Hong Kong: motoristas do Uber são considerados culpados de uso ilegal de veículos

A avaliação de especialistas é de que a decisão tem um efeito desanimador sobre os motoristas de Hong Kong que trabalham para a empresa de São Francisco

Por Redação, com Reuters – de Hong Kong:

Cinco motoristas do serviço de transporte urbano por aplicativo Uber em Hong Kong foram considerados culpados de usarem ilegalmente seus veículos para fins comerciais por um tribunal local nesta sexta-feira, em um potencial golpe às operações do Uber Technologies no pólo financeiro asiático.

A empresa continuará a realizar serviços de compartilhamento de corridas na cidade
A empresa continuará a realizar serviços de compartilhamento de corridas na cidade

A avaliação de especialistas é de que a decisão tem um efeito desanimador. Sobre os motoristas de Hong Kong que trabalham para a empresa de São Francisco. Que está lutando com problemas semelhantes com reguladores em toda a Ásia. O Uber saiu de Taiwan há menos de um mês.

O Uber disse que estava decepcionado com o veredito.

– Pensamos que é contra o interesse de vários milhões de passageiros do Uber. Motoristas e o interesse coletivo das pessoas de Hong Kong. Nós pensamos que o transporte compartilhado não deve ser um crime – disse a diretora-geral do Uber em Hong Kong, Kenneth She.

A empresa continuará a realizar serviços de compartilhamento de corridas na cidade.

Segurança

Os motoristas de Hong Kong foram condenados por conduzir um veículo a motor para o transporte de passageiros por contrato. E porque os seus seguros excluíam o uso comercial, deixando os passageiros desprotegidos.

– Eu não vejo a ação que os réus mostraram ter qualquer diferença significativa ou material daquela de … motoristas de táxis piratas no passado – afirmou o juiz So Wai-tak no julgamento.

Os motoristas, que foram presos durante uma operação policial contra a empresa em agosto de 2015, após reclamações de taxistas locais, foram multados em o equivalente a US$ 1.287,91 e tiveram suas carteiras de motorista suspensas por 12 meses.

Ônibus autônomos sem motoristas começam a circular nos EUA

A Califórnia e outros Estados dos EUA estão considerando as oportunidades de se tornarem um centro de testes da tecnologia considerada como o futuro do transporte

Por Redação, com Reuters – de São Francisco:

Dois ônibus autônomos de US$ 250 mil cada começaram a circular em um estacionamento vazio na Bay Area de São Francisco, nos Estados Unidos, no primeiro programa piloto da Califórnia de desenvolvimento de veículo sem volante ou operador humano.

Dois ônibus autônomos de US$ 250 mil cada começaram a circular em um estacionamento vazio na Bay Area de São Francisco
Dois ônibus autônomos de US$ 250 mil cada começaram a circular em um estacionamento vazio na Bay Area de São Francisco

A Califórnia e outros Estados dos EUA estão considerando as oportunidades de se tornarem um centro de testes da tecnologia considerada como o futuro do transporte.

Na maior parte dos testes com carros autônomos há ainda uma pessoa sentada ao volante, pronta para assumir o controle. Embora a Waymo, da Alphabet, tenha testado um carro sem volante ou pedais no Texas, em 2015.

O projeto com ônibus em San Ramon, no estacionamento de um complexo de escritórios. Envolve dois veículos com capacidade para 12 passageiros produzidos pela francesa EasyMile.

A iniciativa é apoiada por um conjunto de companhias privadas e autoridades de trânsito e qualidade do ar. Sendo que o objetivo é torná-la permanente em uma forma ampliada. Disse Habib Shamskhou, gerente do programa. Ele caminhou na frente de um dos ônibus em movimento para demonstrar que o veículo perceberia sua presença.

Teste

Em um teste mostrado a jornalistas, um dos ônibus circulou pelo circuito de forma tão consistente que criou marcas no piso.

