Brasil registra 5.411 casos e 886 mortes por H1N1

O Brasil registrou 5.411 casos de influenza A (H1N1) entre janeiro e 6 de junho deste ano, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde

A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O Brasil registrou 5.411 casos de influenza A (H1N1) entre janeiro e 6 de junho deste ano, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde. Ao todo, 886 pessoas morreram em decorrência desse tipo de gripe. No mesmo período do ano passado, foram 19 registros da doença em todo o país, com duas mortes.

O Brasil registrou 5.411 casos de influenza A (H1N1) entre janeiro e 6 de junho deste ano, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde
O Brasil registrou 5.411 casos de influenza A (H1N1) entre janeiro e 6 de junho deste ano, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde

Com 2.280 casos, a Região Sudeste concentra o maior número de registros de H1N1, dos quais 1.926 no estado de São Paulo.

Os estados que notificaram o maior número de pessoas infectadas foram: Rio Grande do Sul (650 casos); Paraná (568); Goiás (265); Mato Grosso do Sul (180); Pará (150); Rio de Janeiro (141); Espírito Santo (124); Santa Catarina (121) e o Distrito Federal (105).

O estado de São Paulo também lidera o número de mortes pela doença, 402 óbitos, seguido por Rio Grande do Sul (105); Paraná (72); Goiás (46); Rio de Janeiro (42); Mato Grosso do Sul (33); Santa Catarina (28); Espírito Santo (26); Minas Gerais (23); Pará (21); Bahia (19); Pernambuco (14) e o Distrito Federal (12).

Vacinação

A campanha nacional de vacinação contra a gripe imunizou neste ano 49,9 milhões de pessoas que fazem parte dos grupos de maior risco de complicação pela doença, que supera o público-alvo previsto pelo ministério, formado por 49,8 milhões de pessoas.

O público-alvo é formado por crianças de 6 meses até 5 anos incompletos, pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores da área de saúde, povos indígenas, gestantes, mulheres que tiveram filhos há no máximo 45 dias, presos, funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis.

As crianças que tomaram a vacina pela primeira vez este ano devem retornar aos postos de saúde para aplicação da segunda dose até o dia 20 de junho.

Oficialmente, a campanha nacional terminou no dia 20 de maio, porém, o Ministério da Saúde recomendou a continuidade da vacinação aos estados que não atingiram a meta. Foram disponibilizadas 54 milhões de doses da vacina – uma reserva técnica de 4,2 milhões de doses acima do quantitativo de pessoas que integram o público prioritário.

A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de internações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Prevenção

O Ministério da Saúde recomenda que, além da vacinação, a população deve adotar medidas de prevenção para evitar a infecção por influenza.

Algumas delas são lavar sempre as mãos e evitar locais com aglomeração de pessoas, o que facilita a transmissão de doenças respiratórias.

Vacinação contra gripe termina no Rio

O número representa 78,8% da população alvo da campanha e a meta é alcançar 80%

Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir de 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% da mortalidade global

Por Redação, com ARN – do Rio de Janeiro:

A Campanha de Vacinação contra a Gripe terminou nesta sexta-feira. Até a última quarta, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio imunizou 1.495.450 pessoas na cidade. Dessas, 1.233.888 são idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a 5 anos incompletos (até 4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, mulheres até 45 dias após o parto ou profissionais de saúde.

O número representa 78,8% da população alvo da campanha e a meta é alcançar 80%. Além desses, também já foram imunizados contra a gripe 256.537 doentes crônicos.

O número representa 78,8% da população alvo da campanha e a meta é alcançar 80%
O número representa 78,8% da população alvo da campanha e a meta é alcançar 80%

A vacinação começou no dia 25 de abril em mais de 200 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde). O principal objetivo da campanha é reduzir a mortalidade, as complicações e as internações decorrentes das infecções pelos vírus da Influenza contidos na vacina.

Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir de 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% da mortalidade global, e em aproximadamente 50% as doenças relacionadas à influenza.
 
Para as mulheres até 45 dias após o parto, na hora da vacinação será solicitada comprovação da condição clínica e, para os doentes crônicos, a prescrição do médico que o acompanha.

Portadores de doenças neurológicas devem consultar seu médico antes de tomar o imunizante e pessoas com quadro febril precisam aguardar a melhora do estado de saúde. A vacina é contraindicada para pacientes com história de alergia grave (anafilaxia) e prévia a algum de seus componentes.

Termina Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe será encerrada nesta sexta-feira

Dados do Ministério da Saúde mostram que já foram vacinados, até o momento, 35,4 milhões de brasileiros

Por Redação, com ABr – de Brasília:

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe será encerrada nesta sexta-feira. Devem receber a dose crianças com idade entre 6 meses e menores de 5 anos, gestantes, idosos, mulheres com até 45 dias após o parto, pessoas com doenças crônicas e profissionais de saúde. Povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional também devem ser imunizados.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe será encerrada nesta sexta-feira
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe será encerrada nesta sexta-feira

Dados do Ministério da Saúde mostram que já foram vacinados, até o momento, 35,4 milhões de brasileiros. O número representa 71% do público-alvo, formado por 49,8 milhões de pessoas consideradas mais vulneráveis para complicações provocadas pela gripe. A meta é imunizar pelo menos 80% desse grupo.

Ainda de acordo com o balanço, o Paraná (85,2%), São Paulo (85%), o Amapá (81,7%), Espírito Santo (81,2%) e o Distrito Federal (80,9%) já atingiram a meta de vacinação para este ano. Mais quatro Estados alcançaram boa cobertura vacinal até o momento: Santa Catarina (79,1%), Rondônia (77,1%), Rio Grande do Sul (76,5%) e Goiás (74%).

Até agora, a Região Sul apresentou o melhor desempenho (80,1%), seguida pelo Sudeste (76,2%), o Centro-Oeste (67%); Norte (63,8%) e Nordeste (58,4%). Entre os grupos prioritários, os profissionais de saúde registram a maior cobertura – 3,5 milhões de doses aplicadas, o que representa 86,5% dos profissionais a serem vacinados. Em seguida, estão as puérperas – que acabou de dar à luz (79,4%); os idosos (72,9%); as crianças de 6 meses a menores de 5 anos (66,5%) e as gestantes (56,6%).

Os dados do ministério mostram ainda que, até o dia 9 de maio, foram registrados 2.808 casos de gripe de todos os tipos no Brasil. Desse total, 2.375 pelo vírus H1N1, sendo que 470 pacientes morreram em decorrência da doença.

A Região Sudeste concentra o maior número de casos de infecção por H1N1 (1.381), sendo 1.209 no Estado de São Paulo. Outros Estados que registraram casos este ano foram: Rio Grande do Sul (198); Paraná (165); Goiás (153); Santa Catarina (102); Pará (101); Rio de Janeiro (70); Bahia (67); Distrito Federal (63); Paraíba (12); Alagoas (12); Rio Grande do Norte (11); Mato Grosso (7); Amapá (2); Rondônia (1); Roraima (1); Maranhão (1); Piauí (1) e Sergipe (1).

Com relação ao número de mortes, São Paulo teve 223, seguido pelo Rio Grande do Sul (39); por Goiás (26); pelo Paraná (24); Rio de Janeiro (23); por Santa Catarina (21); pelo Pará (16); Bahia (15); por Minas Gerais (14); pelo Espírito Santo (14); por Pernambuco (10); Mato Grosso do Sul (9); pela Paraíba (8); pelo Ceará (6); Distrito Federal (6); Rio Grande do Norte (5); por Mato Grosso (4); Alagoas (2); pelo Amapá (2) e o Maranhão (1).

