Setor de tecnologia derruba grandes empresas nos EUA

Na atual temporada de balanços financeiros, o setor de tecnologia dos Estados Unidos vem ocupando uma posição incomum
Na atual temporada de balanços financeiros, o setor de tecnologia dos Estados Unidos vem ocupando uma posição incomum

Na atual temporada de balanços financeiros, o setor de tecnologia dos Estados Unidos vem ocupando uma posição incomum, a de arrastar para baixo os resultados das grandes empresas norte-americanas, em vez de elevá-los. Wall Street antecipa que a receita do setor de tecnologia no quarto trimestre tenha caído em 1,1% sobre um ano antes, a primeira queda desde o terceiro trimestre de 2009, ainda que mantenha projeção de alta para os lucros das empresas que integram o índice S&P 500.

As fabricantes de chips devem estar entre as companhias com pior desempenho, diante de vendas de computadores inferiores às esperadas. A demanda internacional fraca e a preocupação quanto à crise fiscal dos EUA também podem estar entre as causas do baixo investimento empresarial em tecnologia.

– A falta de crescimento econômico que vimos na Europa, a desaceleração nos mercados emergentes isso colocou pressão considerável, especialmente sobre a tecnologia – disse o vice-presidente de investimento em ações na corretora Charles Schwab, Omar Aguilar, em San Francisco.

As ações de tecnologia vêm encontrando dificuldades recentemente e, se a fraqueza se agravar, os números podem prejudicar as projeções que muitos estrategistas têm para o mercado de ações norte-americano em 2013. Mas alguns investidores e analistas dizem que os números fracos do quarto trimestre já foram incorporados aos preços de muitas ações de tecnologia e que seus valores atuais são atraentes.

Analistas do Bank of America Merrill Lynch escreveram em nota nesta semana que as ações de tecnologia estão subvalorizadas em cerca de 32%, mais que as de qualquer outro setor, com base na relação preço/lucro projetada atualmente. Todos os setores da tecnologia exceto o de serviços de informática estão sendo negociados bem abaixo de seus níveis históricos de preços, segundo a nota.

Na tecnologia, “temos muitas empresas com grandes reservas de caixa negociadas a múltiplos relativamente baratos. Assim, para os investidores que procuram valor, como nós, a situação começa a parecer interessante”, disse o vice-presidente de investimento da North Star Investment Management, Eric Kuby, em Chicago.

É incomum que a tecnologia, o maior dos 10 setores no Standard & Poor’s 500, respondendo por quase 23% das receitas totais do índice, apresente desempenho ruim.

A tecnologia está na metade superior dos setores do S&P nos quatro últimos períodos de anúncio de resultados, e apresentou crescimento de lucro superior à média do mercado em 83%  das temporadas, nos últimos 10 anos, de acordo com dados da agência inglesa de notícias Reuters.

A Apple em geral oferece um dos maiores empuxos à receita das grandes empresas norte-americanas, mas desta vez seu lucro no quarto trimestre deve cair em 3,8%  sobre o do ano anterior, o que se compara a uma média de alta de lucro de 1,8%  para o S&P 500, segundo à agência inglesa de notícias Reuters.

A Apple só não atingiu as projeções de receita de analistas quatro vezes nos últimos dez anos, duas delas nas mais recentes temporadas de resultados. Suas ações voltaram a cair esta semana, após notícias de que a empresa reduziu pedidos de componentes em função de demanda menor que a esperada pelo iPhone 5.

Mas mesmo as ações da Apple, que caíram abaixo dos US$500 na segunda-feira pela primeira vez, começam a parecer mais atraentes para os investidores em valor.

INTEL dá a largada

A maioria das empresas de tecnologia só começará a divulgar resultados na semana que vem, mas a Intel deve anunciar seus números na quinta-feira. Entre os subsetores da tecnologia, as 13 companhias de semicondutores devem ter queda média de lucro trimestral da ordem de 28,4%, enquanto as quatro fabricantes de equipamento para produção de semicondutores devem ver queda de 50,7%, de acordo com à agência inglesa de notícias Reuters.

A Texas Instruments está entre as fabricantes de chips que lançaram alertas no quarto trimestre, assim como a Applied Materials. A Texas Instruments, que reduziu sua projeção de lucro em dezembro, mencionou provisões para custos de reestruturação como causa.

