Bumlai assume pagamentos a Delcídio, mas nega obstrução à Lava Jato

O pecuarista negou qualquer envolvimento com Cerveró, com quem não tinha nenhuma relação antes do ex-diretor ser preso, em 2015

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O pecuarista José Carlos Bumlai confirmou nesta sexta-feira que seu filho, Maurício Bumlai, fez dois repasses de R$ 50 mil ao ex-senador Delcídio do Amaral, mas negou que o dinheiro tenha qualquer relação com a compra do silêncio do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró.

O pecuarista José Carlos Bumlai
O pecuarista José Carlos Bumlai

Na ação em que prestou depoimento nesta sexta-feira, Bumlai é réu junto com Delcídio, Lula. O banqueiro André Esteves e mais duas pessoas. Todos acusados de buscar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. Ao tentarem impedir que Cerveró assinasse um acordo de delação premiada com a Justiça.

O pecuarista, que já foi condenado a nove anos de prisão na primeira instância em outro caso da Lava Jato. Cumpre prisão domiciliar em São Paulo. Ele foi interrogado nesta sexta-feira pelo juiz Ricardo Soares Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília.

Bumlai confirmou que Delcídio de fato falou sobre uma possível delação de Cerveró em uma conversa que teve em 2015 com seu filho, Maurício Bumlai, mas este teria recusado qualquer envolvimento com o assunto.

– Ele (Maurício) falou não, que ele não ia fazer isso, porque não tínhamos nada a ver com Nestor Cerveró. Depois ele (Delcídio) voltou e pediu ajuda em caráter pessoal. Para manter o padrão de vida que ele tem, não era com salário de senador – disse José Carlos Bumlai.

– Inicialmente o pedido foi R$ 50 mil , ele (Maurício) deu. Ai teve um segundo pedido de mais R$ 50 mil e ele deu também, e é só – afirmou Bumlai, reiterando que as quantias teriam sido entregues por seu filho somente para manter uma boa relação com o então senador, cujo poder poderia prejudicar os negócios dos Bumlai.

Envolvimento com Cerveró

O pecuarista negou qualquer envolvimento com Cerveró, com quem não tinha nenhuma relação antes do ex-diretor ser preso, em 2015. Os dois dividiram uma cela por quase um ano na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. “Se eu tivesse que pedir alguma coisa teria pedido ali”, disse Bumlai, que classificou a acusação de “absolutamente mentirosa”.

À época dos repasses, em 2015, Delcídio chegou a ser preso em pleno exercício do cargo de senador, acusado de tentar montar um esquema para impedir a delação premiada de Cerveró. Ao Conselho de Ética do Senado, no processo que resultaria na cassação de seu mandato, ele disse ter encaminhado R$ 250 mil dados por Bumlai para o ex-diretor da Petrobras a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em depoimento anterior no mesmo caso, Bernardo Cerveró, filho de Nestor, admitiu ter recebido dois repasses de R$ 50 mil de Delcídio, a título de “ajuda à família”. Segundo ele, o então senador chegou a pedir para que seu pai não celebrasse acordo de delação premiada.

Na próxima terça-feira, às 10h está marcado o depoimento de Lula no caso. O advogado do ex-presidente confirmou que ele comparecerá à audiência. 

Grab comprará startup de pagamentos online

O negócio será financiado com os US$ 700 milhões que a Grab prometeu investir na Indonésia, seu principal mercado, nos próximos quatro anos

Por Redação, com Reuters – de Jacarta:

A empresa de serviços de transporte Grab deve anunciar nesta semana acordo para comprar a startup indonésia de pagamentos online Kudo por mais de US$ 100 milhões, disse uma fonte com conhecimento do assunto, um uma medida que ajudará o grupo a conquistar mais clientes.

A empresa de serviços de transporte Grab deve anunciar nesta semana acordo para comprar a startup indonésia
A empresa de serviços de transporte Grab deve anunciar nesta semana acordo para comprar a startup indonésia

O negócio será financiado com os US$ 700 milhões que a Grab prometeu investir na Indonésia, seu principal mercado, nos próximos quatro anos, acrescentou a fonte, que se recusou a ser identificada porque a informação não era pública.

Fundada em 2014, a Kudo facilita transações online para consumidores na Indonésia. De acordo com seu site. A companhia atende pessoas sem conta bancária ou de cidades pequenas, ajudando-as a efetuar compras online por meio de seus agentes.

