Museu do Amanhã concorre a prêmio internacional de arquitetura

Museu do Amanhã

Recentemente, o museu ganhou o Selo LEED (Liderança em Energia e Projeto Ambiental, em português) série Ouro em termos de edificação

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

O Museu do Amanhã, localizado na Praça Mauá, zona portuária do Rio de Janeiro, concorre no próximo dia 16 deste mês ao prêmio internacional MIPIM (Mercado Internacional dos Profissionais Imobiliários), em Cannes, na França, na categoria Edifício Verde Mais Inovador. Na quinta-feira, o ministro do Turismo, Marx Beltrão, visitou o local pela primeira vez.

Inaugurado no final de  2015, o museu localiza-se na zona portuária do Rio
Inaugurado no final de  2015, o museu localiza-se na zona portuária do Rio

– Estou saindo daqui impressionado com a grandeza do museu, com o conceito do museu. Beltrão destacou que o Brasil é o oitavo país do mundo em recursos culturais. Ele avaliou que as chances de o Museu do Amanhã sair vitorioso na premiação são muito boas.

– É um museu ecologicamente correto. Isso é um grande diferencial. Ele tem todo um conceito moderno, mas um conceito de sustentabilidade muito diferente de outros museus. Os benefícios do ponto de vista ecológico são fundamentais para que possa funcionar gastando pouca energia. Com relação a seu sistema de refrigeração. O que torna mais barata sua manutenção. Aqui, não só conhecemos quem nós fomos, quem nós somos e quem queremos ser, a questão do amanhã. Mas há um conceito de modernidade, de tecnologia, de sustentabilidade que está impregnado aqui no museu – afirmou.

Disputa

O Museu do Amanhã disputa com projetos de Londres e de Estocolmo e de Munique, na Alemanha. “Tudo que se faz aqui, no museu, nós não fazemos pensando meramente no resultado eficaz daquilo que se implanta, mas de que forma sustentável podemos fazer aquilo acontecer”, explicou o diretor executivo do museu, Henrique Oliveira.

Segundo Oliveira, isso ocorre desde a limpeza dos vidros, feita com produtos biodegradáveis, até a limpeza do espelho d’água, que usa cloração natural, para evitar o envolvimento de produtos químicos. A energia captada é solar.

Recentemente, o museu ganhou o Selo LEED (Liderança em Energia e Projeto Ambiental, em português) série Ouro em termos de edificação, que comprova o grau de sustentabilidade no local. O espanhol Santiago Calatrava é o arquiteto do Museu do Amanhã, cujos desenvolvedores são a prefeitura do Rio e a Fundação Roberto Marinho.

Rio: Museu do Amanhã ficará fechado no Natal e Ano Novo

O Museu do Amanhã, localizado na nova Praça Mauá, região portuária do Rio de Janeiro

As novidades para os próximos seis meses incluem a exposição Milênios Cósmicos: cartas celestes para os próximos 100 mil anos

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

O Museu do Amanhã, localizado na nova Praça Mauá, região portuária do Rio de Janeiro, não abriu as portas para o público neste sábado e domingo, e também nos dias 31 de dezembro e 1º de janeiro de 2017. Nos demais dias, o espaço vai funcionar normalmente, informou a instituição, por meio de sua assessoria de imprensa. 

O Museu do Amanhã, localizado na nova Praça Mauá, região portuária do Rio de Janeiro
O Museu do Amanhã, localizado na nova Praça Mauá, região portuária do Rio de Janeiro

Diariamente, em três sessões, o espaço oferece o evento Trilhar os Amanhãs, que consiste em visitas mediadas com educadores pela exposição principal, englobando cinco grandes módulos, que são Cosmos, Terra, Antropoceno, Amanhãs e Nós. Cada grupo tem até 20 vagas e as inscrições devem ser feitas 30 minutos antes do início da atividade, na bilheteria.

