Líder do EI morre em bombardeio russo na Síria, diz fonte

Por Redação, com Sputnik-Brasil – de Homs, Síria

Um dos líderes principais do Estado Islâmico na Síria pode ter sido morto nesta quinta-feira, durante bombardeios aéreos realizados pela Força Aeroespacial russa, há algumas horas, em uma região do país dominada pela ação dos extremistas islâmicos. Dados  preliminares apontam que Abu Bakr al-Shishani, de origem chechena, ocupava um cargo importante no califado instaurado em três países do Oriente Médio.

Abu Bakr al-Shishani teria sido morto durante um ataque aéreo comandado pela Rússia
Abu Bakr al-Shishani teria sido morto durante um ataque aéreo comandado pela Rússia

– Um ataque aéreo russo realizado na província de Homs, nas últimas 24 horas, destruiu um grupo de militantes no qual se encontrava o checheno Abu Bakr al-Shishani, líder do grupo fundamentalista Ashrar al-Sham – afirmou a fonte à agência russa de notícias Sputnik.

Questão síria

Segundo o professor professor de Direito Internacional da Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP) Salem Nasser, há um novo desenho geopolítico no Oriente Médio, após o ingresso das forças russas no cenário em que os EUA apoiam grupos contrários ao presidente sírio, Bashar Al Assad, mas perdem prestígio mundial por não combater o EI.

“A Rússia entrou então em força na guerra síria. A questão talvez mais importante da política internacional nestes últimos anos sofrerá transformações profundas. O equilíbrio de forças no Oriente Médio e no mundo está sendo refeito. Mas entre nós a notícia não é essa. A notícia é a reação dos Estados Unidos à entrada da Rússia, o que os Estados Unidos disseram que pensam sobre o assunto. A notícia é que os Estados Unidos não gostaram, que eles acham que os ataques russos fortalecerão o Estado Islâmico, que causarão a fúria dos sunitas moderados… O mesmo pensam, ou dizem que pensam, o Reino Unido, a França, a Otan”, afirma Nasser.

Exército egípcio mata alto comandante do Estado Islâmico

Por Redação, com agências internacionais – do Cairo

As Forças Armadas egípcias mataram um dos principais membros de um grupo ligado ao Estado Islâmico no Egito durante uma troca de tiros no lado de fora de sua casa na província de Sinai do Norte, afirmou o porta-voz do Exército em comunicado neste sábado.

Selim Suleiman al-Haram, identificado na declaração como um líder do grupo militante conhecido como Província do Sinai, foi convidado a se entregar por um grupo de soldados que cercou sua casa na cidade de Sheikh Zuweid, disse o Exército.

Guerrilheiros curdos do PKK têm sido alvo de bombardeio da Turquia, aliada do Egito no combate ao EI
Guerrilheiros curdos do PKK têm sido alvo de bombardeio da Turquia, aliada do Egito no combate ao EI

Ele se recusou, abriu fogo contra as tropas e tentou se explodir antes de ser morto a tiros, acrescentou o Exército.

O Egito luta contra uma insurgência cada vez mais descarada na Península do Sinai que já tirou a vida de centenas de policiais e soldados desde que o Exército derrubou o presidente islamita Mohamed Mursi em 2013, após protestos de multidões contra seu governo.

O atual presidente, Abdel Fattah al-Sisi, disse que os militantes representam uma ameaça existencial para o Egito, o país árabe mais populoso. O grupo Província do Sinai, que prometeu fidelidade ao Estado Islâmico, reivindicou a responsabilidade na semana passada por um bombardeio que, segundo o Exército, matou quatro soldados perto de Rafah, uma cidade na fronteira com a Faixa de Gaza.

Aliada do Egito contra os radicais do Estado Islâmico, a Turquia também tem atacado posições do partido curdo separatista PKK, que luta norte do Iraque.

Novo mandato

O governo egípcio prorrogou por mais seis meses a implantação de “alguns elementos das Forças Armadas” fora das fronteiras do país para defender a segurança nacional e árabe no Golfo Pérsico, no Mar Vermelho e no Estreito de Mandeb, afirmou a agência de notícias estatal Mena neste sábado.

O Egito faz parte de uma coalizão liderada pela Arábia Saudita que tem combatido rebeldes houthis no Iêmen.

O Egito autorizou um mandato de 40 dias em 26 de março e prorrogou por três meses em 3 de maio antes de estendê-lo novamente neste sábado, após a aprovação do Conselho de Defesa Nacional.

Irã lança ofensiva de conciliação com países do Golfo Árabe

Irã
Para Javad Zarof, qualquer ameaça a um país é uma ameaça a todos

O ministro das Relações Exteriores do Irã pediu, neste domingo, pela formação de uma frente unida entre países do Oriente Médio para combater a militância violenta, durante sua primeira viagem após o acordo nuclear assinado com seis potências mundiais, recebido com receio entre vizinhos do Golfo Árabe.

