Os líderes da Usoc receberam uma série de indagações sobre o impacto da medida de Trump. Eles disseram que o governo lhes comunicou que irá agir para fazer com que os atletas estrangeiros recebam acesso mais rápido aos EUA. Para participarem de competições esportivas.

– Fomos indagados especificamente sobre o impacto que o decreto presidencial poderia ter sobre os atletas e as autoridades vindo aos Estados Unidos para competir – disseram o presidente do conselho do Usoc, Larry Probst, e o diretor-executivo, Scott Blackmun.

– O governo dos EUA nos avisou hoje que irá trabalhar conosco. Para fazer com que atletas e autoridades de todos os países tenham acesso mais rápido aos Estados Unidos de forma a participar de competições atléticas internacionais.

Imigração

Com o decreto de sexta-feira. Trump proibiu a imigração de sete países majoritariamente muçulmanos. Síria, Iraque, Irã, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen. Suspendeu temporariamente a entrada de todos os refugiados.

Probst e Blackmun disseram que, assim como seu país. O Movimento Olímpico foi fundado sobre os princípios da diversidade e da inclusão, da oportunidade e da superação da adversidade.

No início da segunda-feira. A delegação de luta olímpica dos EUA disse que planeja enviar uma equipe para a Copa do Mundo do mês que vem no Irã. Apesar de este ter anunciado que irá barrar cidadãos norte-americanos em retaliação ao decreto de imigração de Trump.

Olimpíada de 2020

A associação de expositores do Japão está intensificando os pedidos para que Tóquio desista do plano de transformar o maior centro de exposição do país em um centro de mídia para a Olimpíada de 2020, alertando que a indústria pode perder até US$ 12 bilhões.

A Associação de Exposições do Japão (Jexa, na sigla em inglês). Disse ter entregado uma petição com mais de 80 mil assinaturas à governadora de Tóquio, Yuriko Koike, na semana passada. Exigindo uma revisão do plano. E que está disposta a procurar o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e a ministra da Olimpíada, Tamayo Marukawa, em seguida.

O fechamento do centro de convenções Tokyo Big Sight entre abril e outubro de 2020. Forçaria o cancelamento ou a diminuição de 170 exposições. Realizadas regularmente durante estes meses. Uma perda de US$ 11,5 bilhões de receita. Segundo estimativas da Jexa. O estrago pode durar ainda mais tempo.

– Estamos receosos de que muitos expositores rumem para lugares como China, Coreia, Cingapura e Estados Unidos – disse o presidente do conselho da Jexa, Tadao Ishizumi, em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.

– Os benefícios econômicos destas exposições irão desaparecer, e é o povo de Tóquio e do Japão que acabará perdendo – argumentou.

Cerca de 90 mil empresas participam como expositoras em aproximadamente 300 eventos no Tokyo Big Sight a cada ano, de acordo com a Jexa.

Serena é tenista com maior número de ‘Grand Slams’ após vencer a irmã Venus

Serena, aos 35 anos, a número dois mundial, conquistou o seu 23º ‘major’, ao bater na final do Open da Austrália a Venus, por 6-4, 6-4

 

Por Redação, com agências internacionais – de Melbourne, Austrália

 

A tenista norte-americana Serena Williams agradeceu à irmã Venus, que derrotou na final do Open da Austrália. Ela a considerou sua inspiração. Serena tornou-se recordista de títulos de ‘Grand Slam’ na Era Open.

Serena (D) e sua irmã, Vênus, felicitam-se, mutuamente, após a decisão do Grand Slam da Austrália
Serena (D) e sua irmã, Vênus, felicitam-se, mutuamente, após a decisão do Grand Slam da Austrália

Aos 35 anos, a número dois mundial conquistou o seu 23º ‘major’, ao bater na final do Open da Austrália a Venus, por 6-4, 6-4. O feito ocorre 19 anos depois de a mais velha das irmãs Williams tê-la afastado na sua estreia num ‘Grand Slam’, igualmente em Melbourne.

— Gostava de aproveitar este momento para felicitar Venus, ela é uma pessoa fantástica. Nunca teria chegado aos 23 sem ela. Não conseguiria ter um sem ela — disse.

A tenista tem um ‘Grand Slam’ a mais do que a alemã Steffi Graf. E está a um prêmio do recorde global, batido pela australiana Margaret Court.