A programação do museu para o primeiro semestre de 2017 foi divulgada. Deverá sofrer atualizações a partir de fevereiro. Permanecem abertas à visitação duas exposições temporárias, inauguradas este ano, que são. Rolé pelo Rio Hackeado, no Laboratório de Atividades do Amanhã. Trata do empoderamento das cidades por pessoas inquietas, os chamados hackers, até 2 de fevereiro. O Poeta Voador, Santos Dumont”, que aborda a vida e as invenções do Pai da Aviação, que ficará no local até 19 de fevereiro.

As novidades para os próximos seis meses incluem a exposição Milênios Cósmicos: cartas celestes para os próximos 100 mil anos. Mostra o mapa celeste a partir do Polo Norte na véspera de Ano-Novo a cada 10 mil anos, para os próximos cem mil anos.

– Obras que integram artesanato analógico tradicional com desenhos feitos por um robô e dados de visualizações astronômicas. Os futuros mapas de estrelas foram feitos sobre panos de algodão, que foram tingidos usando o processo de tintura índigo tradicional – informou a assessoria da instituição. A inauguração está prevista para janeiro de 2017.

Exposição

Outra exposição abordará o surgimento de uma possível nova categoria de refugiados. Os ambientais. Utilizando fotografias cedidas pela agência de notícias France Presse e pela Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

Será exibido ao público o problema dos deslocamentos forçados provocados por eventos extremos da natureza. Como enchentes, secas, tsunamis, terremotos. Entre outros, que contribuem para a criação de uma nova categoria de refugiados, que são os ambientais. O nome da mostra, bem como a data de estreia estão sendo definidos pela equipe do Museu do Amanhã e serão divulgados em breve.  

Uma segunda exposição ainda sem nome promete abranger as inovações feitas no Brasil. “De forma lúdica. A exposição fará o visitante embarcar numa viagem pelo mundo das invenções e criações do Brasil. Todos podem inovar.

A exposição representa os caminhos que envolvem e interferem na concepção e no desenvolvimento de uma ideia ou processo. Destacando a evolução criativa presente na produção de projetos brasileiros”.

Maiores informações podem ser obtidas no ‘site‘ do museu.

Museu do Amanhã terá programação especial durante a Paralimpíada

As atividades ocorrerão durante toda a Paralimpíada Rio 2016, que será realizada no perído de  7 a 18 deste mês

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

 

O Museu do Amanhã, situado na zona portuária do Rio de Janeiro, terá a partir desta semana uma programação especial voltada para os temas de acessibilidade e inclusão. As atividades ocorrerão durante toda a Paralimpíada Rio 2016, que será realizada no perído de  7 a 18 deste mês.

Museu do Amanhã terá agenda com foco na acessibilidade e inclusão
Museu do Amanhã terá agenda com foco na acessibilidade e inclusão

A agenda começa nesta segunda-feira, com debate sobre o tema “Acessibilização e tecnologias assistivas emergentes”, para discutir como pessoas com deficiência podem ser incluídas sociodigitalmente. Na terça-feira, pela manhã, o museu recebe a chama paralímpica na primeira solenidade oficial do evento na capital fluminense. A tocha chegará ao Rio após percorrer cinco cidades desde o dia 1º: Brasilia, Belém, Natal, Joinville e São Paulo, representando as cinco regiões brasileiras.

Ainda na terça-feira, à tarde, será exibido o documentário Paratodos, do diretor Marcelo Mesquita, que aborda a inclusão pelo esporte, passando pelos limites do corpo e histórias de superação de atletas paralímpicos.

No dia seguinte, o público poderá assistir também ao documentário O Homem Pode Voar, do jornalista Nelson Hoineff, que mostra a trajetória do patrono da aviação, o inventor brasileiro Alberto Santos Dumont.

A partir do dia 13 de setembro, estará aberta a exposição Horizontes Possíveis – Arte como Refúgio, com obras dos artistas Ali Abdulla e Anas Rjab, que deixaram a Síria para fugir da guerra civil instalada desde 2011. Segundo a assessoria de imprensa do Museu do Amanhã, a exposição tem parceria da entidade de direitos humanos Cáritas e curadoria conjunta da gerência de Conteúdo do Museu do Amanhã, com Felippe Moraes. A mostra ficará aberta até 25 de setembro.