Os ônibus serão testados por alguns meses em estacionamentos. Antes dos operadores pedirem permissões ao departamento de trânsito da Califórnia para circularem em áreas públicas. Os veículos devem começar a rodar por ruas este ano ou no início de 2018.

Operação Lei Seca autua mais de 450 motoristas no carnaval

No carnaval do ano passado, a Operação Lei Seca identificou sinais de embriaguez em 563 motoristas dos 6.889 abordados

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro:

A Operação Lei Seca realizou 65 ações na capital, Região Metropolitana e interior do Estado neste carnaval. Durante as blitzes, realizadas entre os dias 24 e 28 de fevereiro, 5.747 motoristas foram abordados. Destes, 451 apresentavam sinais de embriaguez. Neste período, foram aplicadas 1.486 multas, 246 veículos foram rebocados e 415 carteiras de habilitação recolhidas.

Foram realizadas ações na Região Metropolitana e no interior
Foram realizadas ações na Região Metropolitana e no interior

As blitzes contaram com todo o efetivo nas ruas, que soma 250 agentes. Inclusive realizando operações diurnas, que continuarão até domingo. As ações educativas também foram intensificadas neste Carnaval. Equipes estiveram nos principais blocos de rua, distribuindo ventarolas e conscientizando os foliões sobre o perigo da mistura álcool e direção.

– Assim como no ano passado, além da blitz de fiscalização que todos conhecem, atuamos nas saídas de praias e cachoeiras e nos blocos com grande concentração de pessoas. Como o Carnaval é um dos períodos do ano em que há grande número de acidentes no trânsito, nossas ações educativas têm como objetivo levar a mensagem de nunca dirigir depois de beber – disse o coordenador da Lei Seca, tenente-coronel Marco Andrade.

Sinais de embriaguez

No carnaval do ano passado, a Operação Lei Seca identificou sinais de embriaguez em 563 motoristas dos 6.889 abordados. Além disso, 1.745 motoristas foram multados, 528 carteiras recolhidas e 229 carros rebocados.

A Operação Lei Seca é uma campanha educativa e de fiscalização, de caráter permanente, lançada em março de 2009 pela Secretaria de Governo. Desde que foi criada, a operação já interceptou mais de 166 mil motoristas alcoolizados, por meio do teste do bafômetro.

Operação Verão da Lei Seca aborda mais de 3 mil motoristas

Com blitzes diurnas e em vários pontos do Estado do Rio, a Operação Verão da Lei Seca completou duas semanas e registrou 3.155 motoristas abordados

Durante a Operação Verão, os agentes trabalham uniformizados com bermuda, camisa polo branca com identificação da Lei Seca e boné. As blitzes à noite continuam sendo realizadas normalmente

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro:

Com blitzes diurnas e em vários pontos do Estado do Rio, a Operação Verão da Lei Seca completou duas semanas e registrou 3.155 motoristas abordados, 789 veículos multados, 161 veículos rebocados e 184 carteiras de habilitações recolhidas. Também foi detectado alcoolemia em 182 motoristas. A ação começou no dia 5 de janeiro.

Com blitzes diurnas e em vários pontos do Estado do Rio, a Operação Verão da Lei Seca completou duas semanas e registrou 3.155 motoristas abordados
Com blitzes diurnas e em vários pontos do Estado do Rio, a Operação Verão da Lei Seca completou duas semanas e registrou 3.155 motoristas abordados

Este é o terceiro ano consecutivo da Operação Verão da Lei Seca. No ano passado, foram abordados 5.814 motoristas e 538 apresentavam sinais de embriaguez. Em 2015, foram abordados 4.970 motoristas e 350 tinham sinais de alcoolemia.

Durante a Operação Verão, os agentes trabalham uniformizados com bermuda, camisa polo branca com identificação da Lei Seca e boné. As blitzes à noite continuam sendo realizadas normalmente.

