Reino Unido constrói muro para impedir chegada de imigrantes

Até agora, não divulgaram os cálculos de quantos imigrantes, homens, mulheres e crianças, morrerão devido à medida restritiva, mas a imprensa britânica já batizou o muro de a “Grande Muralha de Calais”. A obra será feita na estrada que dá acesso ao porto de Calais e terá quatro metros de altura por um quilômetro de comprimento

 

Por Redação, com Ansa – de Londres

 

O Reino Unido anunciou nesta quarta-feira que está pronto para construir um muro na cidade de Calais, na França, para barrar a entrada de imigrantes pelo Canal da Mancha. A medida já recebeu o aval das autoridades francesas e deve ser colocada em prática ainda neste ano. As informações da agência italiana de notícias Ansa.

A polícia britânica cobriu os custos da construção da 'Grande Muralha de Calais', na França
A polícia britânica cobriu os custos da construção da ‘Grande Muralha de Calais’, na França

Até agora, não divulgaram os cálculos de quantos imigrantes, homens, mulheres e crianças, morrerão devido à medida restritiva, mas a imprensa britânica já batizou o muro de a “Grande Muralha de Calais”. A obra será feita na estrada que dá acesso ao porto de Calais e terá quatro metros de altura por um quilômetro de comprimento. A construção deve ser iniciada em setembro e custará cerca de 2,7 milhões de euros, financiados por Londres.

De acordo com o ministro do Interior inglês, Robert Goodwill, o muro “será construído em breve” e a verba para a obra vem de um pacote milionário do governo para melhorar o gerenciamento das fronteiras.

O muro deve passar pelos dois lados da estrada que leva ao porto de Calais e por um campo onde vivem milhares de imigrantes.
“Em um momento em que centenas de crianças vulneráveis estão bloqueadas e vivem em condições perigosas em Calais, protegê-las deve ser nossa prioridade absoluta”, disse o diretor de Relações com o Governo da ONG Save The Children, Steven McIntosh.
“Estas crianças e jovens vão tentar, desesperadamente, fugir do campo para conquistarem uma vida melhor e mais segura. É de vital importância garantir que qualquer medida de segurança tomada em Calais não coloque a vida deles em perigo”, comentou.

O governo da Itália criticou a construção do muro britânico na França e pediu que os países pensem em uma solução conjunta. “Eu não julgo medidas adotadas por outros governos, mas penso que não iremos a nenhum lugar desta maneira. Devemos ter consciência que a solução é investir na África, resolver os conflitos, como na Síria, e dividir o peso da imigração em nível europeu”, afirmou o chanceler da Itália, Paolo Gentiloni.

No início do ano, a Áustria ergueu um muro para conter imigrantes na fronteira da Itália, um dos países que mais recebem embarcações de refugiados no Mar Mediterrâneo.

Homens armados sequestram trabalhadores do setor de petróleo na Nigéria

Sequestro em troca de resgate é um problema comum em algumas partes da Nigéria e o centro de energia, na região, tem visto um aumento da criminalidade

Por Redação, com Reuters – de Onitsha, Nigéria:

Homens armados na Nigéria, na região do Delta do Níger que tem sido atingida por uma série de ataques de militantes em instalações de energia desde o início do ano, sequestraram 14 trabalhadores locais do setor de petróleo e seu motorista, informou a polícia neste sábado.

Sequestro em troca de resgate é um problema comum em algumas partes da Nigéria
Sequestro em troca de resgate é um problema comum em algumas partes da Nigéria

Sequestro em troca de resgate é um problema comum em algumas partes da Nigéria e o centro de energia, na região, tem visto um aumento da criminalidade desde o início de ataques por militantes que pedem que mais riqueza do petróleo vá para a região empobrecida.

O sequestro ocorreu em uma estrada que liga as cidades de Omoku e Elele, cerca de 50 km da cidade de Port Harcourt, Estado de Rivers, na madrugada de sexta-feira, quando os funcionários da empresa de energia da Nigéria Nestoil iam para o trabalho, disse a polícia.

