Eclipse solar com ‘Anel de Fogo’ pode ser visto nos céus do Brasil

No Brasil, a observação incluiu toda a Região Sul, Sudeste, grande parte do Nordeste e Centro-Oeste. Em grande parte do Rio de Janeiro, não foi possível avistar o eclipse, devido à incidência de nuvens

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

O primeiro eclipse solar de 2017 aconteceu nesta domingo. O fenômeno pode ser visto em uma faixa estreita de terra no sul do Chile e da Argentina. Também pode ser visto do Oceano Pacífico, parte do Oceano Atlântico e Sul da África. O Observatório Nacional comprovou que o eclipse foi anular, também conhecido como “Anel de Fogo”. Recebe esta denominação quando se vê todo o desenho do Sol e uma forma de anel de luz ao redor.

O eclipse solar com uma aura dourada, chamada 'Anel de Fogo' foi visto na Região Sul do Brasil
O eclipse solar com uma aura dourada, chamada ‘Anel de Fogo’ foi visto na Região Sul do Brasil

No Brasil, a observação incluiu toda a Região Sul, Sudeste, grande parte do Nordeste e Centro-Oeste. Em grande parte do Rio de Janeiro, não foi possível avistar o fenômeno, devido à incidência de nuvens. Nas demais regiões, o eclipse foi parcial, entre 10h e 12h30, horário de Brasília, de acordo com o local.

A maioria dos observadores utilizaram instrumentos especiais usados por astrônomos ou com técnica de projeção. Seguiram as observações do Observatório Nacional. Os cientistas ressaltam que nunca se deve olhar diretamente para sol nem mesmo com o uso de filme de raio X, óculos escuros ou outro material caseiro. A exposição, mesmo de poucos segundos, danifica o olho de modo irreversível.

Eclipse em tempo real

A agência espacial norte-americana Nasa lançou um site com detalhes sobre o eclipse solar. A plataforma transmitiu o eclipse, em tempo real.

O Brasil terá a oportunidade de visualizar outro fenômeno solar ainda este ano. Em 21 de agosto, haverá um eclipse total do sol, que poderá ser visto no parcialmente somente na região nordeste, próximo do horário do pôr do sol.

Segundo análises do Observatório Nacional, em 14 de dezembro de 2020, haverá um eclipse parcial do sol que terá também visibilidade em grande área do Brasil.

Asteroide se aproxima da Terra e Nasa acompanha minuto a minuto

O asteroide 2016wf9 pode ser acompanhado, minuto a minuto, na sua trajetória rumo à Terra

O asteroide, com pouco mais de 1 km de diâmetro, no entanto, deverá passar a 51 milhões de km de distância da Terra

 

Por Redação, com agências internacionais – de Cabo Canaveral, EUA, e Londres

 

O asteroide 2016WF9 que, segundo o astrônomo russo Dyomin Damir Zakharovich, segue em rota de colisão com a Terra, agora pode ser acompanhado, minuto a miinuto. O corpo celeste, descoberto pela agência espacial norte-americana (Nasa, na sigla em inglês) em meados de 2016, tem capacidade para causar o “fim do mundo”, segundo o cientista.

Acompanhe, aqui, a trajetória do asteroide, em direção à Terra:
O asteroide 2016wf9 pode ser acompanhado, minuto a minuto, na sua trajetória rumo à Terra
O asteroide 2016wf9 pode ser acompanhado, minuto a minuto, na sua trajetória rumo à Terra

A rocha espacial, com pouco mais de 1 km de diâmetro, no entanto, deverá passar a 51 milhões de km de distância do nosso planeta. Em escala cosmológica, trata-se de uma distancia muito desconfortável para os seres humanos. Não representa, porém, segundo o corpo científico da Nasa, qualquer risco de colisão com o planeta.

Sistema Nibiru

Teóricos do caos e o astrônomo russo, porém, acreditam que a Nasa esteja mentindo, com o único objetivo de evitar o caos planetário, diante de uma extinção iminente, tal qual a dos dinossauros, há mais de 60 milhões de anos. O asteroide, dizem, está em rota de colisão com a Terra. O suposto choque deve ocorrer em mais algumas horas, no dia 16 de fevereiro, causando um gigantesco tsunami, que levaria à extinção da vida na Terra, como a conhecemos.