No dia 14, o neurocientista Roberto Lent apresenta ao público a diferença do funcionamento cerebral de um atleta e um paratleta olímpicos na palestra O Cérebro Atleta.

Seguem também abertas à visitação até o dia 14, a exposição Capte-Me: nenhuma Presença Será Ignorada”, com informações sobre rastros digitais produzidos pelo homem; a mostra fotográfica Esporte e Cérebro, A Expansão do Corpo pela Tecnologia, que apresenta a capacidade do cérebro de incorporar ferramentas artificiais como membros reais, até o dia 2 de outubro; além da exposição O Poeta Voador, Santos Dumont, sobre a vida e obra do inventor brasileiro, até 30 de outubro.

Durante o mês de setembro, a venda de ingressos será feita exclusivamente pelo site www.museudoamanha.org.br.

Museu do Amanhã: Rio comemora mais de 100 mil visitantes

 

Em A Ciência nos Bastidores do Museu do Amanhã, os cientistas e consultores que ajudaram a elaborar o conteúdo da exposição principal realizam um bate-papo

Por Redação, com ARN – do Rio de Janeiro:

Em menos de um mês, o Museu do Amanhã chegou à marca dos 100 mil visitantes. Com uma média de 4,5 mil pessoas por dia desde a abertura ao público, em 19 de dezembro, o museu, que integra a rede de equipamentos da Prefeitura do Rio, se consolidou rapidamente como novo ponto turístico da cidade, na Praça Mauá. Após o “viradão de inauguração”, quando funcionou durante 32 horas ininterruptas, reunindo 26 mil visitantes, o recorde de visitação foi em 27 de dezembro, com oito mil pessoas.

— É uma marca tão significativa que reforça a vocação cultural da Praça Mauá e da região no entorno que tem extrema relevância para a própria formação da identidade carioca — disse o secretário municipal de Cultura, Marcelo Calero, que recepcionou a visitante número 100 mil, a dona de casa Elizabeth Rodrigues, junto com o presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), Alberto Silva, o secretário municipal de Ciência e Tecnologia, Franklin Coelho; e o diretor de desenvolvimento de público do Museu do Amanhã, Alexandre Fernandes.

Em menos de um mês, o Museu do Amanhã chegou à marca dos 100 mil visitantes
Em menos de um mês, o Museu do Amanhã chegou à marca dos 100 mil visitantes

Até o dia 21 de fevereiro, o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio participam o programa Mauá Museu Poente, da Secretaria Municipal de Cultura, que estende o horário de funcionamento dos dois equipamentos culturais. Neste período os museus funcionam entre 12h e 20h, dando oportunidade para que turistas e cariocas possam curtir o pôr-do-sol na Praça Mauá.

Quem quiser visitar os dois museus da praça ganha 20% de desconto com o Bilhete Único dos Museus, que está disponível na bilheteria dos dois locais. Cariocas e moradores da Cidade pagam R$ 8,00 e turistas, R$ 16,00. O Bilhete Único dos Museus pode ser utilizado num prazo de até sete dias corridos.

O público tem novos motivos para ir ao Museu a partir de janeiro. Além da Exposição Principal e das duas exposições temporárias, Perimetral e É permitido permitir, o espaço oferece cinco grandes eventos regulares e gratuitos, para grupos agendados e espontâneos.

No Passeio das Baratas, o público é levado a percorrer o Museu do Amanhã fantasiado como o inseto, que habita a Terra há 300 milhões de anos. A ideia é enxergar o mundo sob a perspectiva de uma das espécies mais antigas e resistentes do planeta – questionando, portanto, a própria ideia de “amanhã”.

As fantasias de baratas foram elaboradas por artesãos da escola de samba Vizinha Faladeira, cujo galpão fica próximo ao museu. O tour, criado pelo coletivo dinamarquês Superflex, foi apresentado no Museu de Ciências de Londres e ganhou roteiro exclusivo para o Museu do Amanhã, com atores também fantasiados conduzindo a visitação.  O passeio acontece aos sábados e domingos, das 14h às 18h. É preciso reservar lugar 30 minutos antes de cada sessão, na recepção do museu. A atividade tem duração de 50 minutos. Recomendado para crianças a partir de 5 anos. Evento gratuito, para visitantes com ingresso de entrada. Não há acesso por fila especial.

