COB abre votação para escolha do ‘Atleta da Torcida’

A festa organizada pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) premiará também os “Melhores Atletas do Ano” e fará uma homenagem especial aos medalhistas do Time Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016

Por Redação, com ACS – de Brasília:

A votação para definir o “Atleta da Torcida” de 2016 está aberta até o dia 29 de março. Cada pessoa pode votar uma vez em seu concorrente preferido pela enquete publicada na página facebook.com/timebrasil e no sitecob.org.br/pbo. O(a) vencedor(a) será homenageado(a) na cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro.

Para concorrer ao “Atleta da Torcida”, o COB selecionou atletas ou duplas que se destacaram durante a temporada de 2016
Para concorrer ao “Atleta da Torcida”, o COB selecionou atletas ou duplas que se destacaram durante a temporada de 2016

A festa organizada pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) premiará também os “Melhores Atletas do Ano”. E fará uma homenagem especial aos medalhistas do Time Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Em 2015, o Atleta da Torcida foi o nadador Thiago Pereira.

Para concorrer ao “Atleta da Torcida”, o COB selecionou atletas ou duplas que se destacaram durante a temporada de 2016. Concorrem ao prêmio os medalhistas olímpicos do Time Brasil. Alison e Bruno Schmidt (vôlei de praia), Arthur Nory (ginástica artística). Diego Hypólito (ginástica artística), Isaquias Queiroz (canoagem velocidade). Kahena Kunze e Martine Grael (vela), Poliana Okimoto (maratona aquática), Rafaela Silva (judô). Robson Conceição (boxe), Serginho (vôlei) e Thiago Braz (atletismo).

Já na categoria “Melhores Atletas do Ano” concorrem Martine Grael / Kahena Kunze (vela), Poliana Okimoto (maratona aquática) e Rafaela Silva (judô), no feminino; e Isaquias Queiroz (canoagem), Serginho (vôlei) e Thiago Braz (atletismo), no masculino.

Modalidade

A escolha dos melhores atletas em cada modalidade, assim como os dois que receberão o Troféu Melhor Atleta do Ano, foi realizada por um júri formado por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte.

Oscar do esporte brasileiro, o Prêmio Brasil Olímpico chega à sua 18ª edição prestando homenagens ainda em outras categorias: Melhor Técnico Individual e Coletivo; Troféu Adhemar Ferreira da Silva e Melhores Atletas nos Jogos Escolares da Juventude. Os medalhistas nos Jogos Olímpicos Rio 2016 também receberão homenagem especial.

Denúncia de corrupção

O comitê organizador dos Jogos Rio 2016 negou na semana passada que tenha sido beneficiado por compra de votos na eleição pelo direito de sediar a Olimpíada, depois que um jornal francês disse que um empresário brasileiro fez pagamentos ao filho de um então membro do Comitê Olímpico Internacional (COI) antes da votação.

De acordo com o Le Monde, uma empresa relacionada com o executivo Arthur César de Menezes Soares Filho fez um pagamento de US$ 1,5 milhão a Papa Massata Diack, filho do então presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf). Membro do COI Lamine Diack, três dias antes da votação de 2009 que definiu o Rio como sede dos Jogos Olímpicos.

– A vitória do Rio foi claríssima – disse à agência inglesa de notícias Reuters o diretor de Comunicação do Rio 2016, Mario Andrada, em resposta à acusação. “A investigação francesa diz respeito a seis membros do COI, e seis membros não mudariam nada no resultado. A eleição foi limpa”.

O Rio foi eleito sede dos Jogos Olímpicos em uma votação em que derrotou Chicago, Tóquio e Madri. Na votação final, contra a cidade espanhola, a candidatura carioca obteve um triunfo com margem folgada, 66 a 32 votos.

O Le Monde disse que Papa Massata Diack pagou quase US$ 300 mil ao alto membro do COI Frankie Fredericks. Que afirmou não ter feito nada de errado e disse que o dinheiro foi um pagamento por serviços para promover o esporte na África.

O COI anunciou nesta sexta-feira que sua comissão de ética abriu uma investigação sobre a acusação.

Republicanos aprovam projeto de lei de novo sistema de saúde

O Congresso espera aprovar o projeto de lei, que revogaria muito da Lei de Saúde Acessível de 2010, conhecida popularmente como Obamacare, dentro de algumas semanas

Por Redação, com Reuters – de Washington:

Os republicanos ultrapassaram nesta quinta-feira o primeiro obstáculo para uma reforma maciça do sistema de saúde dos Estados Unidos apoiada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, apesar de os democratas expressarem preocupação com o desconhecimento do custo do projeto de lei e de seu impacto no orçamento.

Deputado republicano Kevin Brady
Deputado republicano Kevin Brady

O comitê da Câmara dos Deputados responsável por tributação (“Ways and Means”) aprovou o projeto de lei na manhã desta quinta-feira. Depois de debater o esboço da legislação durante quase 18 horas.

