Atiradores e morteiros do EI atingem forças do Iraque em Mossul

A luta vem cobrando seu preço em mortos e feridos dos soldados, das forças especiais e das unidades policiais do Iraque

Por Redação, com Reuters – de Mossul:

Em um hospital de campanha perto da linha de frente da cidade de Mossul, um policial federal do Iraque jaz desconfortável em uma maca, com soro em um braço e curativos no peito devido aos estilhaços de um morteiro que perfuraram seu esterno.

Policiais iraquianos em quarto onde dizem que atirador do Estado Islâmico estava escondido em Mosul
Policiais iraquianos em quarto onde dizem que atirador do Estado Islâmico estava escondido em Mosul

A explosão que feriu Jaafar Kareem, de 23 anos, e dois colegas. Aconteceu em uma área onde avanços rápidos contra o Estado Islâmico realizados no começo desta semana. Desaceleraram devido aos disparos de morteiros e à ação de atiradores de elite contras os soldados iraquianos.

Ao menos 10 projéteis caíram no local naquela manhã antes de atingirem seu alvo, segundo Kareem.

– Muitos caras ficaram feridos na mesma área hoje – disse, virando a cabeça cuidadosamente para ver um militar em uma maca próxima ser tratado de um ferimento na perna.

Na quinta-feira a clínica improvisada em uma casa abandonada. Administrada por voluntários norte-americanos e médicos militares do Iraque. Tratou vários membros das forças de segurança nacional levados às pressas da linha de batalha em ambulâncias ou veículos blindados.

– Já recebemos cerca de 20 pessoas para tratamento (na quinta-feira). Cerca de 70% civis. Mas até hoje tem havido mais (baixas) militares – disse Kathy Bequary, diretora do NYC Medics, a organização a cargo da clínica.

As baixas que sua equipe vêm testemunhando ultimamente vão de ferimentos superficiais a pacientes mortos ao chegar. Inclusive um soldado com oito buracos de bala no torso, disse.

À medida que as forças iraquianas se embrenham mais a oeste de Mossul para combater militantes do Estado Islâmico. Mais resistência encontram, já que os jihadistas estão recorrendo a morteiros e franco-atiradores. Para tentar conter a ofensiva apoiada pelos Estados Unidos, que tenta expulsá-los de seu último grande bastião no país.

Luta

A luta vem cobrando seu preço em mortos e feridos dos soldados, das forças especiais e das unidades policiais do Iraque. Os militares não divulgaram o número de suas próprias baixas.

As táticas do Estado Islâmico, que incluem se abrigar entre a população civil. Também têm freado o progresso em certas áreas à medida que os combates se aproximam do centro mais povoado da cidade.

A área onde Kareem e seus colegas foram atingidos não fica a mais do que algumas centenas de metros da linha de frente, onde as forças iraquianas de fato ganharam terreno. Uma rua ampla e importante que leva ao edifício do governorado estava sob controle da Polícia Federal na quinta-feira, disse um correspondente da Reuters que visitava uma unidade de elite do Ministério do Interior.

Forças do Iraque apoiadas pelos EUA lançam ofensiva em Mossul

As forças iraquianas capturaram o lado leste de Mossul em janeiro após 100 dias de combate e lançaram seu ataque aos distritos que estão a oeste do rio Tigris em 19 de fevereiro

Por Redação, com Reuters – de Bagdá:

Forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos lançaram neste domingo uma nova ofensiva em direção ao centro histórico da cidade de Mossul, controlado pelo Estado Islâmico, na margem oeste do rio Tigris, disse um porta-voz do exército iraquiano.

Forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos lançaram neste domingo uma nova ofensiva em direção ao centro histórico da cidade de Mossul
Forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos lançaram neste domingo uma nova ofensiva em direção ao centro histórico da cidade de Mossul

As forças iraquianas estão lutando para abrir caminho em direção ao centro da cidade, avançando pelo sul e sudoeste. Disse o General de Brigada Yahya Rasool, porta-voz do comando de operações conjuntas, à televisão estatal.

As forças iraquianas capturaram o lado leste de Mossul em janeiro após 100 dias de combate e lançaram seu ataque aos distritos que estão a oeste do rio Tigris em 19 de fevereiro.

Seu avanço no lado oeste de Mossul foi interrompido nas últimas 48 horas devido ao mau tempo.