– Qualquer ameaça a um país é uma ameaça a todos… Nenhum país pode resolver problemas regionais sem a ajuda de outros – disse Mohammad Javad Zarif, em uma coletiva de imprensa na embaixada do Irã no Kuwait.

O chanceler iraniano começou pelo Kuwait sua turnê de um dia por três países. Ele segue agora para Catar e Iraque.

A maior parte dos Estados do Golfo Árabe teme que o acordo nuclear alcançado pelo Irã em 14 de julho vá acelerar a distensão entre Teerã e Washington, incentivando os iranianos a angariarem aproximação entre aliados no Oriente Médio que se encontram em desentendimento com países do Golfo Árabe.

– O Irã apoia o povo da região na luta contra a ameaça do extremismo, terrorismo e sectarismo… Nossa mensagem aos países da região é que devemos combater juntos esse desafio compartilhado – acrescentou Zarif.

Superlua no mar da Rússia

Um pequeno veleiro, no Mar Cáspio, próximo ao litoral russo, assiste ao espetáculo da superlua
Um pequeno veleiro, no Mar Cáspio, próximo ao litoral russo, assiste ao espetáculo da superlua

A Lua apareceu especialmente grande e brilhante, uma vez que atingiu seu ponto mais próximo da Terra, ao mesmo tempo em que está em sua fase cheia, informou a Nasa.

“É uma ‘superlua’, cerca de 14% maior e 30% mais brilhante que outras luas cheias de 2012″, afirmou a agência em comunicado.

O termo científico para o fenômeno da superlua, visto por um pequeno veleiro, no Mar Cáspio, próximo ao litoral russo, é “lua perigeu”.

A Lua segue uma trajetória elíptica ao redor da Terra com um dos lados – ou perigeu – cerca de 50 mil quilômetros mais perto que o outro – ou apogeu.

A Lua atingirá o perigeu às 00:34 (horário de Brasília) de domingo. Um minuto depois, ela vai se alinhar com a Terra e o Sol, para se tornar cheia.

A última Lua perigeu aconteceu em 19 de março de 2015.

A Lua cheia perigeu pode ocasionar marés que mais altas que o normal, mas apenas em alguns centímetros.

Passageiros são resgatados no mar de Bali após derrapagem no pouso do avião

O avião da Lion Air se partiu em dois, mas não afundou de imediato
O avião da Lion Air se partiu em dois, mas não afundou de imediato

Um avião caiu por volta das 4h na madrugada deste sábado (horário de Brasília), na ilha de Bali, na Indonésia, sudeste asiático. Após um pouso mal-sucedido, a aeronave da companhia aérea Lion Air ultrapassou a pista do aeroporto Ngurah Rai e caiu na água, a poucos metros da cabeceira da pista. Segundo as primeiras notícias divulgadas pela agência pública de notícias da Argentina, Télam, 172 pessoas estavam a bordo do avião, sendo quatro crianças, incluindo um bebê, e sete tripulantes.

O avião decolou do aeroporto de Bandung, em Java, com destino a Bali. Após cair na água, a fuselagem da aeronave se partiu próximo às asas. A aeronave, porém, não afundou e os passageiros e tripulantes conseguiram sair. Algumas pessoas sofreram ferimentos leves. As causas do acidente ainda vão ser apuradas pelas autoridades aéreas do país.

A Lion Air é a primeira companhia aérea privada da Indonésia, um país com 17.500 ilhas. A empresa tem vivido um crescimento exponencial, tendo comprado recentemente 234 aviões Airbus A320 e 230 aviões Boeing 737. Os especialistas, porém, acreditam que este crescimento é feito em detrimento da segurança.

Entre 2004 e 2006, houve uma séria de seis acidentes, sem vítimas mortais. Em 2012, vários pilotos foram detidos, na posse de drogas. A Lion Air está proibida de fazer voos para a União Europeia e para os Estados Unidos. As primeiras imagens do acidente mostram uma fratura na fuselagem à altura das asas do avião, que ficou boiando a cerca de 200 metros do final da pista de aterrissagem. Bali é um dos destinos turísticos mais procurados por europeus e norte-americanos.

Tailândia deseja receber 24 milhões de turistas em 2013

Estátuas de monges budistas são alinhadas em Payathonzu, na frontéira entre Birmânia e Tailândia
Estátuas de monges budistas são alinhadas em Payathonzu, na frontéira entre Birmânia e Tailândia

Tailândia, um dos destinos turísticos mais consolidados na Ásia, deseja aumentar o nível em 2013 com a meta de receber 24 milhões de visitantes, favorecidos pelas atuais condições de suficiente estabilidade política.