A ação segue até depois do Carnaval. Neste período, também são promovidas atividades educativas a fim de alertar a população sobre os riscos de beber e dirigir.

– É importante que a população entenda que os riscos de misturar bebida e direção não tem hora – disse o coordenador da Operação Lei Seca, tenente-coronel Marco Andrade.

Barreira Fiscal

Agentes da Operação Barreira Fiscal, da Secretaria de Governo, em ação conjunta com a Receita Federal e a Secretaria de Fazenda. Apreenderam, em um único, no Posto Fiscal de Nhangapi, em Itatiaia, 1.2 tonelada de mercadorias (eletrônicos, óculos, relógios e acessórios de telefonia) sem documentação fiscal.

O material estava em um ônibus que vinha de São Paulo com destino a Guarapari, no Espírito Santo, e pertenciam a um senegalês que pretendia vender os produtos no estado do Espírito Santo. O material ficou retido no Posto Fiscal até o pagamento da multa e do imposto devido.

A Operação Barreira Fiscal foi lançada pela Secretaria de Governo com o objetivo de apoiar a Secretaria de Fazenda na fiscalização do trânsito de mercadorias no estado e coibir a sonegação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Além de atuar na apreensão de drogas, armas e produtos pirateados e combater crimes ambientais. A Barreira Fiscal conta com cinco postos fixos de fiscalização: Nhangapi (Via Dutra, em Itatiaia), Levy Gasparian (BR-040), Mato Verde (BR-101 Norte), Angra dos Reis (BR-101 Sul) e Timbó (RJ-186, no Trevo de Itaperuna). Além disso, uma unidade volante da operação percorre as principais rodovias do estado.

A Barreira Fiscal deu início às suas ações no dia 1º de fevereiro de 2010. Desde então, os agentes cumpriram 197 mandados de prisão. Além disso, foram feitos 15.630 registros de ocorrência por diversas irregularidades, sendo 9.144 por porte de entorpecentes. No total, foram apreendidos cerca 2.533 kg de drogas.

Operação Verão da Lei Seca aborda mais de mil motoristas

Blitzes diurnas acontecem nos acessos às praias, áreas de lazer e cachoeiras

A ação continua até depois do Carnaval. Neste período, também serão promovidas ações educativas a fim de alertar a população sobre os riscos de beber e dirigir

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro:

A Operação Verão da Lei Seca completou uma semana, com blitzes diurnas de fiscalização e conscientização nos principais acessos às praias, áreas de lazer e cachoeiras do Estado do Rio de Janeiro. Em uma semana foram abordados 1.360 motoristas e foram detectados 79 casos de alcoolemia. Mais de 326 multas foram aplicadas e 66 veículos foram rebocados.

 

Blitzes diurnas acontecem nos acessos às praias, áreas de lazer e cachoeiras
Blitzes diurnas acontecem nos acessos às praias, áreas de lazer e cachoeiras

A ação continua até depois do Carnaval. Neste período, também serão promovidas ações educativas a fim de alertar a população sobre os riscos de beber e dirigir.

– Pretendemos com esta terceira edição da Operação Verão que a população entenda que os riscos de misturar bebida e direção não tem hora – reforçou o coordenador Marco Andrade.

Embriaguez

Este é o terceiro ano consecutivo da Operação Verão da Lei Seca. No ano passado, foram abordados 5.814 motoristas e 538 apresentavam sinais de embriaguez. Em 2015, foram abordados 4.970 motoristas e 350 tinham sinais de alcoolemia.

Durante a Operação Verão os agentes trabalharão uniformizados com bermuda, camisa polo branca com identificação da Lei Seca e boné. As blitzes à noite continuarão sendo realizadas normalmente.

Procon

Após autuar cinco mercados de Niterói na última quarta, o Procon Estadual retornou à cidade na quinta-feira e voltou a encontrar irregularidades em todos os estabelecimentos fiscalizados. Desta vez foram quatro os mercados autuados e 120kg e 600g a quantidade de alimentos impróprios para o consumo descartados em uma nova etapa da Operação Secos e Molhados.