Gripe: Rio está perto de atingir a meta da campanha

No Rio, cerca de 4 milhões de pessoas fazem parte dos grupos prioritários

No Rio, cerca de 4 milhões de pessoas fazem parte dos grupos prioritários. Ao todo, aproximadamente 3 mil postos de saúde, nos 92 municípios do Estado

Por Redação, com ARN – do Rio de Janeiro:

A campanha contra a gripe deve atingir a meta do Ministério da Saúde para o Rio de Janeiro de vacinar 80% das pessoas dos grupos prioritários até o fim da semana. A expectativa da Secretaria de Saúde é resultado da grande procura pela vacina a partir do início da imunização, antecipada pelo Governo do Rio, como medida preventiva para atender gestantes, crianças com idades entre 6 meses e menores de cinco anos, além de pacientes renais crônicos.

No Rio, cerca de 4 milhões de pessoas fazem parte dos grupos prioritários
No Rio, cerca de 4 milhões de pessoas fazem parte dos grupos prioritários

De acordo com as orientações do Ministério da Saúde, os grupos incluem ainda as mulheres com até 45 dias após o parto, idosos com idade a partir de 60 anos, indígenas e profissionais de saúde.

– É importante que os grupos prioritários compreendam a necessidade de se proteger. A vacina imuniza contra os três subtipos de vírus da gripe que mais circulam no inverno: A/H1N1, A/H3N2 e Influenza B – disse o secretário de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr.
 
No Rio, cerca de 4 milhões de pessoas fazem parte dos grupos prioritários. Ao todo, aproximadamente 3 mil postos de saúde, nos 92 municípios do Estado, disponibilizam as doses da vacina contra a gripe.
 
– É preciso lembrar que a doença, na grande maioria dos casos, não apresenta complicações, mas entre os grupos prioritários, pode evoluir para formas graves. A prevenção é fundamental. Nunca se observou casos de reações graves relacionadas a essa vacina e os benefícios são incontestáveis – afirmou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.
 
Tire suas dúvidas
 
O que é Influenza?
 
É uma doença viral febril, aguda, comumente conhecida como gripe, geralmente benigna e autolimitada.
 
Caracteriza-se por sintomas como febre, calafrios, tremores, dores de cabeça, dor de garganta e rouquidão, além de alterações respiratórias, como tosse seca, dor de garganta e coriza. A infecção geralmente dura aproximadamente uma semana.
 
Transmissão
 
Ocorre pelo contato com pessoas infectadas, ao tossir, espirrar ou falar. Pode ser transmitida ainda por meio indireto pelas mãos, após contato com superfícies contaminadas por secreções respiratórias.
 
Como se prevenir
 
Manter as mãos sempre limpas; utilizar lenço descartável para higiene nasal; cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir; evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca; higienizar as mãos após tossir ou espirrar; não compartilhar objetos; manter os ambientes bem ventilados.

H1N1: Bahia já vacinou contra a gripe mais da metade do público-alvo

Na tabela de vacinação do Ministério da Saúde, estavam previstas 3.286.957 pessoas

Depois de Salvador, as cidades de Vitória da Conquista e Guanambi, ambas no Sudoeste do Estado, registraram oito e cinco pessoas com H1N1, respectivamente

 

Por Redação, com ABr – de Salvador:

 

A três dias do fim da campanha de vacinação contra o vírus influenza, que transmite a gripe H1N1, pouco mais da metade do público-alvo do Estado da Bahia foi imunizada.

Na tabela de vacinação do Ministério da Saúde, estavam previstas 3.286.957 pessoas, mas a Secretaria de Saúde (Sesab) informou que cerca de 1,9 milhão delas foram imunizadas, até o momento, no estado, o equivalente a 57,8% do público-alvo.

Na tabela de vacinação do Ministério da Saúde, estavam previstas 3.286.957 pessoas
Na tabela de vacinação do Ministério da Saúde, estavam previstas 3.286.957 pessoas

O número está abaixo da média nacional, que é de 71% de imunização do público-alvo, de acordo com o Ministério da Saúde. Entre as regiões do país, o Nordeste apresenta a menor taxa de vacinação (58,4%), enquanto a Região Sul supera os 80%.