— O objeto que chamam de WF9 deixou o ‘sistema Nibiru’ em outubro. Desde então, começou a circular o Sol no sentido horário. Desde então, a Nasa sabe que ele irá se chocar contra a Terra. Mas, não estão contando para ninguém — diz Dyomin Damir Zakharovich em entrevista a um tabloide inglês.

Apesar das previsões, a Nasa insiste que o asteroide, escuro e refletindo pouca luz em sua superfície, não oferece perigo. “A trajetória do 2016WF9 é bem conhecida. E o objeto não será uma ameaça à Terra pelos próximos milhares de anos”. A informação é da Nasa, em nota à imprensa.

Asteroide mortal

Como se o asteroide não fosse suficiente, os teóricos da conspiração ainda acreditam que o planeta imaginário Nibiru também está em rota de colisão com a Terra. Segundo eles pregam, o suposto astro (que também é chamado de Planeta X) teria sido direcionado para a órbita terrestre. Haveria uma força gravitacional e “deverá” colidir em outubro deste ano.

Vale lembrar que não existe qualquer comprovação científica da existência de um sistema solar intitulado Nibiru. Ou mesmo de um planeta que leva esse nome.

Asteroide se aproxima da Terra e onda de medo toma conta do mundo

O asteroide WF9 tem cerca de 1km de largura e poderia, em um impacto, destruir a vida na Terra

Segundo Zakharovich, a Terra será destruída em fevereiro de 2017 em uma colisão com o asteroide 2016WF9 que se aproxima do planeta

 

Por Redação, com agências internacionais – de Cabo Canaveral, EUA, e Londres

 

O objeto espacial, descoberto pelos cientistas em 2016, ameaça a Terra e pode provocar o fim do mundo. Faltam apenas 15 dias para o cataclisma, segundo o astrônomo russo Dyomin Damir Zakharovich . A NASA, por sua vez, refuta a informação.

Segundo Zakharovich, a Terra será destruída em fevereiro de 2017 em uma colisão com o asteroide 2016WF9 que se aproxima do planeta. Antes restrita a sites sensacionalistas, as informações agora foram divulgadas no jornal britânico The Daily Mail, citando uma teoria da conspiração.

Asteroide ou cometa?

O asteroide WF9 tem cerca de 1km de largura e poderia, em um impacto, destruir a vida na Terra
O asteroide WF9 tem cerca de 1km de largura e poderia, em um impacto, destruir a vida na Terra

Segundo os jornalistas, a colisão terá lugar em 16 de fevereiro e vai provocar um enorme tsunami. As ondas gigantes causarão o fim do mundo, dizem.

O objeto celeste, batizado de 2016WF9, foi descoberto no ano passado. Os cientistas ainda não determinaram se se trata de um asteroide ou um cometa sem nuvem de poeira.

O diâmetro deste objeto é de um quilômetro de largura. Segundo o especialista citado pela Daily Mail, o corpo celeste veio do sistema de Nibiru. Trata-se de um planeta hipotético do Sistema solar, cuja existência ainda não foi provada.

Muito distante

O asteroide, de fato, existe. O projeto NeoWise, da Nasa, o identifica como um objeto com uma órbita entre o Sol e Júpiter, a cada cinco anos. Ao longo deste período, ele traça uma elipse próxima, em escalas universais, da Terra. Mas, segundo a agência espacial norte-americana, o WF9 passará a cerca de 15 milhões de quilômetros do planeta.

“A trajetória do WF9 é bem definida e o objeto não é, de forma alguma, uma ameaça sequer em um futuro muito distante”, afirma a Nasa, no site do Jet Propulsion Laboratory’s (JPL).

Apesar do fato de a NASA ter afirmado que o objeto não ameaça a Terra, o analista do The Daily Mail segue convencido que os funcionários da NASA estão dissimulando a verdade.

Nasa localiza 613 objetos em órbita próxima à da Terra

Neowise,órbita,terra

Dois deles cruzam os céus do planeta e, até o dia 25 de Fevereiro, o maior deles, com 1 quilômetro de largura passará próximo à órbita da Terra

 

Por Redação, com Nasa – de Cabo Canaveral, EUA

 

O programa Neowise (NEO Wide-Field Infrared Survey Explorer), da agencia espacial norte-americana (Nasa, na sigla em inglês), passou a monitorar, nas últimas semanas, dois objetos estelares em trajetórias próximas da Terra, em distâncias cósmicas. É apenas um entre os mais de 600 monitorados pelo sistema.

