Cristãos do Iraque lutam pela libertação de Mossul

Desde o início da operação de Mossul, cerca de dois mil cristãos fugiram de vilas e povoados situados a leste e a norte de Mossul para evitar os confrontos com o grupo terrorista Daesh

Por Redação, com Sputnik – de Bagdá:

A população cristã da cidade de Mossul no Iraque está participando de maneira ativa na operação que visa libertar a cidade, combatendo junto às forças do governo iraquiano e unidades peshmerga. Foram criados destacamentos especiais de voluntários cristãos.

A população cristã da cidade de Mossul no Iraque está participando de maneira ativa na operação que visa libertar a cidade
A população cristã da cidade de Mossul no Iraque está participando de maneira ativa na operação que visa libertar a cidade

Desde o início da operação de Mossul, cerca de dois mil cristãos fugiram de vilas e povoados situados a leste e a norte de Mossul para evitar os confrontos com o grupo terrorista Daesh .

O correspondente da agência russa de notícias Sputnik falou com um dos representantes da comunidade cristã de Mossul. Baha Erzan Asu, que contou como o Daesh tem tratado a população cristã na cidade ao longo dos últimos dois anos.

Segundo os relatos dele, os cristãos que residiam no território do Iraque e do governo regional do Curdistão Iraquiano passaram por grandes sofrimentos por parte dos assassinos do Daesh.

– Os terroristas torturavam, prendiam e até os queimavam vivos em igrejas – descreve Asu. Ele contou que em outubro de 2014. Os jihadistas destruíram com minas um grande número de igrejas nos povoados de Bartilla e Hamdaniye, a leste de Mossul. Onde a maior parte dos residentes era cristã.

– Por causa do Daesh dezenas de milhares de cristãos fugiram de Mossul e seus arredores para Bagdá e Erbil – explica Asu.

De acordo com ele, o Daesh começou seguindo o exemplo de Saddam Hussein. Antes realizava uma política de discriminação e pressão contra os cristãos no Iraque. Como resultado, dezenas de milhares de cristãos fugiram para a região curda e para Bagdá. Enquanto outros emigraram para os EUA, Canadá, Alemanha e França.

Asu revela que antes no território do Iraque viviam 3 milhões de cristãos. Mas depois de começarem sendo detidos por Saddam Hussein. Os processos migratórios aceleraram, e posteriormente foi o Daesh quem praticou uma perseguição cruel em relação aos cristãos.

Asu descreve em detalhe todas as crueldades do Daesh que os terroristas usaram contra os cristãos. Aqueles que tentavam se opor às ordens dos jihadistas tinham suas casas queimadas, as meninas e mulheres eram estupradas…

– Muitos representantes da comunidade cristã não aguentavam e morriam durante as torturas em prisões do Daesh. Neste momento centenas de cristãos se encontram encarcerados – conta Asu. Apesar disso, Asu manifesta esperança de que no tempo mais próximo Mossul seja libertado dos terroristas.

Militantes de Daesh

Os militantes do grupo terrorista Daesh estão deslocando a população do município de al-Sad, ao norte de Mossul iraquiana. Transportando as pessoas para o lado da cidade. Informa a agência de notícias Shafaq, citando uma fonte das forças de segurança.

A agência assinala que os militantes transportam as pessoas “para se oporem ao exército, que se move na direção do município”.

No início de novembro, o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (EACDH). Informou que os militantes raptaram 295 ex-membros de forças de segurança iraquiana. Forçaram a deslocação de 1,5 mil famílias da cidade de Hammam al-Alil para Mossul.

A porta-voz do EACDH, Ravina Shamdasani, declarou na altura.  “As pessoas que foram transferidas pela força ou raptadas estão sendo aparentemente usadas como ‘escudos humanos’. Ou, dependendo das suas simpatias, são mortos pelos militantes”.

A operação para libertação de Mossul, no norte do Iraque, dos terroristas de Daesh que tomaram a cidade em 2014. Está em curso desde 17 de outubro. Nesta operação tomam parte forças iraquianas, milícias locais, forças curdas peshmerga. Bem como as forças aéreas da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.