– Nós recuperamos o veículo em que viajavam antes do incidente. A polícia está vasculhando arbustos ao redor da área, em uma tentativa de encontrar e libertar as vítimas – disse Nnamdi Omoni da polícia do estado de Rivers.

– Eu não acho que tinha algum estrangeiro entre os sequestrados. Os sequestradores não fizeram qualquer contato e ninguém foi preso ainda – acrescentou Nnamdi.

Militantes atacam importante oleoduto na Nigéria

Militantes atacaram o grande oleoduto de Nembe

Os “Vingadores”, que têm direcionado seus ataques a instalações de petróleo e gás como parte do que dizem ser uma luta pela independência do Delta, afirmaram pelo Twitter ter atacado o oleoduto

 

Por Redação, com Reuters – de Yenagoa:

 

Militantes atacaram o grande oleoduto de Nembe, localizado na região do Delta na Nigéria, informaram autoridades neste sábado, horas depois que os chamados “Vingadores” do Delta do Niger reivindicaram uma greve no local. 

Militantes atacaram o grande oleoduto de Nembe
Militantes atacaram o grande oleoduto de Nembe

A produção de petróleo da Nigéria caiu para uma mínima de 20 anos devido a ataques contra oleodutos nos pântanos do sul do país, que abriga grande parte de suas riquezas de petróleo e gás, prejudicando ainda mais a maior economia da África, que já sofre por conta dos baixos preços da commodity.

– Escutamos múltiplos ataques na noite anterior – disse Bello Bina, representante local do Estado de Bayelsa, confirmando que o oleoduto havia sido atingido.

A Shell, que exporta a variedade de petróleo Bonny Light transportada pelo duto, não estava imediatamente disponível para comentários. Mas Nengi James, uma representante do Comitê de Petróleo e Gás de Nembe, que atua em contato com empresas petrolíferas, também disse que o oleoduto estava sob ataque.

Os “Vingadores”, que têm direcionado seus ataques a instalações de petróleo e gás como parte do que dizem ser uma luta pela independência do Delta, afirmaram pelo Twitter ter atacado o oleoduto.

 

Papa abençoa e pede ‘gratidão e afeto’ a todas as mães do mundo

O papa Francisco

O papa também recordou a celebração da quinquagésima Jornada Mundial da Comunicação Social

 

Por Redação, com agências internacionais – de Roma

 

O papa Francisco pediu, neste domingo, “gratidão e afeto” para todas as mães de todo o mundo, no dia em que muitos países celebram o Dia das Mães.

O papa Francisco
O papa Francisco

— Hoje, em muitos países, celebra-se a festa das mães, recordamos com gratidão e afeto todas as mães, confiando-as a Maria, mãe de Jesus — afirmou o papa, da varanda do palácio apostólico, onde pronunciou a oração Regina Coeli, oração do meio-dia no tempo pascal que substitui o Angelus dominical.

O pontífice também recordou a celebração da quinquagésima Jornada Mundial da Comunicação Social. “Envio a todos os operadores de comunicação uma cordial saudação e espero que o nosso modo de nos comunicarmos na Igreja tenha sempre um estilo evangélico, que una verdade e misericórdia”, afirmou o Pontífice. Mais cedo, o Papa publicou em seus perfis no Instagram e no Twitter um bilhete escrito à mão.

“A vocês, da grande comunidade digital, que sempre me pedem bençãos. Vocês serão o dom precioso da minha oração ao Pai. Mas vocês também não devem se esquecer de rezar por mim”, diz o documento.

Numa reflexão sobre a igreja no mundo contemporâneo, Francisco recordou que os participantes do Concílio Vaticano 2 “entenderão a importância crucial das comunicações, que podem criar pontes entre as pessoas, as famílias, os grupos sociais e os povos, tanto no ambiente físico, como no digital”.

Francisco mostrou-se, em diversas ocasiões, a favor do uso das novas tecnologias como via de aproximação ao Evangelho em diversos cantos do mundo. Neste domingo, ele está presente nas redes sociais Twitter e Instagram.