O programa da Nasa monitora os objetos estelares em curso com a Terra
O programa da Nasa monitora os objetos estelares em curso com a Terra

O maior deles, identificado como 2016 WF9, com diâmetro de cerca de 1 quilômetro, passará a pouco mais de 50 milhões de quilômetros, em 25 de fevereiro. Na órbita em que se encontra, segundo a Nasa, não representa qualquer perigo para o planeta em que vivemos.

O segundo objeto monitorado é o o cometa C/2016 U1, detectado pela primeira vez em 21 de outubro. O corpo celeste chegará ao ponto mais próximo do Sol em 14 de janeiro, após tangenciar a Terra nas últimas 48 horas, a uma distância segura, de acordo com os cientistas do Neowise.

O programa cobriu, até dezembro do ano passado, o céu em torno da Terra, desde que a missão da Nasa foi reestabelecida. O Neowise passou por um período de inatividade e, ao ser reativado, localizou 24,1 mil objetos do sistema solar, entre eles 613 objetos próximos da Terra (NEOs, na sigla em inglês) e 110 cometas. Atualmente, o projeto reprocessa os dados da primeira missão, com o objetivo de mapear os asteróides e cometas até os limites mais externos do sistema.

Curso da Terra

Para além dos objetos que circundam o planeta, o Neowise passou a buscar, também, pequenos planetas que possam estar situados em distâncias ainda superiores ao limite atual do sistema solar. O programa foi lançado em dezembro de 2009 com o objetivo de cobrir os quadrantes estelares em quatro bandas de infravermelho. O trabalho dos cientistas seguiu até Dezembro de 2010, quando o telescópio foi congelado por hidrogênio até fevereiro de 2011. Por segurança, o equipamento foi colocado em hibernação durante o período.

Durante a missão inicial, o Neowise disparou ondas de infravermelho para mais de 158 mil planetas. Entre eles, 34 mil foram recém-descobertos. A análise destes dados permitirá aos cientistas estabelecer paralelos aos números, órbitas, tamanhos e provável composição dos asteróides que cruzam o sistema solar. Este monitoramento permitiu à agência espacial localizar o 2016 WF9 e constatar que suas características são incomuns aos demais objetos em análise.

O objeto parece ser escuro e irrefletido, característica típica de um cometa. Apesar disso, ele não tem a característica nuvem de poeira e gás que define um cometa. Esta falta de clareza também significa que o objeto tem uma origem desconhecida. “O 2016 WF9 poderia ter origens cometárias”, disse o cientista-chefe do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA , James Bauer, em nota. “Este objeto ilustra que a fronteira entre asteroides e cometas é incerta”, concluiu.

Chega 2017 com esperanças de paz e prosperidade para o mundo

O Réveillon já aconteceu em Sydney, em uma das mais belas festas de despedida de 2016

As celebrações de Ano-novo já começaram nas ilhas do Pacífico. Samoa, Tonga e Kiribati entraram em 2017 às 8h da manhã do horário de Brasília. A maior parte da Nova Zelândia entrou no novo ano uma hora depois

 

Por Redação, com agências internacionais – de Sydney

 

As festividades para o Réveillon na Austrália aconteceram com segurança redobrada. Um homem foi preso, nesta semana, depois que a polícia antiterrorismo australiana descobriu ameaças na internet contra o Réveillon em Sydney, cidade mais populosa do país.

O Réveillon já aconteceu em Sydney, em uma das mais belas festas de despedida de 2016
O Réveillon já aconteceu em Sydney, em uma das mais belas festas de despedida de 2016

Um milhão e meio de pessoas acompanharam a passagem de ano na baía da capital australiana. Para garantir o melhor lugar para assistir o famoso espetáculo, centenas de pessoas passaram a noite acampadas. Ao todo, sete toneladas de fogos de artifício iluminaram os céus da cidade por doze minutos em uma imagem que marcou o início das grandes celebrações de ano novo mundo afora.

Na Indonésia, a virada este ano também acontece sob forte esquema de segurança. Cerca de 20 mil policiais foram mobilizados apenas na capital, Jacarta. Recentemente, as autoridades indonésias frustraram ao menos dois planos de ataques terroristas a bomba.

Na Tailândia, de luto pela morte do rei Bhumibol Adulyadej em outubro, a passagem de ano será marcada por vigílias e orações em todo o país.