O setor de tecnologia do S&P 500 subiu 13,2%  em 2012, acompanhando os 13,4% da média do S&P 500 em geral, mas as ações de tecnologia vêm apresentando desempenho fraco desde setembro, de acordo com um indicador. O fundo de tecnologia SPDR ETF, da XLK, fechou o trimestre passado com perda de 6,1%, ante queda de apenas 1%  no S&P 500.

– O S&P 500 atingiu o pico na metade de setembro, recuou e já está de novo bem perto daquele pico de setembro. Em contraste, o fundo da XLK não está nem perto de recuperar seu valor de setembro – disse o co-fundador e vice-presidente de estratégia da miAnalysis, Chris Burba, de Nova York.

Windows 8 gera uma queda de 4,3% nas vendas de PCs, diz pesquisa

Os consumidores durante a temporada de compras de fim de ano evitaram os desktops Windows 8 e notebooks
Os consumidores durante a temporada de compras de fim de ano evitaram os desktops Windows 8 e notebooks

Os consumidores durante a temporada de compras de fim de ano evitaram os desktops Windows 8 e notebooks em favor de tablets e smartphones, gerando uma queda de 4,3%  nas vendas de PCs no quarto trimestre, disse a companhia de pesquisa Gartner nesta segunda-feira.

Mundialmente, as vendas de PCs caíram para 90,3 milhões de unidades nos últimos três meses de 2012, de acordo com a Gartner, indicando que o setor estava sofrendo com uma mudança nos hábitos de consumo assim como com uma economia global mais fraca.

“Os tablets mudaram drasticamente o cenário de dispositivos para PCs, não tanto por ‘canibalizar’ as vendas de PCs, mas por causar uma mudança no consumo de PCs para tablets ao invés da substituição dos antigos PCs”, disse o analista Mikako Kitagawa, do Gartner.

– Considerando que, uma vez, imaginamos um mundo em que os usuários individuais teriam um PC e um tablet como dispositivos pessoais, cada vez mais suspeitamos que a maioria das pessoas vai mudar sua atividade de consumo para um tablet pessoal e realizará suas atividades em um PC compartilhado.

A indústria esperava que a nova versão do Windows, da Microsoft, lançado em outubro, revitalizasse o setor, atingido pela concorrência de tablets e smartphones durante o ano passado.

Mas a Gartner disse que o novo sistema operacional não teve impacto significativo nas vendas do trimestre, em parte, porque os dispositivos Windows 8 carecem da emoção causada pela interface touch screen encontrada em tablets.

Pedidos de peças para iPhone 5 é reduzido por baixa demanda

A Apple reduziu os pedidos de telas LCD e outros componentes do iPhone 5
A Apple reduziu os pedidos de telas LCD e outros componentes do iPhone 5

A Apple reduziu os pedidos de telas LCD e outros componentes do iPhone 5 no atual trimestre, diante da baixa demanda, publicou o jornal japonês Nikkei nesta segunda-feira, em novo sinal de que a companhia norte-americana está perdendo terreno para rivais asiáticas nos smartphones.

A Apple pediu que Japan Display, Sharp e a sul-coreana LG Display reduzam para cerca de metade o fornecimento de telas LCD, ante plano inicial de cerca de 65 milhões de telas para o primeiro trimestre, afirmou o jornal, citando pessoas familiarizadas com a situação e acrescentando que a empresa norte-americana também reduziu os pedidos de outros componentes.

Caso confirmada, a medida comprovaria afirmações de analistas, segundo os quais as vendas do iPhone 5 lançado em setembro não vêm sendo tão fortes quanto se esperava. A Apple perdeu terreno no mercado mundial de smartphones, que movimenta US$200 bilhões ao ano, para a rival sul-coreana Samsung Electronics e concorrentes chinesas menores, como Huawei Technologies e ZTE.

A Samsung anunciou na semana passada que as vendas de seu principal modelo, o smartphone Galaxy S, haviam superado 100 milhões de unidades desde o lançamento do primeiro modelo da série, em maio de 2010. O Galaxy S3, lançado em maio de 2012, vendeu mais de 40 milhões de unidades em sete meses.

A expectativa geral é de que o Galaxy S IV seja lançado dentro de meses, e ele pode contar com tela inquebrável e de alta resolução, da ordem de 440 pixels por polegada, e com um processador mais poderoso.

A Samsung ultrapassou a Apple, ajudada em parte pela popularidade do Galaxy Note II, uma combinação de tablet e smartphone, o que reforça os benefícios de oferecer uma linha mais ampla de produtos em todas as faixas de preço, enquanto a Apple no ano passado lançou apenas um smartphone novo no mercado mundial, disseram analistas.