Rússia: EI tenta impor a sua agenda a todo o mundo

Daesh

Bortnikov sublinhou que o Estado Islâmico (EI) “age de forma agressiva na frente de propaganda e de fato tenta impor à comunidade internacional a sua agenda

Por Redação, com Sputnik Brasil – de Moscou:

O chefe do Serviço Federal de Segurança russo comentou atividades criminosas do Estado Islâmico (proibido na Rússia) durante V Conferência sobre Segurança Internacional.

“A organização internacional terrorista EI tenta ditar a sua agenda atual à comunidade internacional”, declarou o chefe do Serviço Federal de Segurança (FSB) da Rússia, Aleksandr Bortnikov, na V Conferência sobre Segurança Internacional que está sendo realizada em Moscou nesta quarta-feira.

Daesh
Segundo a imprensa local, 45 militantes do Daesh tentaram fugir do campo de batalha durante os recentes combates no Iraque

No seu discurso, Bortnikov sublinhou que o Estado Islâmico (EI) “age de forma agressiva na frente de propaganda e de fato tenta impor à comunidade internacional a sua agenda, levando a cabo ações que minam a estabilidade na Europa e na Ásia”.

– O terrorismo alastrou para fora das fronteiras nacionais e tem agora um caráter global. Os extremistas religiosos islamistas, recorrendo às novas tecnologias informáticas, nomeadamente a Internet, propagam o terror como o único método de conduzir a guerra total contra os ‘infiéis’ – frisou o dirigente do FSB.

Células ativas

O Daesh, autodenominado Estado Islâmico, aproveita a crise migratória na Europa para infiltrar no continente grupos clandestinos que operam em países como Reino Unido, Alemanha e Itália, segundo declarou nesta quarta-feira o diretor de Inteligência Nacional dos EUA, James Clapper, em entrevista coletiva com a imprensa norte-americana.

– Isto, obviamente, preocupa a nós e a nossos aliados europeus (…) Estamos fazendo todo o possível para colocar todas as informações que temos sobre o Estado Islâmico à disposição das agências de inteligência europeias – disse Clapper, citado pelo jornal The Guardian.

O diretor de inteligência disse ainda que um dos maiores desafios na luta contra a organização terrorista são os métodos tecnológicos com os quais contam os jihadistas, que, segundo ele, estão se tornando cada vez mais sofisticados.

Brasileiro alvo de homofobia na Nigéria

Por Rui Martins, de Genebra:

O embaixador suíço vítima de homofobia na Nigéria
O embaixador suíço vítima de homofobia na Nigéria por ser casado com um brasileiro

O brasileiro, conhecido como Carlos, e seu companheiro ou esposo, o embaixador suíço na Nigéria, são alvo de um inquérito, ao qual se poderá seguir um processo por homossexualismo. A Nigéria é um país homofóbico, onde os homossexuais são condenado a duras penas e, na paarte muçulmana do país, onde se pratica a lei sharia, do Corão, podem mesmo ser condenados à morte.

A situação foi noticiada na Nigéria pelo jornal local Daily Trust e retomada pelos jornais suíços. Eric Mayoraz, o embaixador, considerou o fato “lamentável », ao ser entrevistado por telefone pelo jornal 20 Minutes, de Genebra. Eric Mayoraz tinha sido embaixador suíço em Madagáscar, onde não encontrou nenhum problema, mesmo porque os embaixadores, familiares e membros de embaixada têm direito à imunidade diplomática.

O Ministério nigeriano das Relações Exteriores confirmou a abertura de um inquérito sobre as circunstâncias em que o casal diplomático homossexual chegou ao país, onde não se tolera o homossexualismo. Essa mesma autoridade nigeriana ameaça aplicar a lei, mesmo sabendo ser a Suíça um dos seus principais parceiros comerciais.

O embaixador suíço, ao receber as credenciais na Nigéria, teria declarado seu companheiro como parte do pessoal, no cargo de intendência. A questão só foi levantada quando tentou incluir o brasileiro Carlos entre os esposos e esposas da comunidade diplomática. A situação é surpreendente, reclama Advogados sem Fronteiras, pois pela primeira um país ousa abrir inquérito contra um diplomata, baseando-se na sua vida pessoal, protegida por imunidade.