O Comitê de Energia e Comércio da casa realizou sua própria maratona em uma sessão dois dias depois de a medida ser anunciada por líderes republicanos.

– Este é um passo histórico, um passo importante na anulação do Obamacare – disse o deputado republicano Kevin Brady, presidente do comitê “Ways and Means”. Referindo-se ao sistema de saúde do antecessor de Trump, Barack Obama. Depois de o comitê endossar a medida por um placar de 23 a 16.

O Congresso espera aprovar o projeto de lei, que revogaria muito da Lei de Saúde Acessível de 2010. Conhecida popularmente como Obamacare. Dentro de algumas semanas.

O projeto irá anular a obrigatoriedade de compra de planos para os cidadãos, reverter a maioria dos impostos do Obamacare. Adotar um sistema novo e menor de créditos fiscais baseado na idade. E não na renda, e reformar o Medicaid. O programa de saúde governamental voltado para os pobres.

O comitê, que está analisando as provisões do projeto de lei relativas a impostos. Não fez alterações ao texto, apesar das dezenas de tentativas dos democratas para lhe acrescentar emendas.

Defensores

Hospitais, médicos, planos de saúde e defensores dos pacientes apelaram ao Congresso depois que o esboço do projeto foi divulgado na segunda-feira. Pedindo que este reconsidere os cortes amplos e a forma como eles irão afetar o sistema de saúde. 

O projeto de lei é o primeiro teste legislativo de Trump. O caos que ele logo provocou ocorre depois da confusão criada por seu decreto presidencial proibindo a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana nos EUA, que mais tarde ele revisou.

Os parlamentares republicanos enfrentam a resistência de conservadores de suas próprias fileiras. Segundo os quais o projeto de lei, que criaria um sistema de créditos fiscais para induzir as pessoas a comprar planos de saúde no mercado. Não é radical o suficiente.

Equador diz que acordo com Odebrecht está próximo

Maior grupo de construção da América Latina, a Odebrecht admitiu em dezembro que pagou propina a autoridades de 12 países da região

Por Redação, com Reuters – do Quito:

O Equador está próximo de fechar um acordo com a empreiteira Odebrecht que permitirá ao país obter informações detalhadas sobre uma suposta rede de subornos e receber uma indenização, disse nesta quinta-feira um procurador equatoriano.

Até o momento não foram identificadas as autoridades equatorianas suspeitas de receberem pagamentos ilegais
Até o momento não foram identificadas as autoridades equatorianas suspeitas de receberem pagamentos ilegais

Maior grupo de construção da América Latina, a Odebrecht admitiu em dezembro que pagou propina a autoridades de 12 países da região. Em troca de obter contratos lucrativos, em um esquema revelado no âmbito da operação Lava Jato. No Equador, os subornos da empresa teriam alcançado US$ 33,5 milhões.

– O tema central, o penal, acho que está praticamente acordado. O que falta? Estão definindo o esquema sobre possíveis indenizações a serem pagas – disse o procurador Galo Chiriboga ao canal de TV Ecuavisa.

O procurador acrescentou que a empresa brasileira aceitou que o acordo seja público em sua maior parte. E concordou em entregar a Quito as mesmas informações repassadas a Brasil, Suíça e Estados Unidos sobre sua rede de propinas.

Até o momento não foram identificadas as autoridades equatorianas suspeitas de receberem pagamentos ilegais.

Irregularidades

O presidente do Equador, Rafael Correa, expulsou a Odebrecht em 2008 por irregularidades na construção de uma central hidrelétrica. Mas dois anos depois a empresa retornou ao país após fechar um acordo que incluiu o pagamento de uma indenização.

As autoridades locais analisam, como parte da investigação aberta pela Procuradoria em dezembro. Cerca de 30 contratos firmados pela Odebrecht com empresas públicas equatorianas.

Dentro da investigação a Procuradoria pediu que o Estado equatoriano fosse proibido de firmar novos contratos com a Odebrecht. O bloqueio de pagamentos de US$ 40 milhões à empreiteira e a apreensão de documentos e equipamentos nos escritórios da companhia no país.

O Equador trabalha no caso em parceria com Peru e Colômbia.

Gilmar Mendes sinaliza que chance é grande de Temer perder mandato

Presidente do TSE, Gilmar Mendes entrou com pedido de extinção do PT

“Evidente que o vice participa da campanha”, disse o ministro do STF, Gilmar Mendes. Nessa frase, Mendes admite a possibilidade de cassação da chapa Dilma-Temer

 

Por Redação – de Brasília

 

A eventual cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da chapa Dilma-Temer por abuso de poder econômico é cada vez mais provável. Além do voto do relator, ministro Herman Benjamin, possivelmente favorável à cassação, o presidente da Corte, ministro Gilmar Mendes, também sinaliza no mesmo sentido. Para colocar panos quentes, no entanto, Mendes admite ser possível que o presidente de facto, Michel Temer, sobreva com seus direitos políticos intactos. Tal fato o autorizaria a concorrer novamente em uma eleição indireta feita pelo Congresso, disse à agência inglesa Reuters o presidente do TSE, Gilmar Mendes.