O acordo pode ser anunciado ainda nesta semana, e a Grab – principal rival do Uber Technologies no Sudeste Asiático. Aposta na transação para expandir sua atuação em pagamentos online, de acordo com a fonte.

Tanto Grab quanto Kudo se recusaram a comentar o assunto.

A expansão deve intensificar a concorrência entre empresas de serviços de transporte compartilhado na Indonésia. Entre os rivais no país com população de 250 milhões de pessoas. A Grab disputa espaço com o Uber e o local Go-Jek.

No ano passado, a Grab se juntou ao conglomerado indonésio Lippo Group para desenvolver uma plataforma online de pagamento. Com a parceria, os clientes podem usar o aplicativo do Grab para efetuar pagamentos em lojas de varejo da Lippo em todo o país.

A Grab, que foi cofundada pelo egresso da Harvard Business School Anthony Tan, captou US$ 750 milhões em setembro passado. Mais de um mês após sua rival indonésia, a Go-Jek, ter recebido US$ 550 milhões dos investidores. Incluindo a KKR e a Warburg Pincus.

Verizon

A Verizon Communications vai introduzir um plano de dados ilimitado nesta segunda-feira. O primeiro em mais de cinco anos, no mais recente esforço para atrair clientes. Conforme a concorrência se acirra entre as operadores.

O plano, anunciado no domingo, dará acesso ilimitado de dados aos clientes em smarthphones e tablets na rede 4G. O anúncio surge um dia após a rival Sprint Corp introduzir seu novo plano de dados ilimitado.

A opção ilimitada parece ser uma mudança de direção para a Verizon. Após executivos de alto escalão da empresa aterem dito no mês passado que não buscavam produtos desse tipo ao serem questionados por analistas se a empresa não precisava ser mais agressiva no mercado.

– Nós constantemente olhamos…as possibilidades. Ilimitado é uma das coisas que alguns dos nossos concorrentes têm neste momento. Não é algo que sentimos que precisamos – disse Matthew Ellis, presidente da Verizon, a analistas durante a teleconferência de resultados.

– Mas como digo, estamos continuamente monitorando o mercado e veremos para onde vamos no futuro – acrescentou.

O plano ilimitado da Verizon custa US$ 80 por mês, e US$ 45 por linha para quatro linhas. A empresa parou de oferecer planos de dados ilimitados para a maioria dos clientes em 2011.

Chefe do Comitê Olímpico do Japão é interrogado por pagamentos suspeitos

No ano passado, procuradores franceses anunciaram uma investigação sobre mais de US$ 2 milhões de pagamentos feitos pelo comitê da campanha japonesa à consultoria Black Tidings

Por Redação, com Reuters – de Tóquio:

Procuradores de Tóquio interrogaram o presidente do Comitê Olímpico do Japão por pagamentos suspeitos feitos a uma empresa de consultoria de Cingapura durante a campanha da capital japonesa para sediar os Jogos de 2020, relatou a agência de notícias Kyodo nesta quarta-feira.

Procuradores de Tóquio interrogaram o presidente do Comitê Olímpico do Japão por pagamentos suspeitos feitos a uma empresa de consultoria de Cingapura
Procuradores de Tóquio interrogaram o presidente do Comitê Olímpico do Japão por pagamentos suspeitos feitos a uma empresa de consultoria de Cingapura

O interrogatório de Tsunekazu Takeda, que comandou a campanha bem-sucedida. E de várias outras pessoas envolvidas na candidatura foi voluntário. E realizado a pedido de autoridades da França. Segundo a Kyodo. Takeda e os outros negaram ter feito algo ilegal, disse a agência.

A procuradoria de Tóquio e o Comitê Olímpico do Japão não quiseram comentar a reportagem quando foram contactados pela agência inglesa de notícias Reuters.

No ano passado. Procuradores franceses anunciaram uma investigação sobre mais de US$ 2 milhões. Pagamentos feitos pelo comitê da campanha japonesa à consultoria Black Tidings.

Corrupção

A Black Tidings é comandada por Ian Tan Tong Hon, conhecido por ser amigo de Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack, ex-dirigente de atletismo internacional acusado de corrupção.

As autoridades japonesas vêm repetindo que os pagamentos foram taxas de consultoria legítimas. Uma comissão incumbida pelo Comitê Olímpico de investigar o assunto confirmou em setembro.