Não se tem precedente de atitude homofóbica de autoridades de um país contra diplomatas, mas ela pode ocorrer previamente. Assim, o presidente francês François Hollande, no ano passado, viu rejeitada pelo Vaticano a indicação de um embaixador francês gay. Segundo a imprensa suíça, o departamento suíço das relações exteriores deveria protestar energicamente e forçar a Nigéria a aceitar o respeito aos direitos humanos dos homossexuais. Ao mesmo tempo, antes de nomear o embaixador poderia ter usado mais de tato diplomático para evitar a atual crise.

Paralelemente, funcionários da Air  France, membros da tripulação nos aviões, se negam a participar dos voos  para o Irã, país onde é também punido o homossexualismo. Não por receio de serem presos no Irã, mas como um protesto. Air France argumenta não ser o Irã o único país homofóbico, havendo uma longa lista de países, geralmente muçulmanos, onde se pune o homossexualismo como é o caso da Nigéria.

Rui Martins, correspondente em Genebra.

Ataque suicida em mesquita deixa mortos e feridos na Nigéria

O ataque suicida é idêntico a outros feitos pelos integrantes do Boko Haram

 

O ataque suicida ocorreu na periferia de Molai, um alvo frequente dos rebeldes do grupo extremista Boko Haram

 

Por Redação, com ABr – de Maiduguri, Nigéria:

 

Pelo menos 22 pessoas morreram nesta quarta-feira quando duas mulheres se fizeram explodir durante a oração da manhã numa mesquita em Maiduguri, no Nordeste da Nigéria, informaram integrantes das equipes de socorro.

O porta-voz da Agência de Gestão de Emergências do estado de Borno, Abdullahi Omar, confirmou o ataque, sem fornecer detalhes. Uma fonte da organização disse que até agora há 22 mortos confirmados e 35 feridos.

O ataque suicida é idêntico a outros feitos pelos integrantes do Boko Haram
O ataque suicida é idêntico a outros feitos pelos integrantes do Boko Haram

O ataque suicida ocorreu na periferia de Molai, um alvo frequente dos rebeldes do grupo extremista Boko Haram.

– Ocorreu uma explosão na mesquita de Molai, na periferia da cidade. Aguardamos o regresso das equipes de socorro, com informações, para divulgar um comunicado – afirmou Omar.

Uma fonte da agência, que não quis se identificar por não estar autorizada a falar com a imprensa, contou que durante a manhã, antes da oração, duas mulheres disfarçadas de homens chegaram à mesquita. “A primeira entrou e ficou na primeira fila. Quando os fiéis se levantaram, acionou os explosivos, matando várias pessoas. Quando os sobreviventes tentavam a fugir, a segunda mulher que estava no exterior da mesquita detonou os explosivos que transportava”, disse.

Sobreviventes do ataque e provas encontradas pelas equipes de socorro identificaram os autores como mulheres.

O ataque suicida é idêntico a outros feitos pelos integrantes do Boko Haram, que visam regularmente alvos civis, como mesquitas, mercados e pontos de ônibus, recorrendo muitas vezes a mulheres-bomba.

Maiduguri, onde o grupo foi formado em 2002, não registrou ataques nos últimos meses, após fortes medidas de segurança e de uma operação contra os militantes no ano passado.

O governo da Nigéria afirmou que os rebeldes, cujos ataques causaram pelo menos 17 mil mortos desde 2009, foram “tecnicamente derrotados”, apesar dos contínuos atentados no estado de Borno e no vizinho Camarões.

Em 31 de janeiro, pelo menos 85 pessoas morreram num ataque de rebeldes contra a aldeia de Dalori, a cerca de 12 quilômetros de Maiduguri.