Presidente do TSE, Gilmar Mendes entrou com pedido de extinção do PT
Presidente do TSE, Gilmar Mendes sinaliza que Temer terá seu mandato cassado

A avaliação do ministro é que o caixa 2 – hoje praticamente confirmado depois que executivos da empreiteira Odebrecht afirmaram ao Tribunal terem doado dezenas de milhões de reais em contabilidade paralela – beneficia a chapa como um todo.

– Evidente que o vice participa da campanha. Mas quem sustenta a chapa é o presidente, o cabeça de chapa – disse o ministro. Ele ressalta que o caso de abuso de poder econômico beneficia a chapa como um todo.

Elegibilidade

No caso, avaliou o ministro, a chapa como um todo seria cassada, mas a presidenta Dilma Rousseff — cassada após o golpe de Estado jurídico-midiático-parlamentar — poderia se tornar inelegível por ser considera responsável pela ação. Já seu vice na chapa, por ter uma responsabilidade menor, ainda manteria sua elegibilidade.

A mesma tese foi defendida pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) em entrevista à rede de televisão SBT na última segunda-feira.

— A única regra clara que se coloca é que o presidente Michel Temer pode ser, inclusive, candidato novamente. Não se sabe se uma eleição direta, não se sabe se uma eleição indireta — disse Eunício.

Eleição indireta

Mendes garante que a eleição direta nessas circunstâncias não existe. A legislação, diz, é clara: depois da metade do mandato a eleição precisa ser indireta. Na tese que circula também no PMDB, tendo maioria no Congresso, Temer facilmente se reelegeria presidente, caso seja inevitável que a chapa seja cassada.

A posição da defesa do presidente é pedir a separação das contas de Temer e Dilma. Ele alega que as contabilidades eram separadas e foram apresentadas prestações de contas individuais. O TSE, no entanto, tende a não aceitar. O próprio ministro relator, Herman Benjamin, já declarou não concordar com a separação.

Decisão final

Com os depoimentos dos executivos da Odebrecht confirmando as doações milionárias em caixa dois – em valores que, apenas em 2014, chegam a quase metade do valor oficial declarado – dificilmente o relator não concluirá pela existência de crime eleitoral. Para Gilmar Mendes, uma decisão de Herman Benjamin não deve sair antes do final do semestre.

— Dificilmente vai ser antes de junho e pode ter desdobramentos. Como ele abriu, pode ter pedidos de novos depoimentos por parte das partes, e provas e perícias. Há possibilidade de delay. Não é de se excluir que (o processo) dure até o ano que vem — disse o ministro. Ele ressaltou que pode também haver pedidos de vistas.

Fechamento de escolas rurais obriga alunos a passar mais tempo na estrada

Com idades entre 5 e 8 anos, filhos de agricultores viajam até cinco horas todos os dias para estudar. Falta de escolas expulsa famílias e beneficia o agronegócio, diz MST

Por Redação, com RBA – de São Paulo:

Todos os dias, crianças com idades entre 5 e 8 anos saem de casa às 4 e meia da manhã para chegar a tempo na aula, que começa às 7h. Se estiver chovendo, têm de caminhar dois quilômetros até o ônibus, que não consegue ir até elas por causa da lama no caminho. E quando o tempo está seco, elas ficam expostas a doenças respiratórias causadas pela poeira na estrada. Quem conta sobre essa rotina difícil, comum para crianças e adolescentes filhos de trabalhadores rurais da região de São Carlos – uma das mais importantes cidades do interior paulista, região considerada das mais prósperas do meio rural brasileiro – , é o professor Luiz Bezerra Neto, do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação no Campo (Gepec), ele conhece de perto essa realidade.

De 2002 para cá foram extintas mais de 30 mil escolas rurais, obrigando pais a mandar seus filhos para escolas distantes, em estradas perigosas e veículos mal conservados
De 2002 para cá foram extintas mais de 30 mil escolas rurais, obrigando pais a mandar seus filhos para escolas distantes, em estradas perigosas e veículos mal conservados

– E olha que nem estou me referindo à situação no Norte e Nordeste, onde tudo é sabidamente mais precário. Falo de casos que acompanhei no município onde trabalho, no interior do estado mais rico da federação, em que crianças ficam cinco horas dentro do transporte escolar, e apenas quatro em sala de aula. Em que condições vão chegar em casa? – Questiona. 