Uma das maiores celebrações da Ásia acontece em Hong Kong e é um dos pontos altos do calendário turístico do território chinês. Dentro de poucas horas, milhares de pessoas devem lotar diversos pontos da cidade para acompanhar os dez minutos de show pirotécnico no porto Vitória.

Acompanhe, aqui, cada minuto da virada para 2017

OCDE prevê aceleração da economia no mundo, exceto para os brasileiros

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump

Em seu Panorama Econômico, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revisou suas previsões para cima e estimou que o crescimento global vai acelerar de 2,9% este ano a 3,3% em 2017 e chegará a 3,6% em 2018

 

Por Redação, com Reuters – de Washington

 

O crescimento global vai acelerar mais rápido do que se esperava nos próximos meses uma vez que os cortes de impostos planejados pela administração de Trump e os gastos públicos aquecem a economia dos Estados Unidos, com expectativa de estagnação no Brasil em 2017. A pesquisa foi divulgada pela , disse a OCDE nesta segunda-feira.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump
O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, faz planos para a economia e isso eleva os juros nos EUA

Em seu Panorama Econômico, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico revisou suas previsões para cima. Estima, agora, que o crescimento global vai acelerar. Passa de 2,9% este ano a 3,3% em 2017 e chegará a 3,6% em 2018.

Trump

Quanto à economia do Brasil, a previsão para 2016 piorou. Aponta, agora, para contração de 3,4% ante estimativa anterior de recuo de 3,3%. Mas, para 2017, a conta segue pessimista. A OCDE projeta estagnação ante contração de 0,3% antes. Para 2018 a organização vê um crescimento modesto, de 1,2%.

A organização com sede em Paris foi ligeiramente mais otimista sobre as perspectivas dos Estados Unidos. A previsão de crescimento dos norte-americanos, no próximo ano, aponta para 2,3%, ante 2,1% previstos em setembro.

O crescimento dos EUA vai acelerar mais em 2018 para 3,0%, prevê a OCDE. As taxas antecipadas são as mais altas desde 2005. A instituição antecipa os cortes nos impostos, na administração Trump, tanto para as pessoas físicas quanto jurídicas. Trump também pretende iniciar um programa de investimento em infraestrutura. Uma renovada economia norte-americana pode ajudar a compensar a fraqueza em outros lugares do mundo, diz o estudo.

Ligeira alta

O OCDE mostrou-se ligeiramente menos pessimista sobre o cenário para o Reino Unido do que em setembro, uma vez que o banco central tem ajudado a aliviar o impacto econômico da decisão de deixar a União Europeia.
A economia britânica deve crescer 2,0% este ano, contra 1,8% estimado anteriormente, embora a taxa possa cair pela metade até 2018.

A previsão para a China, que não é membro da OCDE, é de um crescimento de 6,7% neste ano e de 6,4% em 2017, ambos um pouco melhor do que o esperado anteriormente.

A perspectiva para a zona do euro também foi ligeiramente melhor, apesar das incertezas sobre o futuro relacionamento do Reino Unido com o continente. Impulsionado pela política monetária frouxa, o crescimento da região foi projetado em 1,7% neste ano e em 1,6% em 2017, ambos revisados com ligeira alta.

Cientistas começam a divulgar fotos detalhadas de galáxias da Via Láctea

Os cientistas da Agência Espacial Europeia, por sua vez, também divulgaram os primeiros resultados do telescópio espacial Gaia, lançado no final de 2013

 

Por Redação, com ACS – de Cabo Canaveral, EUA

A agência espacial norte-americana (Nasa) começou a divulgar, neste sábado, as fotos em altíssima definição produzidas pelo telescópio Hubble. A iniciativa segue em sincronia com o trabalho realizado pela Agência Espacial Europeia. No conjunto de 411 fotos, montadas uma ao lado da outra, a Nasa criou a maior fotografia já produzida até hoje. O resultado gerou um arquivo de 1,5 bilhões de pixels que ocupa cerca de 4,3 GB de espaço em disco.

Foto em altíssima definição produzida pelo Telescópio Hubble
Foto em altíssima definição produzida pelo Telescópio Hubble

A Agência Espacial Europeia, por sua vez, também divulgou os primeiros resultados da missão do telescópio espacial Gaia, lançado no final de 2013. Nesses quase três anos de trabalho, Gaia visualizou cerca de 1 bilhão de objetos e registrou dados capazes de revolucionar a astronomia.