Segundo dados atualizados da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Sesab, até a última sexta-feira (13) a Bahia já confirmou 73 casos de H1N1, dos quais 15 provocaram a morte dos pacientes. Até o fim de abril, eram 45 casos. Em toda a Bahia, 26 municípios registram casos da gripe e a capital, Salvador, lidera o número de casos (26) e também o de mortes (5).

Depois de Salvador, as cidades de Vitória da Conquista e Guanambi, ambas no Sudoeste do Estado, registraram oito e cinco pessoas com H1N1, respectivamente.

A Sesab informou, em nota, que apesar da taxa abaixo da média nacional, continua com a meta preconizada pelo Ministério da Saúde de vacinar pelo menos 80% da população baiana até a próxima sexta-feira.

A prioridade da campanha é imunizar idosos com 60 anos ou mais, crianças de 6 meses a 5 anos incompletos, gestantes ou mulheres com até 45 dias após o parto, doentes crônicos, indígenas, pessoas em restrição de liberdade, funcionários do sistema prisional e profissionais de saúde.

São Paulo tem 69 mortes por H1N1

Na última semana, foi registrada uma redução na evolução da circulação dos vírus na capital paulista

A secretaria informou ainda que com a distribuição de 3,12 milhão de doses, atingiu 99,3% do público-alvo da campanha de vacinação deste ano

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

A cidade de São Paulo registrou 3.182 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) desde o início do ano, com 167 mortes. Segunda a Secretaria Municipal de Saúde, do total de casos, 509 foram causados pela gripe A, H1N1, responsável por 69 das mortes.

Na última semana, foi registrada uma redução na evolução da circulação dos vírus na capital paulista
Na última semana, foi registrada uma redução na evolução da circulação dos vírus na capital paulista

Na última semana, foi registrada uma redução na evolução da circulação dos vírus na capital paulista. Os casos de SRGA caíram de 691, na 14ª semana epidemiológica, para 413 na 16ª semana, que se encerrou no último dia 10. Os hospitais da rede municipal atenderam a 228,7 mil pessoas com sintomas de gripe na última semana, contra 262,1 mil na 14ª semana.

A secretaria informou ainda que com a distribuição de 3,12 milhão de doses, atingiu 99,3% do público-alvo da campanha de vacinação deste ano. A imunização está destinada a crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos, gestantes, mulheres que deram à luz há menos de 45 dias, indígenas, idosos e profissionais da saúde. Em 2015, receberam a vacina 81,72% dessas pessoas.

Estado

O Estado de São Paulo teve, desde o início do ano, 11,2 mil casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), ocasionando 764 mortes. Segundo os dados divulgados pelo Centro de Vigilância Epidemiológica do estado, a gripe A, H1N1 causou 1.130 desses casos, levando 202 pessoas à morte.

As ocorrências da doença estão distribuídas por 169 municípios. No entanto, 618 (54,7%) das infecções por H1N1 ocorreram na Grande São Paulo, que também teve 50,5% das mortes (102 casos).

Entre as vítimas, 36 era gestantes não vacinadas e 133 tinham outras doenças que debilitam o paciente, como as cardiovasculares, o diabetes, a pneumopatia e a obesidade.

Estado do Rio

A influenza H1N1 já matou 24 vítimas no Estado do Rio desde o início do ano. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, 84 casos de síndrome respiratória aguda grave provocada pelo vírus H1N1 foram confirmadas por exames laboratoriais.

Entre 25 de abril e 9 de maio, mais de1,7 milhão de pessoas foram vacinadas contra a gripe no Estado, sendo 534.240 crianças com idades entre 6 meses e menores de cinco anos e 80.094 gestantes.