Nos mercados Hexa (Rua José Vicente, 763, Engenhoca) e Garritano (Rua Eduardo Luiz Gomes, 13, Centro), os fiscais constataram bacalhau e outros produtos salgados expostos à venda sem qualquer proteção, expostos a insetos e com manipulação direta por parte do consumidor. Também no Hexa, havia moscas e baratas nas áreas próximas ao açougue. Os fiscais determinaram a imediata limpeza e o reforço da dedetização.

Os fiscais deram um prazo de 20 dias para que os responsáveis pelo Multi Market da Rua Desembargador Lima e Castro, 12, no Fonseca façam reparos na loja. Foram constatados problemas no piso das câmaras frigoríficas.

Na câmara onde são armazenadas as carnes, os tendais (locais onde os ganchos são apoiados) estavam enferrujados. Já na área da padaria, não havia telas de proteção nas janelas e o piso estava quebrado. Caso as obras não sejam feitas dentro do prazo, a loja será interditada.

 

Motoristas encerram greve de ônibus em São Paulo

Os funcionários reivindicavam pagamento de salários atrasados. A assessoria de imprensa da EMTU não soube informar se os pagamentos foram regularizados

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

Após um dia de greve, motoristas e cobradores das empresas de ônibus intermunicipais do ABC Paulista retornaram ao trabalho no início da manhã desta sexta-feira. Segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) de São Paulo, gestora do serviço, a paralisação prejudicou 30 mil usuários.

Após um dia de greve, motoristas e cobradores das empresas de ônibus intermunicipais do ABC Paulista retornaram ao trabalho
Após um dia de greve, motoristas e cobradores das empresas de ônibus intermunicipais do ABC Paulista retornaram ao trabalho

Participaram da greve operadores das viações São Camilo, Urbana, Imigrantes, Riacho Grande, Triângulo e da Empresa Auto Ônibus Santo André. As permissionárias operam 29 linhas com cerca de 230 ônibus, ligando São Bernardo do Campo, Santo André, Diadema e Mauá à capital paulista, principalmente no Terminal Sacomã, zona sul.

Os funcionários reivindicavam pagamento de salários atrasados. A assessoria de imprensa da EMTU não soube informar se os pagamentos foram regularizados. À Agência Brasil não conseguiu contato com as empresas, que pertencem a um único dono, nem com o Sindicato dos Rodoviários do Grande ABC.

A EMTU informou que as empresas serão autuadas por não cumprirem com o serviço e poderão receber multas, cujos valores ainda não foram estipulados. No total, 17 empresas atendem à região do ABC Paulista. Está marcada para 19 de setembro uma audiência pública para a nova concessão das linhas metropolitanas. Na sequência, será publicado edital de licitação.

Em nota, as empresas informaram que vêm passando por sérias dificuldades financeiras desde janeiro de 2015, já que a EMTU não tem garantido o repasse de valores relativos à gratuidade para estudantes e idosos.

– Somente foi efetuado até 31/12/2015, estando pendente todo o ano de 2016. Esse repasse representa a quantia de R$ 3,8 milhões, valor que deveria chegar aos cofres das empresas mensalmente. A falta desse repasse afeta toda a instabilidade econômica das empresas, inclusive fazendo com que os pagamentos salariais sejam feitos com atraso – diz a nota.

A EMTU, por sua vez, disse não ter pendências financeiras com as empresas, incluindo o repasse do subsídio que garante a gratuidade para estudantes e idosos.