Os organizadores da Tóquio 2020 vêm lidando com uma série de dores de cabeça. Entre elas custos crescentes e pedidos de mudança de alguns locais de competição.

O clube de campo que irá sediar os torneios de golfe. Se tornou alvo de críticas por sua política de impedir que mulheres se tornem membros plenos da entidade. E um grupo de expositores está pedindo a Tóquio para encontrar um novo local. Para o centro de mídia dos Jogos em vez de usar o complexo que o grupo normalmente utiliza para suas feiras.

Trump é processado por pagamentos estrangeiros a suas empresas

A ação diz que a violação está relacionada a leasings de governos estrangeiros em Trump Towers e outras transações envolvendo propriedades do presidente

Por Redação, com Reuters – de Washington:

O presidente norte-americano, Donald Trump, está sendo processado por pagamentos estrangeiros a suas firmas, em ação impetrada em um tribunal federal em Manhattan, segundo informações da Justiça.

O presidente norte-americano, Donald Trump
O presidente norte-americano, Donald Trump

A ação acusa Trump de violar a cláusula da Constituição dos Estados Unidos sobre “emolumentos estrangeiros”.

A ação diz que a violação está relacionada a leasings de governos estrangeiros em Trump Towers e outras transações envolvendo propriedades do presidente.

As violações estariam relacionadas também, segundo a ação, a pagamentos de redes de TV controladas por governos estrangeiros para a reexibição ou versões estrangeiras de O Aprendiz.

A ação busca proibir Trump de aceitar pagamentos de governos estrangeiros que violem a Constituição.

Primeiros dias

As calçadas dos quarteirões ao redor da Casa Branca amanheceram no domingo cheias de placas com os dizeres Love Trumps Hate (O Amor Vence o Ódio, em um trocadilho) e “Construa Pontes, Não Muros”. Resquícios da Marcha das Mulheres em protesto contra as políticas do presidente dos EUA, Donald Trump.

Tanto as mulheres e homens que participaram da manifestação em massa contra Trump em Washington, no sábado. Quanto os apoiadores do presidente contemplaram os vestígios do protesto e ponderaram sobre as primeiras e agitadas 48 horas de governo do republicano.

Para Mary Forster, que participou de sua primeira manifestação política naquele dia. O final de semana só reforçou os temores de que o país está se dividindo ainda mais após uma eleição amarga.

– Sinto que estamos ficando ainda mais distantes – disse Mary, especialista em regulamentos ambientais, de 42 anos, de Ithaca, em Nova York. “Realmente não existe mais meio termo. Parece que o estamos perdendo”.

Ela já votou tanto em democratas como em republicanos no passado. Mas se sentiu motivada a marchar devido às preocupações causadas pelos comentários e plataformas do empresário. Agora presidente Trump, muitos dos quais são vistos pela esquerda norte-americana como prejudiciais a mulheres e minorias.

Mulheres

Como Mary, milhões de mulheres, encorajadas por familiares e amigos homens, se uniram a marchas em várias cidades dos Estados Unidos. Em um desafio a Trump que se mostrou muito maior do que o esperado.

– Antes havia mais coisas que nos uniam, e agora sinto que estamos mais divididos do que costumávamos ser – afirmou Mary.

Essa visão é compartilhada por muitos compatriotas dela. Uma pesquisa do Centro de Pesquisa Pew divulgada na quinta-feira revelou que 86 % dos norte-americanos acreditam que a nação está mais segmentada politicamente do que no passado. Muito mais do que os 46 % que tinham essa opinião oito anos atrás. Pouco antes da posse do ex-presidente Barack Obama.

Democratas e republicanos concordaram com essa visão. Uma mudança acentuada em relação a 2009, quando mais da metade dos republicanos e cerca de quatro de cada dez democratas acreditavam que o país estava se tornando mais dividido.

Para muitos observadores, a divisão provavelmente irá se exacerbar com Trump, que surpreendeu os dois partidos ao vencer a democrata Hillary Clinton na eleição de novembro e deixou sua marca na política internacional com discursos ríspidos e muitas vezes ofensivos.

Congresso piora

– Assisti aos protestos no domingo mas tinha a impressão de que acabamos de ter uma eleição! Por que essas pessoas não votaram? – escreveu Trump no Twitter na manhã de domingo, acrescentando uma nota conciliatória. “Mesmo que eu nem sempre concorde, reconheço os direitos das pessoas de expressarem suas visões”.