A expectativa é que a Samsung eleve suas vendas de smartphones em mais de um terço este ano e que amplie a vantagem sobre a Apple, de acordo com o grupo de pesquisa Strategy Analytics, que previu vendas de 290 milhões de unidades de smartphones Samsung em 2013, ante 180 milhões de iPhones.

O analista Kim Sung-in, da Kiwoon Securities, em Seul, estima que a Samsung embarque 320 milhões de celulares este ano e que dobre as vendas de tablets para 32 milhões de unidades.

 

Aparelhos celulares garantem lucro operacional de US$8,3 bilhões à Samsung

Samsung Eletronics registra lucro operacional de 8,3 bilhões de dólares no trimestre entre outubro e dezembro de 2012
Samsung Eletronics registra lucro operacional de 8,3 bilhões de dólares no trimestre entre outubro e dezembro de 2012

A Samsung Electronics, líder mundial em celulares e chips de memória, informou nesta terça-feira que teve lucro operacional de US$8,3 bilhões no último trimestre, tendo vendido 500 aparelhos por minuto e com a demanda em alta pelas telas que produz para dispositivos móveis, incluindo aqueles para produtos da rival Apple.

A sequência de cinco trimestres de lucro recorde pode terminar no período de janeiro a março, tradicionalmente de demanda mais fraca, ainda que a forte linha de smartphones da empresa principal fonte de ganhos do grupo sul-coreano e o aumento de preços de chips tenham reduzido temores de que o ciclo de crescimento do lucro poderia desacelerar neste ano.

Na semana passada, a ação da Samsung subiu para o maior patamar da história. O papel fechou em queda de 1,3 %  nesta terça-feira, enquanto o principal índice do mercado acionário de Seul recuou 0,7 %.

– Investidores estão um pouco preocupados de que a Samsung possa desacelerar no primeiro semestre. É improvável que o mercado de smartphones sustente o forte crescimento, com mercados desenvolvidos chegando perto da saturação e apesar da expansão em países emergentes – disse o gestor de recursos Kim Sung-soo, da LS Asset Management.

A Samsung superou a Apple sua maior rival e, ao mesmo tempo, principal cliente, mesmo com o lançamento do iPhone 5 pela empresa norte-americana. O ápice de vendas do Galaxy Note II, um celular quase tablet, ou “phablet“, ocorreu no quarto trimestre. As vendas do iPhone 5 ficaram um pouco abaixo das expectativas, segundo analistas.

Segundo a Samsung, seu lucro operacional para o período de outubro a dezembro saltou 89 %, para 8,8 trilhões de won, na comparação anual, levemente acima da previsão média de 8,7 trilhões de won, segundo 16 analistas consultados pela agência inglesa de notícias Reuters. Isso representa alta de 8,6 % sobre o recorde anterior, de 8,1 trilhões de won de julho a setembro.

Analista aponta sete tendências de redes sociais e smartphones

Potencial de redes sociais e smartphones ainda é ignorado por empresas e governos, diz analista
Potencial de redes sociais e smartphones ainda é ignorado por empresas e governos, diz analista

A combinação do uso de redes sociais e smartphones é a principal força motriz da próxima onda de mudanças digitais, mas os benefícios não são isentos de ônus, avalia o especialista Nic Newman, da Universidade de Oxford, que apontou sete grandes tendências do setor para 2013. Por um lado veremos avanços como o “celular carteira” e novas maneiras de acessar conteúdo online, com acessórios como o Google Glass e o Vuzix (ambos são equipamentos semelhantes a óculos, com acesso à internet e outros serviços).

Mas, na opinião do estrategista digital, também precisamos nos preparar para mais anúncios nos telefones, muita dor de cabeça e batalhas judiciais motivadas por invasão de privacidade e divulgação de dados pessoais e o surgimento de clínicas para viciados nessas tecnologias. O especialista diz que a maioria das empresas continua ignorando o potencial das redes sociais aliadas aos smartphones, correndo o risco de tornar seus produtos irrelevantes.

Instituições e governos também estão atrasados, na opinião do britânico, e um dos motivos seria a maior flexibilidade trazida pelas novas tecnologias, o que impacta os processos tradicionais de tomadas de decisões e de hierarquia.