De Vênus para Serena

Com o troféu nas mãos, Serena, de 35 anos, pediu um aplauso para o regresso – embora não goste da palavra – da irmã. Após vários problemas físicos e de saúde, Vênus conseguiu regressar a uma final de um ‘Grand Slam’. E o faz quase oito anos depois de terem disputado o título em Wimbledon.

— Ela é a minha inspiração, ela é a única razão porque estou aqui hoje e a única razão para existirem as irmãs Williams — afirmou.

Um ano mais velha, Venus também deixou elogios à irmã.

— Serena Williams… Eis a minha irmã mais nova… Parabéns Serena pelo 23º (título) — disse uma emocionada Venus, durante a cerimónia.

Venus lembrou que esteve ao lado da irmã, mesmo que, como aconteceu hoje, tenha perdido muitas vezes para Serena.

— Mas tem sido uma coisa fantástica, as suas vitórias têm sido sempre as minhas vitórias, acho que sabe disso. Naquelas vezes que eu não consegui lá estar, que não cheguei lá, você estavas lá. Estou muitíssimo orgulhosa — concluiu.

Investigação não encontra evidência de fraude em lutas de boxe da Rio 2016

O órgão informou, no entanto, que um comitê especial de investigação não encontrou evidências de interferência ativa nos resultados

Por Redação, com Reuters – de Londres:

“Relações não profissionais” dentro da Associação Internacional de Boxe Amador (Aiba) criaram uma atmosfera de conspiração entre diretoria e árbitros que afetaram a entidade durante os Jogos Rio 2016, informou o órgão em comunicado nesta sexta-feira.

O órgão informou, no entanto, que um comitê especial de investigação não encontrou evidências de interferência ativa nos resultados
O órgão informou, no entanto, que um comitê especial de investigação não encontrou evidências de interferência ativa nos resultados

O órgão informou, no entanto, que um comitê especial de investigação não encontrou evidências de interferência ativa nos resultados após realização de 50 entrevistas durante um período de quatro meses.

– Um eixo indesejável de influência e tomada exclusiva de decisão foi criado e usado pela ex-diretoria, que levou à falta de realização do processo devido – disse o presidente da Aiba, Ching-kuo Wu.

– Embora não haja evidência de que isso tenha tido influência direta nos resultados no Rio, se a melhor prática não for seguida 100 por cento do tempo por nossas autoridades e árbitros e juízes, isto é inaceitável.

Copa Brasil Caixa de Cross Country

A Copa Brasil Caixa de Cross Country, que será disputada no dia 5 de fevereiro, em São Paulo, está com inscrições abertas até o próximo domingo para os clubes interessados em participar da competição. A inscrição deve ser feita pelo Sistema Extranet da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt)

O evento abre o calendário nacional de 2017 da entidade. Será realizada pela terceira vez num circuito de aproximadamente 2.000m dentro do Parque Ecológico do Tietê. Uma extensa área de lazer e de preservação ambiental, na Zona Leste da capital paulista.

Além da premiação individual nas categorias adulta, sub-20 e sub-18, haverá premiação por equipes.

Os dirigentes dos clubes que tenham dúvidas sobre a participação de seus atletas poderão recorrer ao Centro de Informações Técnicas. No dia 4 de fevereiro, das 14h às 16h30, na área da competição.

No ano passado, Juliana Paula Gomes dos Santos (BM&FBovespa-SP) e Gilberto Silvestre Lopes (Cruzeiro Caixa-MG) venceram na categoria adulta. Por equipes, ASA São Bernardo-Caixa-SP e Orcampi Unimed-SP foram campeões na mesma categoria.

Olimpíada de 2020: expositores temem prejuízo com centro de mídia

Cerca de 90 mil empresas participam como expositoras em aproximadamente 300 eventos no Tokyo Big Sight a cada ano, de acordo com a Jexa

Por Redação, com Reuters – de Tóquio:

A associação de expositores do Japão está intensificando os pedidos para que Tóquio desista do plano de transformar o maior centro de exposição do país em um centro de mídia para a Olimpíada de 2020, alertando que a indústria pode perder até US$ 12 bilhões.

 fechamento do centro de convenções Tokyo Big Sight entre abril e outubro de 2020 forçaria o cancelamento ou a diminuição de 170 exposições
fechamento do centro de convenções Tokyo Big Sight entre abril e outubro de 2020 forçaria o cancelamento ou a diminuição de 170 exposições

A Associação de Exposições do Japão (Jexa, na sigla em inglês). Disse ter entregado uma petição com mais de 80 mil assinaturas à governadora de Tóquio, Yuriko Koike, na semana passada. Exigindo uma revisão do plano. E que está disposta a procurar o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e a ministra da Olimpíada, Tamayo Marukawa, em seguida.