Ataques no Iraque e Síria

Vinte e um civis foram mortos em nove ataques separados da coalizão liderada pelos Estados Unidos. Lutando contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Entre novembro e janeiro, informaram os militares norte-americanos no sábado.

Isso elevou o total de civis involuntariamente mortos pela coalizão desde o início das operações contra o grupo militante, em 2014, para 220. Afirmam as Forças Armadas em um comunicado.

– Apesar de a coalizão esforçar-se para acertar alvos militares de uma maneira que minimize o risco de vítimas civis. Em alguns incidentes, essas mortes são inevitáveis – afirma o comunicado.

A estimativa do Exército é muito menor que a de grupos de monitoramento.

Para o grupo Airwars, pelo menos 2.463 civis foram mortos por ataques aéreos da coalizão.

Até 28 de fevereiro. A coalizão havia realizado 18.666 ataques no Iraque a na Síria desde o início da operação, segundo dados militares dos EUA. 

 

Forças do Iraque tomam aeroporto durante combates com EI em Mosul

As forças iraquianas atacaram o aeroporto e trocaram tiros com os combatentes do Estado Islâmico, que usaram carros-bomba para tentar obstruir seu progresso

Por Redação, com Reuters – de Mossul:

Forças de segurança do Iraque apoiadas pelos Estados Unidos assumiram o controle do aeroporto de Mossul nesta quinta-feira, horas depois de lançarem uma grande ofensiva contra o Estado Islâmico, que controla a metade oeste da cidade, disse a TV estatal.

– As Forças de Resposta Rápida e a polícia federal têm o controle integral do aeroporto de Mossul – disse a emissora estatal.

Veículo militar iraquiano durante operação em Mossul
Veículo militar iraquiano durante operação em Mossul

As forças iraquianas atacaram o aeroporto e trocaram tiros com os combatentes do Estado Islâmico. Eles usaram carros-bomba para tentar obstruir seu progresso. De acordo com um correspondente da agência inglesa de notícias Reuters localizado ao sul do aeroporto de Mossul.

Fontes relataram que os militantes utilizaram drones (aeronaves não-tripuladas). Repletos de bombas para atacar as Forças de Contraterrorismo do Iraque que avançavam do sudoeste da cidade.

– Estamos atacando o Daesh (Estado Islâmico) de frentes múltiplas para distraí-los e evitar que se reagrupem. É a melhor maneira de acabar com eles rapidamente – afirmou o capitão da polícia federal Amir Abdul Kareem. Cujas unidades estão lutando perto da base militar de Ghozlani.

Depois de expulsar o grupo militante do leste de Mossul no mês passado, as forças iraquianas vinham tentando capturar o aeroporto.

Campanha

A campanha envolve uma força de 100 mil soldados iraquianos, combatentes curdos e milícias xiitas. Fez avanços rápidos desde o início do ano, auxiliada por novas táticas e uma coordenação melhor.

Perder Mossul pode significar o fim da porção iraquiana do califado autodeclarado dos militantes no Iraque e na Síria. O líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, declarou na cidade depois de arrasar vastas áreas do Iraque em 2014.

Governo libera mil soldados das Forças Armadas para atuar em presídios

As forças estarão prontas para entrar em ação no prazo de oito a dez dias e o efetivo poderá ser ampliado conforme a demanda dos Estados

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse nesta  quarta-feira que o governo federal vai liberar pelo menos mil homens do Exército, da Marinha e Aeronáutica para atuar nos presídios de todo o país. As forças estarão prontas para entrar em ação no prazo de oito a 10 dias e o efetivo poderá ser ampliado conforme a demanda dos Estados. Serão empregados militares que já atuaram em operações de varredura e segurança realizadas durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. Sempre que possível deslocados de outras unidades da federação, para garantir a segurança das equipes e evitar a “contaminação” da operação.

Serão empregados militares que já atuaram em operações de varredura e segurança realizadas durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos
Serão empregados militares que já atuaram em operações de varredura e segurança realizadas durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos

Inicialmente, o Ministério da Defesa destinará R$ 10 milhões para custear a operação. Mas esse montante também vai variar conforme a necessidade. De acordo com o ministro, os militares só entrarão nos estabelecimentos prisionais após as forças policiais locais garantirem que não há risco. Os militares não terão contato com os presos, que deverão ser retirados das celas e demais dependências durante a inspeção em busca de armas, drogas e aparelhos celulares.