Veja as sete grandes tendências apontadas por Newman:

O ‘celular carteira’

Cada vez mais aspectos da nossa vida poderão ser controlados a partir dos nossos celulares em 2013. Um a um, cartões de banco, de fidelidade, de transporte público e cartões de embarque de companhias aéreas estão sendo sugados de nossa carteira física e sendo integrados aos softwares de smartphones.

Por um lado trata-se de um aumento de conveniência, por outro, aumentam os riscos de perder ou ter seu telefone roubado. Devem crescer as maneiras de proteger suas senhas e dados pessoas, além das tecnologias para rastrear e até mesmo destruir seu smartphone à distância.

Anúncios no celular

Mais de 10% do tempo dos consumidores é gasto em seus smartphones, mas apenas 1% da propaganda é feita nesta plataforma atualmente. Esta diferença deve ser diminuída em 2013, mas o resultado deve ser incômodo para os usuários.

Anúncios invasivos em redes sociais e versões de sites para celulares, notificações de propagandas e ofertas baseadas na localização do usuário (sobretudo ligadas a compras) devem aumentar.

Podemos aguardar retaliação contra as invasões comerciais neste espaço pessoal, incluindo disputas sobre questões de privacidade e venda de dados pessoais, e ao menos uma rede social deve passar a oferecer um serviço premium sem anúncios ainda neste ano.

Spam de celebridades

As celebridades deverão se esforçar para criar canais de comunicação com os usuários de redes sociais. Cada vez mais famosos deverão fazer uso de perfis nessas mídias, envio de mensagens de texto e aplicativos em smartphones. Tudo para manter contato direto com seus fãs.

O ano de 2013 pode dar início a um novo fenômeno: os fãs serão assediados pelas celebridades, e não o contrário. Emissoras de TV, por exemplo, já estão treinando seus astros para mandarem mensagens de texto vestidas como os personagens de telenovelas e seriados antes, durante e depois dos programas.

‘Megafone global de fofocas’

A combinação das redes sociais e smartphones aumentou dramaticamente a velocidade com que tanto notícias como boatos podem ser difundidos ao redor do mundo.

Deveremos ver mais tentativas mal sucedidas de políticos e advogados para tentar domar a internet. Por outro lado, deve haver um senso comum de que as coisas ditas nas redes sociais não estão acima da lei.

Deve haver processos judiciais de figuras de destaque contra o Twitter e o Facebook e novos programas de educação de condutas em redes sociais nas escolas e empresas.

Notícias

Cerca de um terço de todo o tráfego online levando aos sites de notícias já se origina nos smartphones, e esta tendência está começando a mudar o tipo de notícias que consumimos e a velocidade com a qual elas são produzidas.

Live blogs estão ficando cada vez mais frequentes para notícias e eventos esportivos, mas os jovens, em particular, estão cada vez mais ignorando os sites tradicionais e obtendo suas notícias diretamente dos links em seus feeds do Twitter e do Facebook. Uma tendência a ser observada em 2013 é o crescimento de serviços sociais de vídeo como o ThisNewsNow, um serviço que tem um estilo informal, novo, e focado em vídeos virais curtos.

Clínicas para viciados digitais

Há cada vez mais viciados nos feeds de informações, fotos, vídeos, e links ao vivo proporcionados pelas redes sociais. Com isso, muitos estão perdendo as habilidades de manter uma conversa com outra pessoa ou de exercitar a capacidade de reflexão silenciosa.

Neste ano, os fabricantes de smartphones deverão encontrar mais e mais e maneiras  alarmes, alertas, vibrações e outros  para interromper a capacidade de concentração e raciocínio dos usuários.

Abre-se assim novas oportunidades para clínicas e espaços de retiros rurais para reavivar nas pessoas a arte de manter uma conversa sem interrupções, hesitações ou desvios de atenção.

Acessórios controlados por smartphones

Neste ano seu telefone vai passar a controlar também o que vestimos e enxergamos. O Google Glass e o Vuzix (que deve chegar às lojas em 2013) são essencialmente computadores portáteis que ampliam a realidade para um outro estágio.

Resultados de partidas de futebol serão enviados diretamente aos seus olhos, e o reconhecimento da fisionomia de usuários do Facebook e do LinkedIn podem providenciar uma biografia instantânea em uma festa, evitando constrangimentos ou abrindo oportunidades de negócios. Vestidos especiais poderão até projetar os últimos updates dos perfis de redes sociais em tempo real.