Bancários

Em seu quarto dia, a greve dos bancários atingiu mais de 40% das agências de todo o país, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito (Contec). A mobilização, que já teve a adesão de mais de 20 capitais, retomou nesta sexta-feira as negociações entre a categoria e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

Entre as principais reivindicações da categoria estão reajuste salarial de 14,78%, sendo 5% de aumento real, com inflação de 9,31%; participação nos lucros e resultados de três salários mais R$ 8.297,61; piso salarial de R$ 3.940,24; vales-alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor do salário-mínimo nacional (R$ 880); 14º salário; fim das metas abusivas e assédio moral; fim das demissões, ampliação das contratações, combate às terceirizações e à precarização das condições de trabalho; mais segurança nas agências bancárias e auxílio-educação.

A proposta da Fenaban, rejeitada pela categoria, é de reajuste de 6,5% (para uma inflação de 9,57%) e abono de R$ 3 mil, que não incide sobre os salários, nem sobre o FGTS, as férias ou o décimo terceiro.

Greve de motoristas deixa 14 mil pessoas sem ônibus em SP

Cerca de 14 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas e cobradores

A paralisação afeta nove linhas da Empresa Auto Ônibus Santo André (Eaosa). À Agência Brasil entrou em contato com a empresa, que ainda não se pronunciou sobre o assunto

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

 

Cerca de 14 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas e cobradores desde às 16h30 de quinta-feira. Os funcionários estão sem receber salários, informou a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (Emtu), gestora do serviço.

A paralisação afeta nove linhas da Empresa Auto Ônibus Santo André (Eaosa). À Agência Brasil entrou em contato com a empresa, que ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Cerca de 14 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas e cobradores
Cerca de 14 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas e cobradores

Outra greve

Há quase um mês, os funcionários da Eaosa fizeram uma paralisação contra a falta de pagamento, que deixou 15 mil pessoas sem transporte. Na ocasião, a empresa reconheceu o atraso nos salários e reclamou de falta de repasse de subsídio referente à gratuidade para estudantes e idosos por parte da Emtu, que negou as acusações.

No dia anterior, uma garagem de ônibus desativados da empresa Eaosa foi incendiada, o que resultou em, ao menos, 60 ônibus queimados. As causas do incêndio serão investigadas.

Alternativas aos usuários

As empresas de ônibus Ribeirão Pires e Rigras estão reforçando a frota de linhas com itinerários semelhantes aos que estão paralisados hoje. Ganharam reforço as linhas 040, 040EX1, 063, 063EX1, 064 e 177 da Viação Ribeirão Pires e 336 da Rigras.

A EMTU orienta aos usuários que utilizem também a linha 10 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que atende São Caetano, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Nota da empresa

A Eaosa distribuiu a seguinte nota: “A Eaosa (Empresa Auto Ônibus Santo André), situada na cidade de Mauá – SP – que faz parte de um grupo de empresas, entre elas, Viação São Camilo Ltda, Empresa Urbana Santo André, Viação Ribeirão Pires Ltda, Viação Riacho Grande Ltda, Auto Viação Triangulo Ltda e Viação Imigrantes Ltda, teve suas atividades paralisadas na quinta-feira, por volta das 16 horas, pelo atraso no último pagamento salarial que deveria ter sido efetuado no quinto dia útil de agosto.

As empresas vêm passando por sérias dificuldades financeiras desde 2015 onde, por meio da resolução STM 68/2014 (Estudante Passe Livre) e resolução STM 30/2015 (Sênior 60-64 anos), que garantiram a gratuidade deste transporte, mediante repasse do governo do Estado de  São Paulo, através da EMTU – Empresa Metropolitana de Transporte Urbano. Desta forma, a partir de janeiro de 2015, as empresas passaram a conceder a tais usuários o transporte gratuito.

Entretanto o repasse garantido pelo governo do Estado de São Paulo somente foi efetuado até 31/12/2015, estando hoje pendente todo ano de 2016. Esse repasse representa R$ 3.183.615,29, valor que deveria chegar aos cofres das empresas mensalmente e hoje já estão pendentes desde janeiro de 2016. A falta desse repasse afeta toda instabilidade econômica das empresas, inclusive fazendo com que os pagamentos salariais sejam feitos com atraso”, finaliza a nota da empresa.