Ao fechar este ano, autoridades do setor confiam em arredondar em 22 milhões a cifra dos que têm viajado até aqui em busca de um leque de ofertas que incluem tradições históricas culturais, passeios, praias e até serviços médicos especializados.

Quase todos esses viajantes se transportaram na linha área nacional desde a vietnamita Cidade Ho Chi Minh que liga com voos de muitos outros países, explicou o governador da Autoridade do turismo de Tailândia, Suraphon Svetasreni.

Dos 10 principais emissores para o Reino indochina, China mantém-se na liderança, seguida pela Malásia, Japão, Rússia, Coréia do Sul, Índia, Laos, Austrália, Reino Unido e Cingapura.

Svetasreni calcula que o país obterá uns 40 bilhões de dólares pelo previsto aumento de excursionistas.

Estes seguem colocando crescentemente em suas preferências o recuperado complexo de Phuket, palco do arrasador tsunami de 2004, e hoje segundo no tocante de interesse na Ásia, após Bali, Indonésia.

A sua vez Bangkok, superada a turbulência política de 2010, converteu-se na primeira eleição turística entre as cidades do continente, ultrapassando Hong Kong, Kyoto e Cingapura.

Tailândia deu um passo favorecedor ao fluxo de turismo ao lembrar neste mês com seu vizinho Camboja a expedição de um visto único encaminhado a facilitar uma maior permanência de visitantes nos dois destinos.

O convindo bilateral considera-se antecipadamente em processo experimental na projetada Zona Asean, da Associação de nações do Sudeste asiático, que se encaminha para uma comunidade econômica em 2015.

Nova Zelândia quer incrementar turismo com estreia de Hobbit

Pré-estreia da trilogia Hobbit em Wellington atraiu 100 mil fãs.

A Nova Zelândia quer aproveitar o sucesso do filme Hobbit: uma jornada inesperada – a pré-estreia mundial nesta quarta-feira na capital Wellington atraiu cerca de cem mil visitantes – para aumentar o turismo em todo o país.

Tony Evritt, representante da secretaria de Turismo da Nova Zelândia, disse esperar que o crescimento na receita do setor possa chegar aos US$ 400 milhões (equivalente a R$ 800 milhões).

Para isso, o governo tem investido pesado na febre dos Hobbits. Somente para a pré-estreia, a municipalidade de Wellington gastou US$ 820 milhões (equivalente a R$ 1,6 milhão) e a cidade foi rebatizada de “Meio da Terra Média”, uma referência ao mundo fictício criado pelo autor J R R Tolken.

The Hobbit, escrito por Tolken, conta a história da origem do famoso Senhor dos Anéis, cuja trilogia cinematográfica faturou quase US$ 3 bilhões em todo o planeta.

Festae turismo

Wellington se preparou para o evento em grande estilo, com ruas decoradas e telões exibindo os três filmes da série Senhor do Anéis. Barraquinhas venderam produtos ligados ao filme e foi realizado um concurso de fantasias.

A fazenda onde foram filmadas as cenas das casas dos personagens, os Hobbits, virou uma grande atração turística e foi batizada de Hobbiton.

O local foi usado, tanto nos filmes da trilogia do Senhor do Anéis, quanto no novo filme e hoje os turistas podem visitar os sets de filmagem, que incluem a casa do protagonista do novo filme, Bilbo, o bolseiro.

Casas de Hobbits esperam receber cerca de 100 mil visitantes este ano.

“Desde a reconstrução do set, tem havido um aumento constante no número de visitantes. De 30 mil no ano passado, esperamos receber mais de 100 mil este ano”, disse à BBC Brasil, Kristen Madill, uma das gerentes da Hobbiton.

A fazenda foi descoberta pelo diretor de Senhor do Anéis, Peter Jackson, quando buscava de avião a locação perfeita para filmar a trilogia. Há dois anos, a área foi transformada em atração turística, com as casas refeitas com materiais mais resistentes para que o local tenha durabilidade.

O primeiro filme da nova trilogia sobre os Hobbits demorou mais de cinco anos para ser concluído e enfrentou diversos problemas, o que fez com que executivos ligados à produção sugerissem que a filmagem fosse feita na Grã-Bretanha.

Entre os contratempos, os produtores tiveram que enfrentar problemas no financiamento, polêmicas sobre o salário dos atores e, até mesmo, acusações de maus-tratos e mortes de animais, o que foi negado pelos produtores do filme.

O primeiro filme da trilogia Hobbit terá lançamento mundial em 14 de dezembro. A sequência está prevista para 13 de dezembro 2013 e o último deve chegar às telas em 18 de julho de 2014.