Fabricantes de celulares investem no ‘Ano do Phablet’

Os celulares grandalhões com tamanho mais próximo a um tablet do que a um smartphone de dois anos atrás-- chegaram para ficar
Os celulares grandalhões com tamanho mais próximo a um tablet do que a um smartphone de dois anos atrás– chegaram para ficar

O nome pode ser phablet, phonelet, tweener ou super smartphone, mas o fato é que os celulares grandalhões com tamanho mais próximo a um tablet do que a um smartphone de dois anos atrás chegaram para ficar. Sucesso surpreendente em 2012, esses aparelhos estão atraindo mais usuários e mais fabricantes de celulares, e determinando a maneira como consumimos conteúdo.

– Nossa expectativa é de que 2013 seja o ano do Phablet – disse Neil Mawston, diretor executivo da Strategy Analytics, uma consultoria internacional de comunicação móvel sediada no Reino Unido.

A Samsung Electronics criou o segmento com seu Galaxy Note, ainda que ele inicialmente tenha causado zombarias, e agora outras fabricantes estão na corrida para recuperar o atraso.

Na Consumer Electronics Show, que acontece esta semana em Las Vegas, as gigantes chinesas de telecomunicações ZTE e Huawei Technologies lançarão novos phablets.

A ZTE, que colaborou com o designer italiano Stefano Giovannoni para criar o phablet Nubia, deve lançar o Grand S, com tela de cinco polegadas, enquanto a Huawei lança o Ascent Mate, com uma enorme tela de 6,1 polegadas, apenas um pouco menor que o tablet Kindle Fire, da Amazon.

– Os usuários perceberam que um smartphone com tela de quase cinco polegadas não é assim tão desconfortável – disse Joshua Flood, analista sênior da ABI research, no Reino Unido.

O avanço no uso dos phablets pode ser associado a uma confluência de tendências. Os usuários preferem telas grandes porque estão consumindo mais conteúdo visual do que antes em seus aparelhos móveis e usando-os menos para chamadas de voz o ponto fraco dos phablets.

E, embora os tablets equipados apenas com acesso Wi-Fi estejam ganhando popularidade, o interesse dos consumidores por aparelhos que combinam o melhor dos smartphones e tablets para uso móvel também está em ascensão.

De acordo com o mais recente Ericsson Mobility Report, o tráfego mensal de dados de cada smartphone deve crescer em quatro vezes até 2018, para 1,9 mil megabytes. O resultado será um crescimento de 400 % no mercado de phablets, para US$135 bilhões em três anos, de acordo com o Barclays.

Os embarques de aparelhos com telas de cinco polegadas ou mais crescerão em 900 %, para 228 milhões de unidades, no período, embora as estatísticas variem pela dificuldade em determinar a separação dos segmentos de smartphones e phablets.

Vendas de tablets na Índia devem dobrar neste ano, diz estudo

 

tablets
A Samsung teve 23,9% do total de tablets vendido na Índia de julho a setembro de 2012, segundo a CyberMedia

As vendas de tablets na Índia devem ao menos dobrar para 6 milhões de unidades em 2013, com novos dispositivos atraindo  usuários corporativos e aparelhos baratos conquistando mais consumidores, previu a empresa de pesquisa CyberMedia.

As vendas devem ter atingido 3 milhões de unidades em 2012, contra 500 mil tablets no país em 2011, estimou a CyberMedia nesta sexta-feira, citando dados do trimestre encerrado em setembro, quando fabricantes, com liderança da Samsung Electronics, venderam 1,1 milhão de tablets.

A Índia é o segundo maior mercado mundial de telecomunicações, com cerca de 900 milhões de assinantes de telefonia móvel. Mas a penetração de computadores é baixa, com apenas cerca de 10% da população de 1,2 bilhão de pessoas com acesso à Internet.

A Samsung teve 23,9% do total de tablets vendido na Índia de julho a setembro de 2012, segundo a CyberMedia.

A fabricante local Micromax aparece em segundo, com market share de 15,3% no período.

A Apple, fabricante do iPad, aparece apenas na quinta posição, com 8,7% do mercado no trimestre.

O preço médio dos tablets vendidos na Índia no trimestre foi de cerca de 13.200 rupias, ou US$240, com 63,5% dos aparelhos com valor inferior a 10 mil rupias, informou a CyberMedia.

Em comparação, o iPad Mini mais barato é vendido na Índia por 21.900 rupias na varejista online Flipkart.com.