O fechamento do centro de convenções Tokyo Big Sight entre abril e outubro de 2020. Forçaria o cancelamento ou a diminuição de 170 exposições. Realizadas regularmente durante estes meses. Uma perda de US$ 11,5 bilhões de receita. Segundo estimativas da Jexa. O estrago pode durar ainda mais tempo.

– Estamos receosos de que muitos expositores rumem para lugares como China, Coreia, Cingapura e Estados Unidos – disse o presidente do conselho da Jexa, Tadao Ishizumi, em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.

– Os benefícios econômicos destas exposições irão desaparecer, e é o povo de Tóquio e do Japão que acabará perdendo – argumentou.

Cerca de 90 mil empresas participam como expositoras em aproximadamente 300 eventos no Tokyo Big Sight a cada ano, de acordo com a Jexa.

Expositores

A entidade disse que os expositores, a maioria pequenas e médias empresas, dependem destas feiras. Para uma porção considerável de sua renda. Assim como a indústria de serviços local envolvida com estandes, mão de obra e alimentação.

Mitsuaki Fushimi, autoridade do departamento de comércio e indústria do governo metropolitano de Tóquio. Disse à agência inglesa de notícias Reuters que a capital japonesa está fazendo tudo que pode para ajudar a reduzir o impcato.

Segundo ele, a cidade já concordou em erguer uma instalação temporária nas proximidades onde as feiras de negócios poderiam ocorrer. E está acelerando a construção de uma extensão do Tokyo Big Sight.

Mas a Jexa disse que, mesmo com todas estas medidas, só irá contar com 23 mil metros quadrados de espaço de exposição. O que representa cerca de um quarto de sua capacidade normal.

Nadal avança para semi-final no Aberto da Austrália

O espanhol se junta a Roger Federer entre os quatro finalistas na competição, mantendo viva a possibilidade de uma final dos sonhos entre os dois rivais

Por Redação, com Reuters – de Melbourne:

Rafael Nadal continuou sua brilhante atuação no Aberto da Austrália e derrotou Milos Raonic por 6-4, 7-6(7) e 6-4 nesta quarta-feira, alcançando sua primeira semi-final em torneios de Grand Slam em três anos.

Rafael Nadal comemora vitória sobre Milos Raonic no Aberto da Austrália
Rafael Nadal comemora vitória sobre Milos Raonic no Aberto da Austrália

O espanhol se junta a Roger Federer entre os quatro finalistas na competição. Mantendo viva a possibilidade de uma final dos sonhos entre os dois rivais, que juntos acumulam 31 títulos de Grand Slam.

Sem alcançar uma grande semi-final desde o título de 2014 do Aberto da França. O tenista de 30 anos venceu o canadense Raonic, número 3 do mundo. Em duas horas e 44 minutos.

Nadal irá enfrentar Grigor Dimitrov, 15° do mundo, por uma vaga na final.

Federer e Wawrinka

O suíço Roger Federer venceu na terça-feira. O alemão Mischa Zverev por 6-1, 7-5 e 6-2 ao mostrar novamente um bom tênis no Aberto da Austrália. Para avançar para a 131ª semifinal de sua carreira, na qual irá enfrentar o compatriota Stanislas Wawrinka.

Federer, quatro vezes ganhador do primeiro torneio de Grand Slam do ano. Neutralizou o jogo de saque e voleio do alemão para seguir na busca por seu 18° título de torneios do Grand Slam, e o primeiro desde 2012.

Zverev havia derrotado o número 1 do mundo. Andy Murray, na quarta rodada. Mas viu seu ritmo cair gradualmente na partida contra Federer após perder o primeiro set em 19 minutos.

Mais cedo, Wawrinka se impôs sobre o francês Jo-Wilfried Tsonga por 7-6, 6-4 e 6-3, em partida de 2 horas e 15 minutos.

O suíço, campeão no cimento australiano em 2014, teve sua atuação mais completa no torneio contra Tsonga, ao acertar 41 winners.

– Vai ser difícil ter alguns torcedores a favor (de Federer). Mas espero que alguns me apoiem – disse Wawrinka em entrevista na quadra ao ser perguntado sobre possível partida com o compatriota. Que ainda não havia jogado sua partida nas quartas de final.