Outra dificuldade imposta aos pequenos alunos de São Carlos, como aponta o professor, é no retorno, após as 11h, quando a aula termina. Como nem todas estudam no mesmo lugar e são atendidas por um único ônibus, umas têm de esperar mais de uma hora pela chegada das outras, até que o grupo seja unido novamente e possa seguir a viagem de volta.

Se não houver problema com o ônibus – geralmente são velhos e mal conservados – todas chegam em casa bem mais tarde, cansadas e com lição para fazer. Sobra pouco tempo para o convívio com a família ou mesmo para brincar. Para quem sai da cama antes de o sol raiar, o sono não demora e mais um dia termina.

Gepec

Pelos dados do Gepec, de 2002 para cá foram fechadas mais de 30 mil escolas rurais no país, levando muito mais crianças em todo o país a viver essa dura realidade, marcada por viagens arriscadas em estradas e veículos mal conservados, sem a presença de um monitor para cuidar da segurança, especialmente das menores, durante o trajeto, sem alimentação adequada, com poucas horas de sono e o consequente cansaço. Fora os outros prejuízos. “Sem escola perto de casa, que foi fechada, a tendência é o aluno abandonar os estudos e ficar em desvantagem de oportunidades no campo ou na cidade”, diz Luiz Bezerra. 

Para ele, a preocupação de muitos governantes não é a criança, o estudante. “A escola não tem ido à criança. Tem sido o contrário. A criança é que tem ido à escola. Um governante que se preocupa com a educação da população deveria estar levando a escola até ela”, afirma.

Em geral, o argumento dos gestores para fechar escolas é sempre o mesmo: corte de despesas. E para não contratar professores e merendeiras, preferem fechar a escola e contratar transporte escolar. A opção é péssima para os trabalhadores e seus filhos também porque dificulta o controle social sobre o pagamento da despesa.

– Ao contrário da manutenção de uma escola, mais fácil de ser fiscalizada pela comunidade, o transporte é de difícil controle. A comunidade não tem acesso, por exemplo, à quilometragem percorrida pelos ônibus em busca dos alunos. Por isso muito governante – não todos – opta pela oferta desse serviço. Não temos como provar, mas sabemos que isso possibilita o desvio de verbas – aponta o professor da UFSCar.

Insegurança

No litoral sul da Bahia, no município de Prado, há sete assentamentos. A maioria das 538 famílias que se dedicam à agricultura de subsistência, tem filhos em idade escolar. No entanto, na região já foram fechadas seis escolas nos últimos anos. Para muitos pais, a única alternativa é mandar as crianças para o município vizinho de Alcobaça, mesmo contra a vontade.

O dirigente regional do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) Carlos Roberto da Silva, o Beto, conta que há inúmeros motivos de preocupação. “Os pais ficam trabalhando na roça e não sabem o que os filhos estão fazendo na outra cidade. Se tiver aula vaga, quem garante que eles não vão para a praia? Defendemos que cada assentamento tenha sua própria escola, até porque a lei garante que a criança estude perto de casa”, diz. 

Outro temor, conforme o dirigente do MST, é em relação à segurança das crianças no transporte escolar, sem a presença de um monitor. E lembra que os mais velhos, em idade de cursar o ensino médio, só podem estudar à noite, na cidade. “Muitos deixam de estudar porque chegam em casa à 1 hora da manhã e precisam levantar cedo.”

O MST defende uma escola por assentamento porque, além das necessidades pedagógicas comuns, há necessidades específicas de cada um deles. “Precisamos melhorar a qualidade da educação no campo, e não piorar, fechando as poucas escolas que temos e mandando as crianças estudar tão longe. O descaso é tão grande que até mesmo nas escolas que construímos com nossos próprios recursos faltam educadores. A prefeita não foi capaz de contratar educador”, diz o líder do movimento.

No início de fevereiro, os assentados se organizaram em comissão de pais e alunos para pressionar a prefeita de Prado, Mayra Brito (PP), a investir nas escolas em vez de fechá-las. Como a gestora não os recebeu, a comunidade ocupou a prefeitura para forçar o diálogo, que não ocorreu. Em vez disso, a prefeita obteve liminar na Justiça e a Polícia Militar fez a desocupação do local.  

Sucateamento

Quando não são fechadas, as escolas do campo são sucateadas, agravando a situação de falta de infraestrutura. Há unidades sem professores, merendeira, carteiras, materiais e muitas onde falta até água para beber – como acontece no sul da Bahia, por exemplo. E nas menores, com poucos alunos, é muito comum a chamada classe multisseriada. Nela, alunos de idades diferentes, em séries diferentes, assistem aula com o mesmo professor. 

O sistema até poderia funcionar, caso houvesse integração entre as crianças e investimento na formação docente e em recursos pedagógicos. O problema é que, ao dividir as quatro horas de aula entre as três ou quatro turmas, o tempo dedicado a cada uma delas é bem menor, em torno de duas horas diárias – a metade. Com isso, os alunos recebem menos conteúdo do que aqueles que frequentam turmas regulares.