– Nosso pessoal atuará pontualmente e, depois, deixará o local. As Forças Armadas têm qualificação para isso. Nas Olimpíadas, fizemos varreduras em quase todos os imóveis dos Jogos. Temos pessoal muito bem treinado para dar conta desse tipo de tarefa – acrescentou Jungmann. Explicando que, embora assumam o controle da operação de varredura na unidade prisional. As Forças Armadas não vão operar e controlar presídios e penitenciárias, não vão substituir policiais e agentes penitenciários estaduais nem atuarão sozinhas.

Além do apoio de soldados e oficiais para vasculhar os presídios à procura de armas e produtos e substâncias ilícitas. O Ministério da Defesa e as Forças Armadas também vão oferecer treinamento. Para que as próprias forças de segurança pública estaduais façam inspeções regulares.

Jungmann também lembrou que o recém-lançado Plano Nacional de Segurança Pública prevê a disponibilização de verbas federais para que os Estados adquiram e instalem bloqueadores de celulares, aparelhos de raio-x e scanners.

– Compete aos estados manter a limpeza (segurança) dos estabelecimentos em que recolhermos as armas. Para isso, se o governo estadual solicitar, vamos disponibilizar treinamento de equipes.”

Novas rebeliões

O ministro disse que o apoio das Forças Armadas aos Estados. Entretanto, não vai impedir novas rebeliões ou mortes em presídios. Mas tende a diminuir as ocorrências e a letalidade da ação de presos amotinados.

– Há (no sistema prisional) um vetor que aumenta a letalidade e a violência (das rebeliões), que é a presença de armas nos presídios e penitenciárias. Nossa contribuição é fazer essa limpeza (ajudando na apreensão de armamentos) a pedido dos governadores.

– Não temos a menor ilusão ou a pretensão de que apenas esses esforços venham a debelar ou resolver essa questão. Estamos contribuindo para reduzir a possibilidade e a letalidade dessas tragédias – declarou o ministro. Destacando que a solução do problema passa pela atuação conjunta dos governos estaduais e federal. Além dos poderes Judiciário e Legislativo. “É preciso o concurso das polícias, do Ministério Público, da Justiça, enfim, de todos, para superarmos essa situação”.

De acordo com o ministro, a iniciativa é uma resposta à atuação organizada de facções criminosas. “Um governador isolado, sozinho, não tem meios de resolver esse problema. É preciso que o país entenda. E acho que já há essa percepção, que o aumento da criminalidade, da nacionalização e da internacionalização da criminalidade. É um desafio às instituições e à democracia.

Quanto antes atuarmos conjuntamente para inibir e reverter esse processo, menor o custo em termos de vida e de recursos para preservarmos uma vida socialmente tranquila e aceitável”, disse o ministro.

Forças do Iraque combatem Estado Islâmico em Mossul

Forças iraquianas, que já alcançaram três das cinco pontes, dizem que em breve vão ter total controle do leste da cidade, após terem tomado áreas mais ao sul

Por Redação, com Reuters – de Mossul:

Forças especiais iraquianas enfrentaram militantes do Estado Islâmico em distritos próximos ao rio Tigre, em Mossul, nesta segunda-feira, durante ofensiva para colocar uma parte maior do leste da cidade sob controle do governo. 

Forças especiais iraquianas enfrentaram militantes do Estado Islâmico em distritos próximos ao rio Tigre, em Mossul
Forças especiais iraquianas enfrentaram militantes do Estado Islâmico em distritos próximos ao rio Tigre, em Mossul

Os mais recentes confrontos aconteceram nos distritos de Shurta e de Andalus. Pelo menos três carros-bombas do Estado Islâmico tiveram como alvo forças iraquianas em Andalus. Não houve relatos imediatos sobre baixas. Em uma publicação online, o Estado Islâmico disse ter realizado uma “operação de martírio” na área. 

O Serviço Antiterrorismo (CTS, na sigla em inglês) iraquiano disse que os militantes, que tomaram Mossul em 2014 em uma ofensiva pelo norte do Iraque, estavam combatendo as forças do governo ferrenhamente. 

– Começamos a entrar (em Shurta) mas houve um ataque há pouco tempo. Até o fim do dia, vamos ter feito algum progresso – disse o porta-voz da tropa de elite iraquiana Sabah al-Numan.