A primeira constatação é a de que existem muito mais estrelas que o imaginado por muitos cientistas. Isso coloca a Via Láctea em uma nova dimensão. As revelações de Gaia foram transformadas no maior mapa da Via Láctea da história. Ele será mil vezes mais extenso e 10 vezes mais preciso do que os astrônomos calcularam, até hoje. Há cerca de 1 bilhão de objetos espaciais e eles foram retratados em 3D. A missão, no entanto, não chega a 1% de toda a galáxia.

O acessa a esse trabalho, por enquanto, tem sido acessado apenas por astrônomos e já publicaram 15 artigos acadêmicos. Espera-se, agora, que ele gere outras 100 publicações, nas próximas semanas. Até 2022, quando a missão será encerrada, produzirão outras centenas de artigos científicos.

Acesse, adiante, as fotos da Nasa:

Meteorito explode nos céus de Chipre  e oferece espetáculo de luz

Os habitantes da cadeia de montanhas de Troodos relataram o espetáculo de cores verdes e brancas brilhantes no céu perto da uma 1h da madrugada

Por Redação, com agências internacionais – de Atenas:

Um objeto em curso de entrada na atmosfera, possivelmente um meteorito, fez um voo rasante sobre o Chipre na madrugada desta sexta-feira, surpreendendo moradores com uma explosão de luzes brilhantes no céu noturno, além de grandes explosões sonoras.

Um objeto em curso de entrada na atmosfera, possivelmente um meteorito, fez um voo rasante sobre o Chipre na madrugada desta sexta-feira
Um objeto em curso de entrada na atmosfera, possivelmente um meteorito, fez um voo rasante sobre o Chipre na madrugada desta sexta-feira

– Tinha uma inclinação de 45 graus, e uma explosão foi ouvida enquanto passava sobre o Chipre, disse Ioannis Fakas, presidente honorário do conselho da sociedade astronómica cipriota.

Os habitantes da cadeia de montanhas de Troodos relataram o espetáculo de cores verdes e brancas brilhantes no céu perto da uma 1h da madrugada, e depois grandes explosões, indicou a polícia. Há relatos de tremor no solo.

Acredita-se que partes do meteorito caíram no mar a norte de Chipre, disse Fakas à televisão estatal.

– Não devia pesar mais do que alguns quilos. Quando cruzou o Chipre, explodiu – disse Fakas à Cyprus Broadcasting Corporation.

Planeta do sistema Proxima Centauri promete reunir os ingredientes da vida

Tuomi espera responder a todas as questões sobre a habitabilidade do planeta Proxima b usando o telescópio orbital James Webb, que substituirá o Hubble ainda este ano

 

Por Redação, com agências internacionais – de Lisboa e Moscou

 

Planeta da estrela mais próxima de nós, a Proxima Centauri pode reunir três ingredientes fundamentais para a vida, disse um dos descobridores desse planeta semelhante à Terra, Mikko Tuomi, em entrevista ao site especializado em Universo, Astrowatch.net. Trata-se do Proxima Centauri b (também conhecido por Proxima b).

— Para o nascimento da vida são necessárias três coisas: em primeiro lugar, precisamos de uma superfície rochosa, e o Proxima b tem-na. Segunda coisa: precisamos de água. Não temos nenhuma evidência de que o Proxima b a tenha, mas não há nenhuma razão para não haver água – ela se encontra em quase todo o lado no espaço. O terceiro ponto: precisamos de uma atmosfera de CO2, a molécula mais simples e comum na atmosfera de todos os planetas do Sistema Solar — disse o cientista.

Projeção gráfica do Proxima b mostra um planeta de uma estrela pequena e fria
Projeção gráfica do Proxima b mostra um planeta de uma estrela pequena e fria

Ainda segundo o cientista, respondendo à questão se o exoplaneta Proxima-B poderá ser habitado, caso todos estes três componentes se encontrem presentes, o nascimento da vida será “inevitável” e não um conjunto de circunstâncias únicas com uma chance em um milhão. De outra forma, Tuomi admite que os cientistas não têm provas de que o planeta tenha água e CO2. Por exemplo, todas as reservas de água que poderiam existir na superfície podem ter sido sopradas para o espaço pelo vento solar e pela radiação de Proxima Centauri, se o Proxima b não tiver um “escudo” magnético, semelhante ao cinturão de Van Allen da Terra.