Entre os idosos, 987.794 foram imunizados até a última segunda-feira. Também foram vacinados 163.320 profissionais de saúde e 571 indígenas. A vacinação ocorrerá até o dia 20 de maio.

Vacinação contra a gripe deve ser normalizada no DF

A expectativa, no Distrito Federal, é que 609 mil pessoas sejam imunizadas durante a campanha, que segue até 20 de maio

A meta do Dia D de mobilização, que aconteceu no último sábado, era vacinar 110 mil pessoas, no entato, mais de 180 mil foram imunizadas

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Diante de problemas no estoque da vacina da gripe em alguns postos da capital federal, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que um novo lote de doses deve ser entregue entre esta quinta e sexta-feira e que apenas na próxima segunda-feira a imunização será normalizada em todas as salas de vacinação.

A expectativa, no Distrito Federal, é que 609 mil pessoas sejam imunizadas durante a campanha, que segue até 20 de maio
A expectativa, no Distrito Federal, é que 609 mil pessoas sejam imunizadas durante a campanha, que segue até 20 de maio

– O Ministério da Saúde é o responsável pelo envio das vacinas para os estados e para o Distrito Federal. No DF, já foram entregues três remessas. Até o final da campanha, em 20 de maio, o órgão federal ainda terá que enviar mais uma remessa das doses para o DF – comunicou o órgão, por meio de nota.

De acordo com o comunicado, a baixa no estoque se deve à grande procura pelas doses logo no início da vacinação. A meta do Dia D de mobilização, que aconteceu no último sábado, era vacinar 110 mil pessoas, no entato, mais de 180 mil foram imunizadas. Até o momento, 416 mil pessoas (68,4% do público-alvo) já receberam a dose.

– Em anos anteriores, esse percentual só era alcançado praticamente ao final da campanha – acrescentou a secretaria. Ainda segundo a nota, a alta procura pela dose este ano se deve à antecipação do número de casos de gripe H1N1 em todo o país. O esperado é que os casos de infecção pelo vírus surjam em maior quantidade apenas no período de inverno.

Devem receber a vacina crianças de 6 meses a menores de 5 anos, gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto, profissionais de saúde, povos indígenas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional. A expectativa, no Distrito Federal, é que 609 mil pessoas sejam imunizadas durante a campanha, que segue até 20 de maio.

Distrito Federal vacina pessoas contra gripe

A vacina que está sendo aplicada protege contra três subtipos do vírus da gripe: a influenza A - H1N1 e H3N2 e a influenza B

A vacina que está sendo aplicada protege contra três subtipos do vírus da gripe: a influenza A – H1N1 e H3N2 e a influenza B

Por Redação, com ABr – de Brasília:

 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou oficialmente sábado, no Distrito Federal, já com 215 mil pessoas imunizadas até o início da tarde. Segundo o subsecretário de Vigilância em Saúde do Distrito Federal, Tiago Coelho, isso representa mais de 40% da meta de 609 mil pessoas dos grupos de risco a serem vacinadas.

A vacina que está sendo aplicada protege contra três subtipos do vírus da gripe: a influenza A - H1N1 e H3N2 e a influenza B
A vacina que está sendo aplicada protege contra três subtipos do vírus da gripe: a influenza A – H1N1 e H3N2 e a influenza B

– Iniciamos a vacinação no dia 18 de abril para alguns grupos de risco, sábado é o Dia D e estamos acreditando que, com mais de 2 mil servidores engajados hoje, vamos chegar a 80% dessa meta – disse Coelho, explicando que até o dia 20 de maio as doses da vacina estarão disponíveis nas unidades básicas de saúde do DF.

Devem receber a dose crianças com idade de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, mulheres com até 45 dias após o parto, pessoas com doenças crônicas e profissionais de saúde. Povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional também serão imunizados.

No estacionamento do ambulatório do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), no Distrito Federal, foi montado um serviço dedrive thru para atender pessoas com dificuldade de locomoção.