Shurta e Andalus estão localizadas perto da margem oriental do Tigre. Separadas apenas por alguma vegetação florestal. E estão dentro do campo de visão da ponte mais ao norte da cidade, que dá acesso ao lado oeste do rio. 

Forças iraquianas, que já alcançaram três das cinco pontes. Dizem que em breve vão ter total controle do leste da cidade, após terem tomado áreas mais ao sul. 

Um cinegrafista da agência inglesa de notícias Reuters em um distrito ao sul do Tigre. Ele disse que atiradores de precisão de unidades iraquianas disparavam contra posições do Estado Islâmico do outro lado do rio.

Combates na Síria

O Exército sírio e as milícias aliadas entraram em confronto com os rebeldes perto de Damasco no domingo. Ameaçando impossibilitar os reparos planejados para uma estação de bombeamento que fornece água para a maior parte da capital. Disse uma entidade de monitoramento da guerra.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse que o Exército e a milícia libanesa aliada Hezbollah fizeram avanços contra os rebeldes na região de Wadi Barada. Intensos combates ocorreram nos arredores da cidade Ain al-Fija. Onde o sistema hídrico está localizado, informou a entidade de monitoramento britânica.

Wadi Barada, um vale montanhoso noroeste de Damasco, tornou-se uma importante frente de batalha na guerra da Síria, e os danos para a instalação causou severa falta de água na capital desde o início do ano.

O governador da província de Damasco disse na sexta-feira que engenheiros haviam entrado em Ain al-Fija para reparar a estação de água, como parte de um acordo mais amplo que incluía a saída de alguns rebeldes de Wadi Barada e um acordo com outros que permaneceriam ali.

Mas o plano foi comprometido na noite de sábado, depois que homens armados mataram o chefe de uma equipe de negociação que supervisionava o acordo e reparos. Disse o Observatório. Combatentes dos dois lados acusaram-se mutuamente de assassinar o funcionário, que assumiu o posto há apenas um dia.

Forças do Iraque conseguem novos avanços em Mossul

Unidades de resposta rápida da Polícia Federal do Iraque avançaram no distrito de Sumer, que fica na margem leste do rio Tigre

Por Redação, com Reuters – de Bagdá:

As forças iraquianas fizeram militantes do Estado Islâmico recuar no sudeste de Mossul nesta quinta-feira, conseguindo avanços em uma área onde ganhos vinham sendo particularmente difíceis, disseram os militares em comunicado.

As forças iraquianas fizeram militantes do Estado Islâmico recuar no sudeste de Mossul nesta quinta-feira
As forças iraquianas fizeram militantes do Estado Islâmico recuar no sudeste de Mossul nesta quinta-feira

Unidades de resposta rápida da Polícia Federal do Iraque avançaram no distrito de Sumer, que fica na margem leste do rio Tigre, e também no bairro vizinho de Sahiroun, segundo comunicado noticiado pela televisão estatal.

As forças do governo têm avançado bem mais lentamente nessa área do que unidades que estão no leste e no noroeste, que tomaram o controle de vários bairros de Mossul na semana passada.

A unidade de elite do Exército chamada Serviço Antiterrorismo tem liderado os avanços no leste de Mossul.

A campanha apoiada pelos Estados Unidos para recuperar Mossul. O último grande reduto do Estado Islâmico no Iraque, ganhou vigor renovado desde a virada do ano depois que as tropas enfrentaram dificuldades no interior da cidade em novembro e dezembro.

A eventual perda de Mossul provavelmente representaria o fim da parte iraquiana do auto declarado califado do Estado Islâmico. Que foi anunciado após os militantes conquistarem grandes áreas do Iraque e da Síria em 2014.

Cessar-fogo na Síria

Os terroristas do Daesh e da Frente al-Nusra estão “usando todas as cartas” a fim de violar o regime do cessar-fogo na Síria. Informou a representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, nesta quinta-feira, durante um briefing.

Com o início do cessar-fogo no ano passado, a situação na Síria vem demonstrando sinais de melhora, sublinhou.

Moscou espera que a reunião dedicada à solução da crise síria, que será realizada em Astana, capital do Cazaquistão, em 23 de janeiro. Seja “um novo marco no caminho à paz na Síria”, destacou Zakharova.