A maioria dos participantes das marchas entrevistados pela agência inglesa de notícias Reuters disse ter votado na ex-secretária de Estado Hillary Clinton. As maiores manifestações aconteceram em Estados vencidos por Hillary na eleição. Como Califórnia, Nova York, Illinois, Massachusetts e o distrito de Columbia.

O discurso de posse de Trump, na sexta-feira, ofereceu pouco no que diz respeito a mensagens de união.

O presidente fez um apelo diretamente a seus apoiadores. Apontando para o quadro desolador de uma “carnificina americana”. Um país repleto de fábricas enferrujadas e assolado pelo crime. E prometeu que “deste dia em diante será somente a América em primeiro lugar”.

Visão sombria

A visão sombria dos EUA que o presidente de 70 anos evoca com frequência é desmentida por estatísticas que mostram níveis baixos de desemprego e crime. Mas Trump conquistou muitos votos. Em partes da nação onde a indústria manufatureira foi duramente afetada e as pessoas se sentem abandonadas.

O domínio republicano em Washington leva a crer que as divergências partidárias só irão se aprofundar. Pelo menos durante os dois próximos anos até as próximas eleições parlamentares.

– Não há dúvida de que Trump exacerbou as divisões que já existiam nos Estados Unidos em temas importantes. Que vão da segurança nacional aos direitos civis e à mudança climática – disse Wendy Schiller, professora de ciência política da Universidade Brown.

– Dividir o país é uma receita para se vencer eleições. Mas não é uma receita para um governo bem-sucedido.

Republicanos

Como os republicanos controlam as duas casas do Congresso, o partido não terá muita necessidade de buscar o consenso. Os democratas também podem preferir simplesmente protestar contra as propostas dos adversários. Ao invés de negociar, para mobilizar sua base eleitoral para as eleições de meio de mandato. Disseram observadores políticos.

– A ideologia dos parlamentares do Partido Democrata é à esquerda da média dos democratas. E o mesmo vale do lado republicano, estão à direita – disse Jeffrey Berry, professor de ciência política da Universidade Tufts, nos arredores de Boston.

– O Congresso piora isso. Não é uma força moderadora.

Rio suspende pagamentos a fornecedores e prestadores de serviços

O decreto, no entanto, não se aplica aos contratos com as secretarias de Educação, Segurança, Administração Penitenciária, Saúde e Defesa Civil, e seus órgãos vinculados

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

O governo do Rio decidiu suspender o pagamento a prestadores de serviços e fornecedores de diversos órgãos estaduais. De acordo com o decreto, publicado nesta quinta-feira no Diário Oficial do Estado.

O governo do Rio decidiu suspender o pagamento a prestadores de serviços e fornecedores de diversos órgãos estaduais
O governo do Rio decidiu suspender o pagamento a prestadores de serviços e fornecedores de diversos órgãos estaduais

Ficam suspensas, por 30 dias, novas liberações para empenho das despesas para o desenvolvimento das atividades administrativas dos órgãos estaduais, incluindo as despesas de custeio previsíveis.

O decreto, no entanto, não se aplica aos contratos com as secretarias de Educação, Segurança, Administração Penitenciária, Saúde e Defesa Civil, e seus órgãos vinculados. Além disso, estão mantidos os empenhos de despesas para o cumprimento dos índices de educação previstos pela Constituição Federal.

No caso das demais secretarias.  Caso o decreto impeça a prorrogação de contrato imprescindível, elas deverão formular um pedido ao governador. Outra medida prevista pelo decreto é a devolução de parte dos servidores requisitados de outros entes federativos.

Durante os 30 dias de suspensão dos pagamentos, as secretarias de Fazenda e de Planejamento e Gestão farão um estudo para definir se esse prazo será prorrogado.

Rio 2016

O secretário estadual de turismo, Nilo Sérgio Félix, disse que o maior desafio do Rio.  Após os Jogos Rio 2016, será continuar a ser atrativo e buscar meios de levar mais turistas ao Estado. Ele estima que, durante os Jogos, imagens do Rio foram vistas por 5 bilhões de pessoas.

A declaração foi dada durante reunião do Conselho Estadual do Turismo, no bairro do Flamengo, zona sul da cidade. O conselho é formado por 54 representantes de vários segmentos e tem como meta fomentar o desenvolvimento sustentável do turismo no estado, articulando os setores público e privado.