A aposentada Ana Joaquina de Oliveira, de 102 anos, faz questão de comparecer todos os anos e segundo a filha Marlene de Oliveira Brito, de 73 anos, também aposentada, elas nunca mais tiveram gripe depois que passaram a se vacinar durante a campanha.

– Gostei muito do drive thru. Todos os anos íamos lá dentro, mas ela anda com dificuldade, a cabeça está boa, mas as pernas não ajudam. Ela faz questão de vir, todo mundo deveria vir, não é sacrifício – disse Marlene.

Gripes que podem matar

A vacina que está sendo aplicada protege contra três subtipos do vírus da gripe: a influenza A – H1N1 e H3N2 e a influenza B.

O subsecretário explica que esses virus são um tipo diferente da gripe comum, porque tem uma taxa de letalidade muito maior. “Ela é muito mais forte que uma gripe comum e por isso pode levar ao óbito. No DF já temos cinco óbitos pelo H1N1 registrados, em outras unidades da federação esse número é muito maior. Então, as pessoas não podem pensar que é mais um tipo de gripe comum. Se vacinar também é prevenir que outras pessoas da família, do trabalho ou os vizinhos adoeçam e tenham um quadro de saúde agravado”, explicou.

Paulo Lisbão, de 38 anos, é funcionário publico e profissional de saúde e entende bem os riscos da gripe. Ele já se vacinou na última semana e hoje levou os filhos Thiago e João Pedro, de 4 e 2 anos respectivamente. “Eles choraram um pouco, mas faz parte do processo. Uma picadinha não é nada para a importância que a vacina tem esse ano para eles. São vacinas que protegem contra doenças virais, que podem ser potencialmente muito graves”, disse. “É muito importante que todos venham [aos posto receber a vacina]e que as crianças sejam vacinadas na época correta”, completou.

O aposentado Bendito de Almeida, de 65 anos, não se importou com o frio que fez no início da manhã e também esteve no Hran para a vacinação. “Tem mais de 10 anos que venho vacinando todos os anos e passei esse tempo todo sem gripe”, disse.

Dia D Nacional

A meta do Ministério da Saúde é vacinar pelo menos 80% de um total de 49,8 milhões de pessoas. A escolha dos grupos prioritários, segundo a pasta, segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias.

O envio das doses da vacina começou no dia 1º de abril e pelo menos 22 estados decidiram antecipar o início da vacinação. Em todo o país, 65 mil postos de vacinação vão funcionar durante a campanha, que segue até o dia 20 de maio e conta com a participação de 240 mil profissionais de saúde.

Gripe: começa a campanha de vacinação

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou oficialmente neste sábado

O envio das doses pelo governo federal começou no dia 1º de abril e pelo menos 22 Estados decidiram antecipar o início da vacinação

 

Por Redação, com ABr – de Brasília:

 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou oficialmente neste sábado com a realização, pelo Ministério da Saúde, do Dia D de mobilização. Devem receber a dose crianças com idade entre 6 meses e 5 anos, gestantes, idosos, mulheres com até 45 dias após o parto, pessoas com doenças crônicas e profissionais de saúde. Povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional também serão imunizados.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou oficialmente neste sábado
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou oficialmente neste sábado

A meta do ministério é vacinar pelo menos 80% de um total de 49,8 milhões de pessoas. A escolha dos grupos prioritários, segundo a pasta, segue recomendação da Organização Mundial da Saúde e é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias. “São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias”, informou.

O envio das doses pelo governo federal começou no dia 1º de abril e pelo menos 22 Estados decidiram antecipar o início da vacinação. Nas quatro primeiras remessas (até o dia 22 de abril), os Estados receberam 30,7 milhões de doses, 57% do total a ser enviado para a campanha deste ano. O ministério informou que mais duas remessas contendo o restante do quantitativo devem ser enviadas nas próximas semanas.