– Esperamos que o encontro a respeito da solução na Síria, programado para esta data. Seja um novo marco no caminho à paz na Síria. Impulsione significativamente as partes sírias em relação às novas conversações de 8 de fevereiro em Genebra – comunicou.

A representante oficial da diplomacia russa lamenta por alguns países continuarem tentando politizar a questão do uso de armas químicas na Síria para “derrubar” o presidente Bashar Assad.

– Após a cessação de hostilidades, em 30 de dezembro de 2016. Através da cooperação entre a Rússia e a Turquia, houve sinais de melhora da situação – ressaltou Zakharova aos jornalistas.

Cessar-fogo

Segundo ela, “o cessar-fogo é mantido em todo o país, inclusive no sul. Onde grupos, que na sua maioria não participaram das negociações em Ancara de dezembro de 2016, estão ativos”. “Tentativas incessantes dos assim chamados amigos-inimigos da Síria. .Que estão se tornando insanas, de politizar a situação em torno do dossiê químico da Síria. A fim de derrubar o governo do (presidente Bashar) Assad. São profundamente lamentáveis”, assinalou Zakharova.

– Esperamos que os esforços para alcançar solução política (na Síria) sejam eficientes – expressou a diplomata russa.

Em 31 de dezembro, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade resolução de apoio ao cessar-fogo na Síria. O projeto de resolução foi apresentado pela Rússia ao Conselho de Segurança da ONU. As negociações em Astana serão realizadas após a autorização da ONU em Genebra em fevereiro deste ano.

Forças do Iraque avançam em Mossul

Os avanços das forças de elite do leste e nordeste da cidade ganharam ímpeto em uma nova ofensiva desde a virada do ano

Por Redação, com Reuters – de Mossul/Cabul:

As forças iraquianas conseguiram entrar em mais dois bairros do sudeste de Mossul, mas os avanços estão sendo limitados pela tática do Estado Islâmico de usar civis como cobertura, disse um porta-voz dos militares nesta terça-feira.

As forças iraquianas conseguiram entrar em mais dois bairros do sudeste de Mossul
As forças iraquianas conseguiram entrar em mais dois bairros do sudeste de Mossul

A Organização das Nações Unidas disse que o número de vítimas civis aumentou em hospitais próximos nas duas últimas semanas, à medida que os combates se intensificaram no último importante reduto dos militantes no Iraque.

Os avanços das forças de elite do leste e nordeste da cidade ganharam ímpeto em uma nova ofensiva desde a virada do ano. As forças apoiadas pelos Estados Unidos conseguiram pela primeira vez chegar ao rio Tigre, que divide a cidade.

Mas os combates em bairros do sudeste têm sido duros.

– O desafio é que eles (Estado Islâmico) estão escondidos entre famílias civis. É por isso que nossos avanços são lentos e muito cuidadosos – disse o tenente-coronel Abdel Amir al-Mohammedawi, porta-voz das forças iraquianas, à agência inglesa de notícias Reuters.

Segundo o escritório de coordenação humanitária da ONU. Quase 700 pessoas foram levadas para hospitais nas áreas controladas por curdos nos arredores de Mossul na última semana. Mais de 817 solicitaram tratamento hospitalar na semana anterior.

Afeganistão

Pelo menos 23 pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas na terça-feira em um ataque suicida perto do edifício do Parlamento do Afeganistão, em Cabul. Disse Saleem Rasouli, uma autoridade sênior de saúde.

O grupo islâmico afegão Taliban assumiu a responsabilidade pelas duas explosões perto do Parlamento. O ataque teve como alvo um ônibus com funcionários da NDS, principal agência de inteligência do Afeganistão.

O ataque, que encerra um período de relativa calma na capital afegã. Ocorreu em uma área movimentada durante a hora do rush da tarde. Em um momento no qual trabalhadores voltavam para casa.

Autoridades dizem que um carro-bomba suicida se explodiu na área de Darul Aman da capital, perto do prédio do Parlamento. A primeira explosão foi seguida por outro carro-bomba, aparentemente em uma operação coordenada.

Mais cedo, um homem-bomba matou sete pessoas e feriu outras nove após ter detonado seus explosivos em uma casa na província de Helmand utilizada pela NDS.