Atentado suicida deixa mortos e feridos em Camarões

Pelo menos 17 pessoas morreram nesta sexta-feira em um atentado suicida

 

A autoria do atentado ainda não foi reivindicada por nenhum grupo terrorista, mas a região do extremo norte dos Camarões é palco de frequentes ataques do grupo islamico radical nigeriano Boko Haram

 

Por Redação, com ABr – de Yaoundé:

 

Pelo menos 17 pessoas morreram nesta sexta-feira em um atentado suicida que ocorreu em um mercado, próximo à cidade de Mora, na região do extremo borte dos Camarões.

Por volta das 8h40 (5h40 em Brasília), dois homens acionaram os explosivos que transportavam presos ao corpo, quando várias pessoas chegavam ao mercado. As forças de segurança camaronesas procuram um terceiro suspeito, que teria fugido, disseram as mesmas fontes.

Pelo menos 17 pessoas morreram nesta sexta-feira em um atentado suicida
Pelo menos 17 pessoas morreram nesta sexta-feira em um atentado suicida

A autoria do atentado ainda não foi reivindicada por nenhum grupo terrorista, mas a região do extremo norte dos Camarões é palco de frequentes ataques do grupo islamico radical nigeriano Boko Haram.

A explosão acontece uma semana depois que duas meninas cometeram um atendado suicida, durante um funeral em Nguetchéwé, na mesma região do país, quando pelo menos oito pessoas morreram.

As forças de segurança camaronesas acreditam que o Boko Haram utiliza crianças e adolescentes para transportar os explosivos, que são acionados à distância por milicianos do grupo.

Os Camarões registraram mais de 30 atentados terroristas, desde o início do ano, perpetrados pelo Boko Haram. De acordo com dados governamentais, cerca de 30 pessoas morreram nestes ataques.

Os jihadistas nigerianos aumentaram os atentados suicidas na região do lago Chade, após o início das operações da força multinacional regional contra o Boko Haram. A região é de difícil controle devido à quase ausência de postos ao longo das fronteiras entre a Nigéria, Camarões, Chade e Níger.

Na terça-feira, forças da Nigéria e dos Camarões reconquistaram a localidade de Goshi, no estado de Borno (nordeste da Nigéria) e libertaram mais de 100 reféns. Na operação foram mortos mais de 162 milicianos do Boko Haram, informaram as autoridades camaronesas.

Atentado promovido pela al Qaeda na África deixa 23 mortos

O ataque na capital Ouagadougou, reivindicado pela al Qaeda no Magreb Islâmico na África, sinalizou uma expansão das operações de militantes islâmicos que estão forjando novas alianças

 

Por Redação, com agências internacionais – de Ouagadougou

Forças de segurança em Burkina Faso retomaram um hotel na capital neste sábado de combatentes da al Qaeda que haviam tomado o local em um ataque que matou dezenas de pessoas de, pelo menos, 18 países, marcando uma escalada da militância islâmica na África Ocidental.

Vítima do atentado foi levada a um carro, com buraco de bala no parabrisa
Vítima do atentado foi levada a um carro, com buraco de bala no parabrisa

Até o ataque de sexta-feira o país, sem saída para o mar e aliado de governo ocidentais contra grupos jihadistas nas áreas áridas do sul do Saara, havia sido poupado de ataques deste tipo, que têm atormentado países vizinhos.

O ataque em Ouagadougou, reivindicado pela al Qaeda no Magreb Islâmico, sinalizou uma expansão das operações de militantes islâmicos que estão forjando novas alianças e intensificando suas atividades, ecoando um crescimento do Estado Islâmico no Oriente Médio.

— A situação que estamos enfrentando desde ontem em Burkina Faso não tem precedentes. Estes são atos vis e covardes e as vítimas são pessoas inocentes. Pedimos que o povo de Burkina fique vigilante e corajoso pois precisamos incluir os ataques terroristas como parte integral de nossa luta diária — disse o presidente, Roch Marc Christian Kabore, ao visitar o local do ataque.

Kabore disse que 23 pessoas de 18 diferentes nacionalidades foram mortas no ataque ao Hotel Splendid e a um cassino próximo, popular entre os soldados ocidentais e franceses que têm base em Bukina Faso. As autoridades não deram mais detalhes sobre as vítimas.