Greve de motoristas deixa 15 mil pessoas sem ônibus em SP

Cerca de 15 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas

Em nota, a Eaosa reconheceu que o salário de junho, pago normalmente no quinto dia útil de julho, está atrasado

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

 

Cerca de 15 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas e cobradores desde a tarde da última terça-feira. Segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (Emtu), gestora do serviço, estão paralisadas onze linhas da Empresa Auto Ônibus Santo André (Eaosa).

Cerca de 15 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas
Cerca de 15 mil usuários de ônibus intermunicipais da cidade de Mauá, na Grande São Paulo, enfrentaram uma greve de motoristas

Os funcionários reivindicam o pagamento dos salários de junho. Na quarta-feira, às 17h, motoristas e cobradores da Viação Ribeirão Pires, que pertence ao mesmo grupo da Eaosa, e que também estavam em greve desde terça-feira, definiram retornar ao trabalho, após assembleia no Sindicato dos Rodoviários do Grande ABC. Em Ribeirão Pires, sete linhas deixaram de operar, afetando 10 mil usuários.

Em nota, a Eaosa reconheceu que o salário de junho, pago normalmente no quinto dia útil de julho, está atrasado. Segundo a empresa, a Emtu não tem repassado o subsídio que garante a gratuidade para estudantes e idosos.

– Já protocolamos inúmeros pedidos junto aos órgãos responsáveis para que a situação seja regularizada o mais breve possível. Hoje, o valor desse subsídio junto ao grupo atinge R$ 5,8 milhões. Diante da ausência do subsídio, as empresas vêm sofrendo significativo impacto nas suas atividades econômicas, dificultando, inclusive, o pagamento dos salários dos funcionários nas datas corretas. Mesmo assim, as empresas não vêm poupando esforços para honrar os pagamentos de seus colaboradores – diz a nota.

A Emtu/SP informou que não há nenhuma pendência financeira com permissionários que operam as linhas metropolitanas na região do ABC.

Paralisação de motoristas e cobradores prejudica usuários em SP

A estimativa da prefeitura é de que 540 mil usuários sejam afetados ao longo desta sexta-feira

 

De acordo com o Sindicato dos Condutores de Guarulhos e Região, as empresas alegam problemas financeiros para fazer os pagamentos

 

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

 

A paralisação desta sexta-feira de cerca de 4 mil motoristas e cobradores impediu a circulação de 600 ônibus na cidade de Guarulhos, região metropolitana de São Paulo. A estimativa da prefeitura é de que 540 mil usuários sejam afetados ao longo desta sexta-feira.

Desde as 3 horas, os trabalhadores das empresas Campo dos Ouros, Vila Galvão, Urbana Guarulhos e as intermunicipais Vila Galvão Intermunicipal e Viação Atual cruzaram os braços contra o atraso no pagamento dos salários, que deveria ter ocorrido até quinta-feira o quinto dia útil do mês.

A estimativa da prefeitura é de que 540 mil usuários sejam afetados ao longo desta sexta-feira
A estimativa da prefeitura é de que 540 mil usuários sejam afetados ao longo desta sexta-feira

De acordo com o Sindicato dos Condutores de Guarulhos e Região, as empresas alegam problemas financeiros para fazer os pagamentos, pois a prefeitura não teria repassado os valores do subsídio referente ao recolhimento do bilhete único. Além disso, a queda no número de passageiros diminuiu a receita dessas empresas, segundo o sindicato. As empresas de ônibus prometeram efetuar os pagamentos ainda nesta sexta-feira.

Em nota, a prefeitura negou atraso nos pagamentos. “A prefeitura esclarece que os repasses estão em dia e que acontecem sempre na segunda semana do mês. Para minimizar os problemas causados pela paralisação, a prefeitura montou um esquema especial com micro-ônibus que prestam serviços na cidade. Trezentos micro-ônibus estão levando os passageiros dos bairros para a região central”, diz o comunicado.