Forças iraquianas avançam contra Estado Islâmico em Mossul

Mossul

É a primeira vez que as forças iraquianas alcançam o rio desde que a operação para expulsar o Estado Islâmico de Mossul teve início, em outubro

Por Redação, com Reuters – de Mossul:

 

As forças especiais iraquianas alcançaram neste domingo a margem leste do rio Tigre, em Mossul, pela primeira vez em um ataque contra o Estado Islâmico apoiado pelos Estados Unidos, entrando em confronto com militantes perto da área histórica da cidade, disseram autoridades militares.

As forças especiais iraquianas alcançaram neste domingo a margem leste do rio Tigre, em Mossul
As forças especiais iraquianas alcançaram neste domingo a margem leste do rio Tigre, em Mossul

Unidades do serviço antiterrorismo de elite (CTS, na sigla em inglês) chegaram a uma ponte sobre o rio Tigre que havia sido danificada em combate. Informou o porta-voz do CTS Sabah al-Numan.

É a primeira vez que as forças iraquianas alcançam o rio. Desde que a operação para expulsar o Estado Islâmico de Mossul teve início, em outubro. Até agora, as forças iraquianas haviam penetrado apenas os distritos a leste da cidade. Dividida em duas partes pelo rio. Mossul é o último reduto do Estado Islâmico no Iraque.

Ataques aéreos

As forças CTS eram apoiadas por ataques aéreos dos Estados Unidos enquanto combatiam militantes do grupo extremista em um local histórico próximo dali. Contou uma autoridade.

– Esta manhã tropas CTS avançaram em duas direções rumo aos distritos de Baladiyat e Sukkar – disse o general-tenente Abdelwahab al-Saadi. “Durante o avanço, Daesh (o Estado Islâmico) tentou nos confrontar a partir do monte histórico”. Acrescentou, aparentemente referindo-se à montanha localizada próximo às ruínas da antiga cidade de Nineveh, a leste do rio Tigre dentro de Mossul. 

 

Forças do Iraque avançam contra EI em Mossul

Tropas iraquianas de elite avançaram contra militantes do Estado Islâmico no leste de Mossul valendo-se da primeira incursão noturna na cidade

Aviões da coalizão dos EUA realizaram 19 ataques aéreos em apoio à operação, a qual deixou dezenas de militantes mortos, afirmou

Por Redação, com Reuters – de Mossul:

Tropas iraquianas de elite avançaram contra militantes do Estado Islâmico no leste de Mossul valendo-se da primeira incursão noturna na cidade, disse um porta-voz dos militares nesta sexta-feira, em uma operação apoiada pelos EUA que está ganhando ímpeto, segundo autoridades.

Tropas iraquianas de elite avançaram contra militantes do Estado Islâmico no leste de Mossul valendo-se da primeira incursão noturna na cidade
Tropas iraquianas de elite avançaram contra militantes do Estado Islâmico no leste de Mossul valendo-se da primeira incursão noturna na cidade

Forças do serviço de antiterrorismo (CTS, na sigla em inglês) avançaram em direção a um afluente do rio Tigre. Pouco após a meia-noite, e afugentaram combatentes do Estado Islâmico no distrito de Muthanna, disse o porta-voz do CTS Sabah al-Numan.

– Utilizamos equipamentos especiais e tivemos o elemento surpresa. O inimigo não esperava que montássemos uma ofensiva porque todas as outras ofensivas foram feitas durante o dia – disse.

Aviões da coalizão dos EUA realizaram 19 ataques aéreos em apoio à operação. A qual deixou dezenas de militantes mortos, afirmou.

Uma segunda fase da campanha para tirar o Estado Islâmico de seu maior bastião no Iraque, a qual já dura quase 12 semanas. Começou na quinta-feira passada. A ofensiva de Mossul é a maior mobilização no Iraque desde a invasão liderada pelos EUA em 2003.

Uma aliança de 100 mil soldados apoiada pelos EUA e composta de tropas do governo, forças de seguranças curdas e milicianos xiitas. Rapidamente atropelou o Estado Islâmico em vilas e municípios ao redor de Mossul. Mas uma forte resistência dentro da cidade tem desacelerado os avanços.

Os jihadistas, que estão valendo-se de atiradores de precisão e carros-bomba suicidas. Além de utilizarem civis como escudos, ainda controlam totalmente a parte de Mossul a oeste do Tigre. 