– Os cursos de Pedagogia não contemplam a discussão teórica sobre como trabalhar com classe multisseriada, o que ensinar em determinados momentos, a metodologia mais adequada para que esses alunos tenham acesso integral ao currículo válido em todo o país para que quando forem prestar um vestibular, disputar uma vaga, tenham a mesma eficiência que os alunos que frequentaram escola com ensino de melhor qualidade – afirma Luiz Bezerra, da UFSCar.

Para ele, o combate à multisseriação não altera a situação, mas sim ao tempo reduzido de aula desses alunos, que aprendem muito menos conteúdo. Se isso for corrigido, acredita, melhora o nível de aprendizagem e aumentam as chances desses estudantes.

Expulsão do campo

Sintoma do desprezo histórico dos governantes pela educação pública destinada aos filhos da classe trabalhadora, seja do campo ou da cidade, onde muitas classes têm sido extintas, o  fechamento de escolas do campo é outra face da perversidade dos conflitos agrários. “Sabemos que as prefeituras são pressionadas pelos ruralistas. Então, fechar a escola é mais uma estratégia que impulsiona o êxodo rural”, diz o dirigente do MST Carlos Roberto da Silva, o Beto.

O professor da UFSCar concorda: Fechar escolas rurais significa expulsar as famílias de suas terras. Ou assentamentos para outras áreas na medida que buscam dar educação aos seus filhos. “Porque se quiserem mantê-lo na escola. Vão ter de buscar outro lugar para morar. Dependendo da região, as escolas ficam distantes 10, 15, 20 quilômetros daquela que foi fechada”. Lembra o professor da UFSCar.  

Assim, segundo ele, o agronegócio fragiliza também os assentamentos e desestimula a luta pela reforma agrária. Afinal, sem escola, as chances de sucesso são menores do que quando se abre uma escola para os assentados e seus filhos. “Muitas vezes, para sair de uma ponta do assentamento para ir à outra, onde fica a escola. O aluno acaba levando horas. Isso dificulta a permanência da criança na escola e da família ali.”

Em meio a enormes desafios,  só resta a luta. “Ir às ruas, denunciar a situação e arregimentar aliados”, diz Bezerra. Para o professor, a saída é a união contra o latifúndio. Todas as formas de opressão impostas pelo poder econômico.

– Em suma, fazer o que o movimento vem fazendo, ocupar terras e escolas e, forjar novas formas de enfrentamento. Este enfrentamento tem que ocorrer também nas universidades, nas escolas, nos sindicatos. Sobretudo através das lutas dos movimentos sociais. Não podemos, de forma nenhuma, dar trégua nesta luta. A escola no campo pode ser um bom espaço de discussão desta realidade.

Militares apreendem armas brancas e celulares em 10 presídios

Os artefatos foram encontrados em 10 presídios de cinco Estados que pediram ao Ministério da Defesa o apoio das Forças Armadas: Amazonas, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Em 46 dias, militares da Marinha, da Aeronáutica e do Exército que integram as equipes autorizadas a vistoriar os presídios brasileiros em busca de itens ilícitos apreenderam mais de 2 mil armas brancas e 271 celulares.

Três estabelecimentos prisionais inspecionados foram, recentemente, palco de rebeliões e assassinatos de detentos
Três estabelecimentos prisionais inspecionados foram, recentemente, palco de rebeliões e assassinatos de detentos

Os artefatos foram encontrados em 10 presídios de cinco Estados que pediram ao Ministério da Defesa o apoio das Forças Armadas. Amazonas, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul.

As ações da primeira etapa da Operação Varredura ocorreram entre 17 de janeiro e 3 de março, em articulação com o Ministério da Justiça e Segurança Pública e com os órgãos de segurança dos governos estaduais.

Também foram encontrados acessórios (160) e baterias (29) para celular; tabletes de entorpecentes (18); trouxinhas de drogas (45), recipientes com bebidas alcoólicas (seis), substâncias suspeitas (185) e itens de posse proibida, como dinheiro ou eletrodomésticos (3.038).

Rebeliões

Três estabelecimentos prisionais inspecionados foram, recentemente, palco de rebeliões e assassinatos de detentos. A Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, região metropolitana de Natal. A Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, zona rural de Boa Vista; e o Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus.

As outras unidades carcerárias vistoriadas foram a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa (AM). Penitenciária Estadual de Parnamirim (RN), Penitenciária Agrícola de Mossoró (RN). Cadeia Pública de Mossoró (RN), Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho (MS). Cadeia Pública de Natal (RN). E a Casa de Detenção José Mário Alves da Silva/Urso Branco (RO).