Em A Ciência nos Bastidores do Museu do Amanhã, os cientistas e consultores que ajudaram a elaborar o conteúdo da exposição principal realizam um bate-papo informal com o público, apresentando as principais perspectivas para o futuro dentro das áreas de pesquisa abordadas pelo Museu.

São estudiosos das áreas de ciências exatas, humanas e biológicas, ligados a universidades do Brasil e do exterior, que irão desvendar aos visitantes os detalhes e desafios envolvidos no planejamento da exposição. A lista completa dos palestrantes do mês de janeiro e o formulário de inscrição para as palestras já estão disponíveis neste site.

A Ciência nos Bastidores do Museu do Amanhã, às terças e quintas-feiras de janeiro e fevereiro, às 17h30. A inscrição é feita 24 horas antes de cada palestra, por meio de um formulário online disponível neste site. Evento gratuito, que não inclui o ingresso para o Museu do Amanhã. Acesso por fila expressa e sujeito à lotação.

Para quem quiser se aprofundar mais no conteúdo da exposição principal, “Trilhar os Amanhãs” é uma visita mediada pela equipe de Educação do Museu, que apresenta sua conceituação geral e os detalhes de seus cinco grandes módulos: Cosmos, Terra, Antropoceno, Amanhãs e Nós.

A partir do dia 30 deste mês, o Educativo oferece para o público não agendado duas novas atrações. Mauá 360º apresenta uma narrativa sobre a história da cidade do Rio de Janeiro a partir da arquitetura das construções no entorno da Praça Mauá. Finalmente, em É uma nave? É um pássaro? É um avião?, são explorados os aspectos arquitetônicos únicos da construção do Museu, desvendando as várias formas com que o prédio se parece. As duas atrações são conduzidas por educadores do Museu do Amanhã, profissionais de diversas áreas, historiadores, cientistas, arquitetos e museólogos.

Museu do Amanhã recebe multidão após aberto ao público

Diretor explica que uma das grandes atrações do museu é o próprio prédio do museu, que lembra um imenso veleiro, “ancorado” em frente à Baía de Guanabara

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Mais de 6 mil pessoas visitaram o Museu do Amanhã, entre as 10h e as 14h30 deste sábado. O museu, que é um dos símbolos da revitalização da zona portuária do Rio de Janeiro, havia sido inaugurado na última quinta-feira, mas só foi aberto ao público na manhã deste sábado.

O Museu do Amanhã foi construído na Praça Mauá, Centro do Rio
O Museu do Amanhã foi construído na Praça Mauá, Centro do Rio

Apesar do sol forte, desde cedo, filas se formaram para entrar no espaço cultural, localizado no Píer Mauá. De acordo com o presidente do Museu do Amanhã, Ricardo Piquet, o público superou as expectativas da organização. Como o museu ficará aberto até as 20h de domingo, estima-se que 20 mil pessoas devem passar pelo local neste final de semana.

Museu do Amanhã é monumento

Piquet explica que uma das grandes atrações do museu é o próprio prédio, que lembra um imenso veleiro, “ancorado” em frente à Baía de Guanabara. O edifício foi projeto pelo escritório de Santiago Calatrava, premiado arquiteto suíço-espanhol responsável por obras como o Estádio Olímpico de Atenas, usado nos Jogos de 2004.

Além de exibições temporárias, o museu tem uma exposição permanente, no segundo piso, com instalações multimídia sobre o universo, o planeta Terra e a humanidade. A ideia é levar o público a refletir sobre o passado e o futuro do ser-humano.

— É um museu de ciência que trata da sustentabilidade do planeta e que propõe uma reflexão sobre o futuro da humanidade. Tomara que as pessoas entrem aqui, no Museu, e saiam com algumas respostas. Mas que elas saiam muito mais com perguntas, para entender melhor de onde nós viemos e para onde nós vamos — disse Piquet.