Uber começa avaliar motoristas em Salvador

A empresa Uber opera serviço de transporte individual de passageiros em 9 cidades brasileiras

 

Segundo a Uber, o cadastro dos motoristas que podem circular na capital baiana só vai ocorrer depois de uma avaliação

 

Por Redação, com ABr – de Salvador:

 

A empresa de transporte particular por aplicativo, a Uber, começou a avaliar motoristas em Salvador para fazer cadastros ainda este ano. Atualmente, a Uber faz transportes de passageiros em 261 cidades de todo o mundo. O prefeito da cidade, ACM Neto, no entanto, já sinalizou posicionamento contrário à circulação desse transporte alternativo na capital baiana.

A empresa Uber opera serviço de transporte individual de passageiros em 9 cidades brasileiras
A empresa Uber opera serviço de transporte individual de passageiros em 9 cidades brasileiras

Segundo a Uber, o cadastro dos motoristas que podem circular na capital baiana só vai ocorrer depois de uma avaliação. “(A avaliação( é feita em vários níveis. Inclui buscar talentos e compartilhar informações com os cidadãos que queiram ter uma nova oportunidade de renda com autonomia, flexibilidade e dignidade dirigindo na plataforma da Uber”.

Na última semana, o prefeito de Salvador, ACM Neto, divulgou novas regras para o funcionamento de táxis na cidade. Durante o evento, criticou o modelo de transporte praticado pela Uber. “Quero reafirmar o meu compromisso de trabalhar para combater a clandestinidade. Nós não podemos admitir que um pai ou uma mãe de família, que paga suas taxas e segue o regulamento, [passem por uma] uma competição desleal e injusta com quem está na clandestinidade, com quem não se submete às regras e não passa pelo crivo do poder público”, disse ele.

ACM anunciou a extensão do período para cobrança da bandeira 2 aos taxistas e defendeu a categoria: “Irei com unhas e dentes defender e proteger os taxistas, sempre que o interesse de vocês estiver em jogo”.

No Brasil, a Uber faz transporte alternativo individual de passageiros em 9 cidades: Brasília, Belo Horizonte, Campinas, Curitiba, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e em São Paulo, onde, em janeiro deste ano,houve confrontos entre motoristas da empresa e taxistas.

Repercussão

Compartilhado em sua página no Facebook, o discurso do prefeito dividiu opiniões. “O serviço de táxi em Salvador é muito precário. Muitos deles são despreparados e mal-educados. O Uber é um serviço que deveria ser regularizado”, defendeu o internauta Fábio Lucas. “Deveria se preocupar em regulamentar o Uber. Impossível pegar um táxi em Salvador em dia de evento”, disse o usuário do Facebook Felipe Mendonça.

Outros internautas saíram em defesa dos taxis: “Uber é concorrência desleal, haja visto que eles não têm os custos do taxista municipal. Creio que essa nova regulamentação deve contemplar isso”, disse Marco Antônio Paes. “Gente, essa prática de comércio do Uber não respeita os taxistas que são profissionais e pagam impostos e os pontos de táxis”, escreveu Natanael Yamamoto.

Em nota, a empresa Uber disse ser “completamente legal, já que os motoristas parceiros prestam o serviço de transporte individual privado, que tem respaldo na Constituição Federal e é previsto em lei federal (Política Nacional de Mobilidade Urbana, PNMU)”.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) divulgou estudo, no fim de 2015, feito em cidades brasileira onde já existe o sistema e onde não existe: “A entrada do aplicativo Uber no mercado brasileiro não influenciou de forma significativa o mercado de táxis nacional”. De acordo com o levantamento, “a empresa atende uma demanda reprimida, que não fazia uso dos serviços dos taxistas”.

A Uber é uma empresa norte-americana que credencia morotistas, depois de uma avaliação, para trabalharem com transporte particular, solicitado pelos clientes, por meio de aplicativo.