Segundo o Ministério da Defesa, cerca de 4 mil homens da Marinha e do Exército participaram das 10 primeiras operações. Foram usados equipamentos modernos como detectores por raio X e de metais, que foram empregados em grandes eventos, como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

Cabral e outros presos ligados à Lava Jato serão transferidos de Bangu

O antigo batalhão especial da PM está passando por uma reforma para receber a Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

Presos do Rio de Janeiro ligados à Operação Lava Jato, como o ex-governador Sérgio Cabral, vão ser transferidos para o antigo Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar (PM), no bairro de Benfica. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, a transferência deve ocorrer até o fim desse mês. Cabral está preso no presídio de Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, no Rio

O ex-governador Sérgio Cabral
O ex-governador Sérgio Cabral

O antigo batalhão especial da PM está passando por uma reforma para receber a Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira. Com capacidade para abrigar 120 detentos de nível superior. Presos federais ligados à Lava Jato e pessoas detidas pelo não pagamento de pensão alimentícia serão os transferidos. O novo presídio terá 216 vagas no total e vai abrir 154 vagas no Complexo de Gericinó.

A nova unidade em que ficará Cabral será anexa à cadeia pública, que é a porta do sistema prisional para presos comuns e federais. Também preso em operações derivadas da Lava Jato. O empresário Eike Batista vai continuar preso em Bangu, uma vez que não tem nível superior.

Corrupção

Sérgio Cabral virou réu pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção passiva. A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) foi aceita, na quarta-feira, pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Também viraram réus Wilson Carlos Carvalho, Carlos Emanuel Miranda, Sérgio Castro de Oliveira. Vinícius Claret Barreto, Claudio Fernando Barbosa de Souza, Timothy Scorah Lynn, Renato Hasson Chebar e Marcelo Hasson Chebar.

O MPF havia denunciado Cabral por 25 crimes de evasão de divisas, 30 crimes de lavagem de dinheiro e nove crimes de corrupção passiva. A denúncia é resultado da Operação Eficiência e Hic et Ubique. Realizadas no âmbito das investigações da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Esta é a sexta denúncia feita pelo MPF contra o ex-governador. Ele já virou réu em cinco processos na Justiça Federal.

Cabral está preso desde 17 de novembro do ano passado no Complexo Prisional de Bangu. Ele foi preso no âmbito da Operação Calicute. Que investigou o desvio de recursos públicos federais em obras feitas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro. Segundo as investigações, o ex-governador chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras. Lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais.

O MPF informou que, após a celebração de acordos de colaboração premiada. Foi possível revelar como Sérgio Cabral e sua organização criminosa ocultaram e lavaram dinheiro. Segundo o órgão, R$ 39 milhões foram movimentados e guardados no Brasil. US$ 100 milhões depositados em dinheiro em contas no exterior; 1,2 milhão de euros e US$ 1 milhão ocultados sob a forma de diamantes, guardados em cofre no exterior. E US$ 247, 9 mil ocultados sob a forma de 4,5 quilos de ouro, guardados em cofre no exterior. O total ocultado fora do Brasil corresponde a R$ 318,55 milhões.

Segundo o MPF, US$ 85.38 milhões foram repatriados, provenientes das contas Winchester Development SA, Prosperity Fund SPC Obo Globum, Andrews Development SA, Bendigo Enterprises Limited e Fundo FreeFly, que estavam em nome dos colaboradores. Os recursos encontram-se depositados em conta judicial.

Xabi Alonso anuncia que irá se aposentar

Xabi Alonso conquistou ainda mais troféus pelo Real Madrid após ser contratado em 2009, incluindo outra Liga dos Campeões e títulos nacionais

Por Redação, com Reuters – de Berlim/ Barcelona:

O meio-campista Xabi Alonso, do Bayern de Munique, anunciou nesta quinta-feira que irá se aposentar no fim da temporada, encerrando uma carreira recheada de troféus que inclui os maiores títulos de clubes e a conquista de uma Copa do Mundo pela seleção da Espanha.

Jogador espanhol Xabi Alonso
Jogador espanhol Xabi Alonso

– Não foi uma decisão fácil – disse o jogador de 35 anos, que também passou por Liverpool e Real Madrid, ao canal de televisão do Bayern. “Mas era o momento certo. Sempre quis encerrar a minha carreira antes que fosse tarde demais. Eu ainda me sinto bem, então acredito que é o momento certo”.

O jogador espanhol começou sua carreira no clube basco Real Sociedad, de onde saiu para o Liverpool em 2004. Ele se estabeleceu como um dos ídolos do time após marcar o gol de empate por 3 a 3 com o Milan na final da Liga dos Campeões de 2005. Vencida pelo Liverpool posteriormente nos pênaltis.

Xabi Alonso conquistou ainda mais troféus pelo Real Madrid após ser contratado em 2009. Incluindo outra Liga dos Campeões e títulos nacionais.

Conhecido pela qualidade no passe e chute forte, assim como por seu bom comportamento dentro e fora de campo. Xabi Alonso se destacou como um dos meio-campistas mais versáteis de sua geração. Também conquistou uma Copa do Mundo e duas Eurocopas pela seleção da Espanha.