Samsung ampliará vantagem sobre Apple em 2013, prevê pesquisa

A Samsung Electronics deve ampliar a vantagem sobre a Apple nas vendas de smartphones neste ano
A Samsung Electronics deve ampliar a vantagem sobre a Apple nas vendas de smartphones neste ano

A Samsung Electronics deve ampliar a vantagem sobre a Apple nas vendas de smartphones neste ano, beneficiada por uma linha extensa de produtos, previu nesta sexta-feira o grupo de pesquisa Strategy Analytics. A Apple, retomando a ofensiva, pode lançar um iPhone Mini no ano que vem para atender à demanda de smartphones mais baratos, segundo a Strategy Analytics.

– Acreditamos que a Samsung ampliará ligeiramente a vantagem sobre a Apple neste ano devido à extensa linha de produtos – afirmou o diretor executivo da Strategy Analytics, Neil Mawston, em entrevista por e-mail à agência inglesa de notícias Reuters.

Os vendas mundiais de smartphones crescerão 27 %, para 875 milhões de unidades neste ano, bem abaixo dos 41 % em 2012 devido à desaceleração do crescimento em muitos mercados importantes, como América do Norte, China, economias asiáticas desenvolvidas e Europa Ocidental, segundo Mawston.

A projeção é de que a sul-coreana Samsung Electronics venda 290 milhões de smartphones neste ano, ante 215 milhões estimados para 2012, segundo o grupo de pesquisa.

As vendas de smartphones da Apple devem atingir 180 milhões de unidades neste ano, crescimento de 33 % ante 2012, ligeiramente inferior aos 35 %  que a Samsung cresceria neste ano.

Isso valerá à Samsung 33 % do mercado de smartphones em 2013, ante os 31 % estimados para 2012, enquanto a Apple terá 21 %, ante os 20 %  estimados para o ano passado.

A Apple a mais valiosa companhia de tecnologia do mundo e a Samsung Electronics a mais valiosa da Ásia concorrem ferozmente no mercado mundial de aparelhos móveis, embora a Samsung seja também fornecedora de componentes à Apple.

– A Samsung opera em mais segmentos que a Apple e isso deve permitir que capture mais volume que a Apple (desde que esta não lance um iPhone Mini neste ano) – afirmou Mawston.

Apple está testando novo iPhone e iOS 7, segundo site

A Apple começou a testar um novo iPhone e a nova versão do software iOS
A Apple começou a testar um novo iPhone e a nova versão do software iOS

A Apple começou a testar um novo iPhone e a nova versão do software iOS, informou o site de notícias The Next Web. Desenvolvedores encontraram, nos códigos de respectivos aplicativos, referências a um novo identificador de iPhone, o iPhone 6.1, rodando o sistema operacional iOS 7, noticiou o site.

O iPhone 5 usa os identificadores iPhone 5.1 e iPhone 5.2 e roda o sistema operacional iOS 6.

Esses logs mostram que os acessos vêm do centro da Apple em Cupertino e o que sugere que os engenheiros da companhia estão testando a compatibilidade em alguns dos aplicativos mais populares, disse o site.

– Apesar de as informações de OS e iPhone poderem ser falsos, o IP que remete ao centro da Apple em Cupertino nos faz acreditar que não se trata de uma dessas tentativas – afirmou o site.

A Apple lançou o iPhone 5 e estaria para lançar a próxima versão em meados deste ano.

Miniantena para celular e 3G chega ao Brasil este ano

celular
As antenas de celular poluem o horizonte

De nome estranho, as “femtocells“, pequenas antenas que servem para ampliar a cobertura de sinal de celular em ambientes fechados, devem se tornar conhecidas dos usuários brasileiros de telefonia móvel e 3G em 2013. Depois de anos sendo discutida, a utilização dos equipamentos pode se tornar realidade com a aprovação de um regulamento na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), atualmente em consulta pública.

Cada dispositivo é do tamanho de um roteador de internet wi-fi e se conecta à rede de telefonia móvel e 3G das operadoras por meio de um acesso de banda larga fixa já existente na casa ou no escritório. Com isso, passa a funcionar como uma miniantena, captando os sinais de dispositivos como smartphones e tablets que estejam naquele ambiente.

– O celular vai ‘conversar’ com a ‘femtocell‘, em vez de fazer isso com uma antena distante da operadora [as ERBs, Estações Rádio Base] – diz João Carlos Bruder, analista de telecomunicações da consultoria IDC.