O embaixador francês Gilles Thibault colocou o número de mortos em 27 e afirmou no Twitter que cerca de 150 reféns haviam sido liberados durante uma operação que recebeu apoio das forças francesas e norte-americanas.

As autoridades de Burkina Faso afirmaram que cerca de 33 pessoas ficaram feridas e quatro assaltantes, incluindo um “árabe” e dois “africanos negros”, foram mortos.

O ataque islâmico teve início às 20:30 (18:30 no horário de Brasília) de sexta-feira, quando a área fica tipicamente cheia. Os atacantes incendiaram carros e dispararam para o ar para levar as pessoas de volta ao edifício, antes de entrarem no hotel e tomar reféns.

Soldados franceses

No Splendid, que tem 147 quartos, se hospedam frequentemente turistas de países ocidentais e funcionários das Nações Unidas.

Entre os reféns, estava o ministro de obras públicas do país, Clément Sawadogo, que foi libertado durante a madrugada.

Carros e motos foram queimadas nos arredores do hotel, onde era possível ver vidro quebrado e cadeiras viradas. As forças de segurança isolaram o bairro.

Dezenas de soldados franceses chegaram na madrugada deste sábado ao local, vindas do vizinho Mali, para auxiliar na operação de retomada do prédio.

Segundo as agências de notícias, houve trocas de tiros por toda a madrugada, até depois do amanhecer.

A al Qaeda no Magreb Islâmico reivindicou o ataque em uma mensagem postada em uma página da internet ligada a extremistas, segundo o grupo de monitoramento Site. No comunicado, o grupo disse batalhar contra os inimigos da religião.

Burkina Fasso, país de maioria muçulmana (60%) que se tornou independente da França em 1960, é um importante aliado de Paris e de Washington no combate a militantes islamitas no oeste da África.

O presidente francês, François Hollande, disse apoiar a nação contra o “ataque odioso e covarde”.

A Embaixada norte-mericana no país também condenou o ataque, que descreveu como uma ação “sem sentido contra pessoas inocentes”.

Explosão em mesquita deixa mortos e feridos na Nigéria

 

A explosão desta segunda-feira ocorreu em um subúrbio ao oeste da cidade onde o Exército trocou tiros com supostos combatentes

Por Redação, com Reuters – de Maiduguri, Nigéria:

Cerca de 20 pessoas foram mortas e 90 ficaram feridas com a explosão de uma bomba em uma mesquita da cidade de Maiduguri, no norte da Nigéria, nesta segunda-feira, relatou a agência estatal de notícias Nema.

A detonação aconteceu um dia depois de o Exército combater militantes do Boko Haram a oeste de Maiduguri, capital do Estado de Borno e berço da campanha do grupo, que visa criar um Estado Islâmico no nordeste do país mais populoso da África.

Ninguém assumiu de imediato a responsabilidade, mas a agressão tem a marca registrada do Boko Haram, cuja insurgência já matou centenas e desalojou cerca de 2,1 milhões de pessoas na região.

A explosão desta segunda-feira ocorreu em um subúrbio ao oeste da cidade onde o Exército trocou tiros com supostos combatentes do grupo no domingo e que os militares disseram terem tentado se infiltrar em Maiduguri para realizar atentados suicidas. Os moradores relataram explosões e disparos de alto calibre.

Um deles, Musa Abdukadir, afirmou que, após o ataque à mesquita, contou mais de 50 vítimas no hospital especializado da cidade. Médicos lhe disseram que mais corpos foram levados a dois outros hospitais. O saldo inclui as vítimas dos combates de domingo.

– Todos nós fugimos ontem, já que nossas casas estavam pegando fogo. Nesta segunda-feira voltamos, e enquanto contávamos as pessoas que morreram queimadas em suas casas outra bomba explodiu – afirmou Ibrahim Goni, morador que disse ter visitado o cenário da detonação.

Ninguém assumiu de imediato a responsabilidade, mas a agressão tem a marca registrada do Boko Haram
Ninguém assumiu de imediato a responsabilidade, mas a agressão tem a marca registrada do Boko Haram