Neymar

O atacante Neymar, destaque do Barcelona nesta quarta-feira com um golaço de falta e o passe para o gol da classificação. Comemorou a vaga nas quartas de final da Liga dos Campeões depois de um desempenho que ele descreveu como o melhor da sua vida.

A equipe catalã fez 6 a 1 no Paris Saint Germain para virar o confronto após perder o jogo de ida por 4 a 0 na França.

– Esta é a melhor partida que eu joguei na minha vida. Nunca vou esquecer. Fiquei uma semana ansioso, louco para jogar. Parece que não chegava nunca, mas no fim o dia chegou e foi maravilhoso – afirmou Neymar à televisão após o jogo.

O Barcelona tornou-se a primeira equipe na história a reverter uma desvantagem de quatro gols na Liga dos Campeões.

– Se há uma equipe que poderia reverter este resultado é o Barcelona. A gente acreditava que poderia reverter – disse o atacante brasileiro.

– A verdade é que, após o 4 a 0 em Paris, passamos alguns dias muito difíceis. Mas, depois, fomos nos animando e com os bons resultados conseguidos na liga voltamos a ser o que éramos – completou.

Neymar marcou o quarto gol para sua equipe aos 42 minutos do segundo tempo em uma cobrança de falta magnífica. Ele fez de pênalti 5 a 1 aos 45. Ele também deu o passe que resultou no gol de Sergi Roberto nos acréscimos.

– Sabíamos que ia ser muito difícil, mas os meus colegas e eu estávamos convencidos de que era possível conseguir este resultado. O Barça é capaz de tudo – disse ele.

Venda de termômetro com mercúrio será proibida

A proposta faz parte do compromisso do Brasil de banir produtos com mercúrio até 2020. Os aparelhos possuem em suas estruturas uma coluna transparente, contendo mercúrio no interior

Por Redação, com ACS – de Brasília:

partir de 2019, a comercialização de termômetros e aparelhos de medir pressão que utilizam mercúrio estará proibida no País. A decisão tem como base resolução aprovada, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Medida aprovada pela Anvisa faz parte do compromisso do Brasil de banir produtos com a substância até 2020
Medida aprovada pela Anvisa faz parte do compromisso do Brasil de banir produtos com a substância até 2020

A proposta faz parte do compromisso do Brasil de banir produtos com mercúrio até 2020. Os aparelhos possuem em suas estruturas uma coluna transparente. Contendo mercúrio no interior, com o objetivo de aferir valores de temperatura corporal (no caso do termômetro). E pressão arterial (no caso do esfigmomanômetro).

Em junho de 2016, a Anvisa abriu consulta pública sobre o tema. Na ocasião, a agência destacou o compromisso firmado com a Convenção de Minamata. Onde 140 países, incluído o Brasil, comprometeram-se com o controle do uso e redução de emissões e liberações do mercúrio para a natureza.

De acordo com a Anvisa, já existem no mercado termômetros e medidores de pressão digitais, alternativos aos com a coluna de mercúrio.

Instituto do Paraná

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) ficará responsável pela transferência de tecnologia de quatro medicamentos biológicos. Utilizados no tratamento de câncer, artrite e doenças autoimunes.

O anúncio das parcerias foi feito, na segunda-feira, pelo ministro Ricardo Barros durante inauguração de novo espaço do Tecpar em Curitiba. Além do laboratório paranaense, outras duas instituições públicas. Biomanguinhos e Butantan, foram eleitas para o desenvolvimento da plataforma de biológicos.

A nova distribuição das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP). Que preveem transferência de tecnologia entre laboratórios públicos e privados. Foi lançada no ano passado pelo Ministério da Saúde com objetivo de tornar mais eficiente o projeto.

Ao todo, são oito áreas priorizadas: síntese química, hemoderivados, fitoterápicos, doenças raras. Doenças negligenciadas, produtos para a saúde e medicina nuclear. Além de biológicos. A escolha de três laboratórios. Para concentrar as plataformas de biológicos levou em conta a expertise no tema. A existência de iniciativas promissoras no desenvolvimento de tecnologia monoclonal, a tecnologia mais avançada da indústria farmacêutica.

Laboratórios

– Esses laboratórios vão produzir esses medicamentos e vender de imediato para o governo com 30% de desconto. Por isso, é muito importante para o Brasil o processo de parceria para o desenvolvimento produtivo. Porque nos dá economia imediata e perspectiva de ter tecnologia produzida no país para esses e para novos medicamentos que estão sendo desenvolvidos – destacou o ministro.