Identidade neo-zelandesa

Os filmes mostram paisagens paradisíacas de diversas partes da Nova Zelândia e toda a série possui uma forte identidade com o país, de onde, inclusive, vem o diretor Peter Jackson.

A secretaria de Turismo quer explorar esta ligação e aponta vários locais para os aficionados que quiserem explorar o universo Hobbit.

A secretaria de turismo da Nova Zelândia acredita que a estreia do novo filme pode atrair R$ 800 milhões.

Entre as regiões onde estão as locações escolhidas para a filmagem da nova trilogia estão Otago, a área de Nelson Tasman e o platô central do país.

Cerca de 2 mil moradores locais trabalharam na produção e o governo diz que, além do turismo, o filme ajudou também o desenvolvimento de profissionais especializados em tecnologia digital.

A secretaria de Turismo alardeia a consolidação do país como a Hollywood da região sul do Pacífico e diz que os profissionais que trabalharam no filme estariam sendo usados em outras áreas, como exames contra câncer de mama, que usam técnicas digitais.

O impacto da trilogia deve chegar até mesmo à indústria de bebidas da Nova Zelândia, já que a empresa Good George, original da cidade de Hamilton, ganhou o direito de produzir a cerveja oficial dos Hobbits.

Turismo em Israel é afetado por ofensiva em Gaza

Os viajantes que esperavam visitar a Terra Santa estão começando a pensar duas vezes

Com os combates na Faixa de Gaza entrando em seu quinto dia e os foguetes palestinos aterrissando cada vez mais dentro de Israel, os viajantes que esperavam visitar a Terra Santa estão começando a pensar duas vezes. Vários hotéis em Israel, junto com a empresa El Al, tiveram cancelamentos e acreditam que o número vai aumentar se a violência entrar na segunda semana.

– Houve cancelamentos mínimos atualmente, mas é óbvio que essa é uma situação que se desenvolve – disse uma fonte no Ministério do Turismo, que ainda precisa oferecer estatísticas oficiais.

Israel lançou uma intensa campanha aérea contra a Faixa de Gaza na quarta-feira com a intenção declarada de deter os foguetes de militantes islâmicos contra seu enclave costeiro. Desde o início da conflagração, centenas de mísseis foram lançados contra Israel, e vários em direção ao eixo comercial de Tel Aviv, que anteriormente ficara fora do alcance dos militantes de Gaza.

Sirenes de ataque aéreo soaram em Jerusalém na sexta-feira pela primeira vez em décadas antes que um foguete caísse nas redondezas, na ocupada Cisjordânia.

Três israelenses morreram quando seu prédio foi atingido em uma pequena cidade no Sul de Israel na quinta-feira, mas nenhum dos tiros de alcance mais longo atingiu áreas povoadas ou provocou feridos. No entanto, só a ameaça já tem um preço.

Uma porta-voz do Fattal, a maior rede de hotéis de Israel, disse que algumas reservas já haviam sido canceladas. “Vemos o início de uma tendência, mas apenas em alguns dias seremos capazes de ver em que direção caminha a tendência geral”, disse ela, recusando-se a dar números.

Da mesma fora, o hotel American Colony de Jerusalém divulgou que alguns hóspedes tinham cancelado as visitas no último minuto.

Uma porta-voz da El Al disse que houve alguns cancelamentos “aqui e ali”, embora nada muito significativo, enquanto a Delta e a US Airways disseram que algumas famílias de israelenses convocados pelo exército tinham decidido ficar em casa.

A diminuição não se limita a Israel. A cidade palestina de Belém, na Cisjordânia, onde a Igreja da Natividade atrai peregrinos cristãos do mundo inteiro, perdeu quase metade de suas reservas devido à violência em Gaza.

– Acho que a porcentagem dos cancelamentos atingiu 40 a 50 %  até o fim de novembro e para o mês seguinte – disse Elias al Arja, chefe da Associação Árabe de hotéis na cidade.

Quatro cruzeiros transportando 6.000 turistas preferiram não aportar em Israel devido à situação de segurança, divulgou a Rádio Israel nesta domingo.

O tráfego aéreo também foi atingido. Planos de voo para aviões que vinham e partiam do Aeroporto Internacional Ben-Gurion, em Tel Aviv, foram mudados para o norte e leste para liberar o espaço aéreo para a força aérea de Israel operar em Gaza, disse uma autoridade na indústria da aviação.

Antes do início da campanha em Gaza, Israel vinha desfrutando de um ano recorde de turistas, com 2,6 milhões de visitantes entrando no país nos primeiros nove meses do ano  7%  a mais do que o mesmo período no ano passado.