Tuomi espera responder a todas as questões sobre a habitabilidade do planeta Proxima b usando o telescópio orbital James Webb, que substituirá o Hubble ainda este ano. Segundo o astrônomo, seu poder será suficiente para obter as primeiras imagens diretas do planeta, estudar seu espectro e avaliar a sua aptidão para a vida.

Planeta Proxima b

Astrônomos descobriram, semana passada, um planeta que orbitar a estrela mais próxima do Sol, com condições favoráveis para ter na sua superfície água líquida, elemento fundamental para a vida, segundo o Observatório Europeu do Sul (OES). O exoplaneta (planeta fora do Sistema Solar) Proxima Centauri b orbita a sua estrela, a Próxima Centauro, uma anã vermelha, a cada 11 dias. A estrela, localizada na constelação de Centauro, a 4,22 anos-luz da Terra, é invisível a olho nu, por ser pequena e pouco brilhante, e é relativamente fria.

De acordo com um comunicado do OES, o Proxima b tem uma massa semelhante à da Terra, apenas 1,3 vezes superior à do ‘planeta azul’, sendo um possível abrigar a vida, uma vez que tem uma temperatura “adequada para a água líquida existir na sua superfície”. Os resultados da descoberta foram publicados na revista científica Nature.

O planeta, que se encontra muito perto da sua estrela, a uma distância inferior à que separa a Terra do Sol, foi detectado a partir de vários telescópios, incluindo os do OES, no Chile. A equipe internacional de astrônomos, liderada por Guillem Anglada-Escudé, da universidade britânica Queen Mary, em Londres, crê que, uma vez comprovada a existência de água líquida no Proxima b, ela se encontrará nas nas regiões mais quentes do planeta.
A rotação do Proxima b, a forte radiação emitida pela sua estrela e a história da formação do planeta tornam, segundo os cientistas, o seu clima muito diferente do da Terra, sendo pouco provável que o exoplaneta tenha estações. Para os cientistas, o planeta Proxima b poderá servir de alavanca para a procura de evidências de vida noutros sítios do Universo, para lá da Terra.

Um dos cientistas envolvidos na descoberta, James Jenkins, da Universidade do Chile, disse à agência portuguesa de notícias Lusa que a equipe pretende “procurar evidências da atmosfera” de Proxima b e, a confirmar-se a sua existência, estudar a composição e “procurar traços de água ou outras moléculas, e finalmente vida”.

Exploração de minerais no espaço exterior está prestes a começar

Grandes conglomerados financeiros da Terra buscam alternativas de mineração em outros planetas

A primeira missão na história de humanidade com vista a explorar recursos minerais no espaço, em planetas e asteroides, deverá ser lançada na próxima década

 

Por Redação, com Sputnik News – de Moscou

 

O projeto ambicioso foi anunciado pela empresa norte-americana Deep Space Industries. Apoiada pelo governo do Luxemburgo, a empresa está determinada a explorar recursos minerais fora do planeta Terra.

Grandes conglomerados financeiros da Terra buscam alternativas de mineração em outros planetas
Grandes conglomerados financeiros da Terra buscam alternativas de mineração em outros planetas

Em 2017, no âmbito da primeira etapa, a empresa planeja colocar em orbita o satélite Prospector-X para testar a sua tecnologia. Depois, seus parceiros vão fazer aterrar o Prospector-1 em um asteroide perto da Terra para avaliar os recursos.  Estas missões devem se prolongar por 10 anos, indica a empresa.

O módulo no espaço está programado para enviar análises do solo aos cientistas, na Terra
O módulo no espaço está programado para enviar análises do solo aos cientistas, na Terra – Clique para ampliar

As características técnicas do Prospector-1 já são conhecidas: pesando 50 quilogramas, ele será dotado de todo equipamento necessário, incluindo o sistema Comet, responsável pela propulsão e à base de vapor de água. É esta característica que permitirá ao Prospector-1 a operar sem retornar à Terra para reabastecimento,  porque muitos asteroides contêm grande quantidade de gelo.

Caso esta missão seja realizada com sucesso, entrará em cena o aparelho Harvestor-X, responsável pela recolha de amostras de minerais. Paralelamente, a empresa continuará a desenvolver o aparelho Harvestor-1 que deverá efetuar a extração de minerais e seu envio para Terra.

Os cientistas afirmam que os asteroides contêm mais recursos naturais do que foi obtido em toda a história da Terra, advindo daí o enorme interesse na sua exploração.