A previsão é de que, até o dia 6 de maio, 100% das doses tenham sido entregues em todo o país. Serão distribuídas, ao todo, 54 milhões de doses que protegem contra três subtipos do vírus da gripe, A (H1N1), A (H3N2) e influenza B. Em todo o país, 65 mil postos de vacinação vão funcionar durante a campanha, que segue até o dia 20 de maio e conta com a participação de 240 mil profissionais de saúde.

Em entrevista a emissoras de rádio durante o programa Brasil em Pauta, o secretário de Vigilância em Saúde, Antônio Nardi, disse na sexta-feira que não há risco de faltar dose para os grupos que fazem parte do público-alvo. Ele lembrou que muitos estados e municípios optaram por antecipar o início da distribuição das doses e, por essa razão, em algumas localidades onde foi registrado alto índice de cobertura vacinal, os postos de saúde não vão funcionar neste sábado.

Gripe: Rio terá 450 postos de vacinação no Dia D

A partir deste sábado, o imunizante estará disponível para todos os grupos alvo da Campanha de Vacinação
O principal objetivo da campanha é reduzir a mortalidade, as complicações e as internações decorrentes das infecções pelos vírus da Influenza contidos na vacina
Por Redação, com ARN – do Rio de Janeiro:
 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio realiza neste sábado, o dia D de mobilização contra a gripe, quando cerca de 450 postos de vacinação, entre fixos e itinerantes, estarão à disposição da população em toda a cidade das 8h às 17h.

A partir deste sábado, o imunizante estará disponível para todos os grupos alvo da Campanha de Vacinação
A partir deste sábado, o imunizante estará disponível para todos os grupos alvo da Campanha de Vacinação

A partir deste sábado, o imunizante estará disponível para todos os grupos alvo da Campanha de Vacinação contra a Influenza: idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a 5 anos incompletos (até 4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, doentes crônicos e profissionais de saúde.

A meta da SMS é imunizar 80% dos grupos alvo recomendados até o fim da campanha, em 20 de maio, o que representa cerca de 1,2 milhão de pessoas. Nos dois primeiros dias da campanha, segunda e terça-feira, mais de 63 mil pessoas foram vacinadas.

Neste sábado, os postos itinerantes serão montados em diversos locais em toda a cidade, como igrejas, escolas, associações de moradores, entre outros, para facilitar o acesso da população.

Além do dia D, a vacina contra a gripe estará disponível nas mais de 200 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) e policlínicas da cidade, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Segundo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), para a temporada de 2016 do Hemisfério Sul a vacina influenza trivalente, usada na campanha, é composta por cepas do vírus Myxovirus influenzae, fragmentados, inativados e purificados de Influenza A (H1N1) pmd09; Influenza A (H3N2) e Influenza B (linhagem Victoria). Serão disponibilizadas vacinas produzidas pelo Instituto Butantan e pela Sanofi Pasteur (França). O principal objetivo da campanha é reduzir a mortalidade, as complicações e as internações decorrentes das infecções pelos vírus da Influenza contidos na vacina.

Sobre a eficácia do imunizante, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir de 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% da mortalidade global, e em aproximadamente 50% as doenças relacionadas à influenza. Mesmo quem tomou a vacina no ano passado deve se vacinar novamente este ano.

Para as mulheres até 45 dias após o parto, na hora da vacinação será solicitada comprovação da condição clínica e, para os doentes crônicos, a prescrição do médico que o acompanha. Para as crianças são necessárias duas doses num intervalo de um mês entre elas. Portadores de doenças neurológicas devem consultar seu médico antes de tomar o imunizante e pessoas com quadro febril precisam aguardar a melhora do estado de saúde.

A vacina é contraindicada para pacientes com história de alergia grave (anafilaxia) e prévia a algum de seus componentes. A relação dos postos de vacinação no dia D de mobilização contra a gripe pode ser conferida no site da Secretaria Municipal de Saúde, em http://www.rio.rj.gov.br/web/sms