Ataque na Síria

Um ataque aéreo na Síria matou um líder de um importante grupo jihadista e seu filho nesta sexta-feira, no segundo ataque aéreo mortal contra o grupo militante nesta semana.

O Jabhat Fateh al-Sham. Anteriormente conhecido como Frente Nusra, ligada a Al-Qaeda, acusou a coligação militar liderada pelos Estados Unidos de matar o xeque Younes Shoueib. Membro do seu conselho de shura. Em uma declaração publicada no Telegram, um serviço de mensagens.

O grupo não disse onde Shoueib foi morto. Fateh al-Sham é um dos mais poderosos grupos rebeldes na província noroeste de Idlib. Onde, no início desta, semana cerca de duas dúzias de pessoas foram mortas. Em um ataque aéreo em uma de seus quartéis-generais. O grupo também acusou a coligação liderada pelos EUA de realizar esse ataque.

O Fateh al-Sham rompeu seus laços com a Al-Qaeda no ano passado.

Forças do Iraque retomaram 70% de Mossul, diz general

Forças iraquianas retomaram cerca de 70 % do leste de Mossul das mãos de militantes do Estado Islâmico

A parte oeste da cidade permanece sob total controle do Estado Islâmico, o qual luta para manter seu maior bastião urbano valendo-se “de centenas” de atiradores de elite e carros-bomba, de acordo com Shaghati

Por Redação, com Reuters – de Mossul:

Forças iraquianas retomaram cerca de 70 % do leste de Mossul das mãos de militantes do Estado Islâmico e esperam alcançar nos próximos dias as margens do rio que divide a cidade, disse à Reuters o comandante de operações militantes conjuntas do Iraque.

Forças iraquianas retomaram cerca de 70 % do leste de Mossul das mãos de militantes do Estado Islâmico
Forças iraquianas retomaram cerca de 70 % do leste de Mossul das mãos de militantes do Estado Islâmico

O tenente-general Talib Shaghati, que também é chefe do serviço anti-terrorismo de elite que lidera a campanha de retomada da cidade do norte do país. Disse que a cooperação de moradores estava ajudando as forças a avançarem contra o Estado Islâmico. 

Em sua 12ª semana, a ofensiva tem ganhado força desde que tropas iraquianas apoiadas por uma coalizão liderada pelos EUA renovaram os esforços para retomar a cidade há uma semana. Dominando mais bairros do leste da cidade apesar de dura resistência.

– Entre 65%  e 70 % do leste da cidade foi liberado – disse Shaghati em uma entrevista na quarta-feira na capital curda iraquiana, Erbil. “Acredito que, nos próximos dias, veremos a total liberação do lado oriental.”

A parte oeste da cidade permanece sob total controle do Estado Islâmico. O qual luta para manter seu maior bastião urbano valendo-se “de centenas” de atiradores de elite e carros-bomba, de acordo com Shaghati.

O avanço sobre Mossul, envolvendo uma força terrestre de 100 mil soldados composta de tropas iraquianas. Membros de forças de segurança curdas e milicianos xiitas. Representa a mais complexa batalha no Iraque desde a invasão do país liderada pelos EUA em 2003. 

O comandante de uma coalizão liderada pelos EUA que apoia a ofensiva iraquiana disse à agência inglesa de notícas Reuters na quarta-feira que a crescente força do avanço deve-se, amplamente, à melhor coordenação entre o Exército e forças de segurança. Segundo ele, os iraquianos melhoraram suas capacidades de se defender contra carros-bomba do Estado Islâmico. 

Militantes

Embora em número muito menor. Os militantes têm utilizado o terreno urbano a seu favor. Escondendo carros-bomba em becos estreitos, alocando seus atiradores de precisão em prédios altos. Com civis nos andares inferiores e criando túneis e passagens terrestres entre os prédios. Eles também têm se misturado entre a população.   

Uma vitória iraquiana em Mossul provavelmente significaria o fim do autodeclarado califado do Estado Islâmico. Reivindicado pelo líder do grupo, Abu Bakr al-Baghdadi. Há 2 anos e meio na maior mesquita de Mossul após os militantes terem tomado a cidade. 

No entanto, os militantes têm demonstrado recentemente as táticas que vão usar caso percam a cidade. Matando dezenas de pessoas com bombas em Bagdá e atacando forças de segurança em outros lugares. 

Um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico matou seis pessoas nesta quinta-feira nos arredores da capital.