Com a nova distribuição, o Tecpar vai atender à parte da demanda do Ministério da Saúde pelos medicamentos biológicos. A expectativa é que haja um investimento privado de mais de R$ 6 bilhões para o incentivo à produção dos medicamentos biológicos. Construção de pelo menos três novas fábricas, geração de empregos qualificados. E do envolvimento de cerca de 450 doutores especializados em pesquisas para auxiliar o desenvolvimento de medicamentos e produtos para a saúde.

O presidente do instituto, Júlio Félix, ressaltou a importância do incentivo do Ministério da Saúde para os laboratórios públicos. “É o início de um processo. Esse incentivo aos laboratórios públicos produtores de medicamentos amplia a participação nacional de forma a economizar para a população brasileira”, finalizou.

Os quatro produtos (Bevacizumabe, Etanercept, Infliximabe e Trastuzumabe). Que serão desenvolvidos pela Tecpar por meio de acordos com empresas privadas são estratégicos para o SUS. Atualmente importados. Com as parcerias, o País passa a ter tecnologia para fabricação nacional, reduzindo o custo para a saúde pública. Já no primeiro ano, o valor cai 30%.

Investimento

Durante o evento, o ministro Ricardo Barros assinou a compra de 30 milhões de doses da vacina antirrábica produzida pelo Tecpar. Ao todo, serão destinados ao laboratório R$ 38,4 milhões.

O Tecpar é fornecedor da vacina antirrábica ao ministério há mais de 40 anos. Frequentemente vem atualizando o seu processo produtivo, alcançando novos patamares de qualidade. Nivelando-se aos produtores mundiais. O método utilizado pelo laboratório é o do cultivo celular e o processo de perfusão, capaz de induzir maior produção de anticorpos. Desta forma, não provocar efeitos colaterais.

Angela Merkel faz apelo por unidade europeia

Antes de reunião com líderes do bloco, chanceler federal afirma que Alemanha só vai prosperar se Europa também for bem. Sobre Erdogan, ela diz que comparações com o nazismo precisam parar

Por Redação, com DW – de Berlim:

Em pronunciamento no Parlamento alemão nesta quinta-feira, a chanceler federal Angela Merkel relembrou, pouco antes da conferência dos líderes da União Europeia, a história de sucesso do bloco europeu e alertou que o Brexit – a saída do Reino Unido da UE após decisão em referendo – deve servir como alerta.

A chanceler federal Angela Merkel
A chanceler federal Angela Merkel

Ela mencionou também a questão da imigração e o recente acirramento das tensões diplomáticas entre seu país e a Turquia. Aliado-chave na contenção do fluxo de refugiados em direção à Europa..

Merkel disse que a reunião em Bruxelas deveria tratar de temas econômicos. Mas, citando como exemplo a crise dos refugiados e o Brexit. Assegurou que outros temas também serão discutidos.

Ao mencionar a atual relutância de alguns países do Leste Europeu em ceder liberdades nacionais em nome do projeto da UE. Merkel disse que a União pode progredir sem os Estados-membros. A Alemanha, afirmou, pode prosperar “apenas se a Europa estiver bem”.

Merkel fez elogios ao Tratado de Livre Comércio e Investimentos entre a UE e o Canadá (Ceta, na sigla em inglês). E pediu que a Europa evite isolar-se do resto do mundo. Numa referência indireta à postura adotada pelo presidente americano, Donald Trump. A chanceler deixou claro que a UE se defenderá contra medidas injustas de protecionismo.

Merkel avaliou de modo critico a atual política europeia para os refugiados: “Não há dúvida que fizemos progressos, mas o sistema de concessão de refúgio da UE precisa ser reformado.”

Tensões com a Turquia

A chanceler mencionou as polêmicas declarações feitas recentemente pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Em meio ao acirramento das tensões diplomáticas entre seu país e Berlim, ele acusou a Alemanha de adotar “práticas nazistas” após o cancelamento de eventos políticos turcos em várias cidades alemãs sobre o referendo da reforma constitucional proposta por Ancara, que visa estabelecer o regime presidencialista na Turquia, ampliando os poderes do presidente.

Merkel afirmou que tais declarações são tão fora de propósito que é difícil comentá-las. Os comentários de Erdogan “não podem ser justificados”, afirmou. “As comparações com o nazismo geram apenas sofrimento. Isso precisa parar.”

Ela ainda fez críticas às restrições à liberdade de imprensa na Turquia, acrescentando que a Alemanha fará todo o possível pela libertação do jornalista teuto-turco Deniz Yücel, correspondente do jornal alemão Die Welt preso em Istambul, acusado por Erdogan de ser agente da Alemanha e membro do banido Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

A chanceler ressaltou que não é do interesse da Alemanha romper relações com a Turquia, mas acrescentou que seu país deve manter seus valores essenciais, da maneira que achar apropriado. Ela expressou o desejo de assegurar as liberdades da comunidade turca no país, que vive tensões internas entre os apoiadores do PKK e da extrema direta.

Os turcos, disse Merkel, são parte do país e contribuem para a prosperidade da Alemanha..