– Os Jogos foram um sucesso não somente para a cidade como para todo o estado. Tivemos 5 bilhões de pessoas vendo [pela televisão] a cerimônia de abertura, de encerramento, as competições, etc. É um número altamente expressivo e que traz grandes resultados como maior entrada de turistas, seja na baixa época como em períodos de grandes festividades como réveillon, carnaval e outros”, disse.

Economia pode crescer mais

Segundo ele, no entanto, não dá para simplesmente “cruzar os braços”. Depois dessa superexposição do estado. “Aumentamos o número de quartos (de hotéis]) de 29 mil para 60 mil. Estamos investindo em mídia e eventos, entre muitas ideias e programas para continuar crescendo.

A pretensão é aumentar o fluxo de pessoas, a permanência delas e o crescimento da diária média. O turismo tem que se basear nessas três questões para tornar uma cidade sempre mais atrativa”, disse.

O secretário municipal de turismo, Antonio Pedro Figueira de Mello, anunciou que a cidade já tem acertado 173 eventos até o ano de 2020.  Além de congressos, feiras e outras atividades. Lembrou que experiências passadas com, por exemplo. A Jornada Mundial da Juventude e a Copa do Mundo contribuíram para que os Jogos Rio 2016 fossem bem sucedidos.

– Tivemos mais de um milhão de turistas somente na cidade, conhecendo o Rio e a nossa cultura, movimentando a economia e o turismo, isso sem falar em todo o estado. Foi muito intenso, mas nos saímos muito bem. Apanhamos muito, todos diziam que a cidade não receberia bem o público por conta da zika, violência, terrorismo, mas o balanço final é de sucesso absoluto – comemorou.

Estudantes poderão pagar parte da mensalidade fora do Fies

Instituições de ensino privadas consideram que estudantes talvez tenham de pagar parte da mensalidade fora do financiamento
Instituições de ensino privadas consideram que estudantes talvez tenham de pagar parte da mensalidade fora do financiamento
Instituições de ensino privadas consideram que estudantes talvez tenham de pagar parte da mensalidade fora do financiamento

Embora o Ministério da Educação (MEC) tenha se comprometido a realizar todos as renovações do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), as instituições de ensino privadas dizem que a situação ainda não está resolvida: os estudantes correm o risco de ter de pagar parte da mensalidade fora do financiamento. O MEC nega que isso vá ocorrer.

O MEC comprometeu-se a financiar integralmente as mensalidades que tiveram um reajuste de até 6,41% em relação ao valor cobrado no ano passado. Os alunos que estão renovando os contratos com reajustes acima desse teto estão recebendo aviso de que a instituição ainda terá de explicar o reajuste ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que gerencia o Fies.

– Os alunos estão pensando que [o problema] está resolvido, mas recebem um aviso de que (renovação) é preliminar”, diz o diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES), Sólon Caldas. Segundo ele, o MEC colocou uma trava no financiamento, paga o reajuste até o limite de 6,41%, mas isso não significa que a instituição seja obrigada a reajustar a mensalidade neste valor. “A instituição teve um reajuste de 10%, o MEC paga 6,4%, quem paga o resto? Falta o MEC esclarecer isso para o aluno”, exemplifica.

O limite colocado pelo MEC equivale à inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2014. Segundo Caldas, os reajustes das instituições não seguem necessariamente o índice. A média de reajustes foi 9% no período.

Ao estipular o limite, o MEC argumentou que a trava serve para evitar cobranças abusivas e garantir que os estudantes consigam quitar a dívida quando sairem da faculdade. A pasta, junto com o Ministério da Justiça, formou um grupo de trabalho para analisar a evolução dos valores cobrados nas mensalidades e financiados pelo fundo.

Em uma das reuniões desse grupo, de acordo com documento assinado por 38 entidades nacionais e estaduais do setor privado, e disponibilizado na Internet, o MEC propôs que as instituições reajustassem a mensalidade em 6,41% para ter o valor todo coberto pelo Fies no semestre, ou que não cobrassem a diferença.

Para as entidades, isso não é uma possibilidade: os estudantes que não têm o financiamento estão pagando o valor cheio do reajuste desde o começo do ano. “Não podemos ter preços diferentes para alunos no mesmo curso com e sem Fies. Fere o princípio da isonomia. A instituição não pode baixar o preço para atender à vontade do MEC e cobrar preço menor do que quem paga com recurso próprio”, diz Caldas. A ABMES é uma das signatárias.

O documento cita também que foram apresentados pelo FNDE casos pontuais de reajustes de até 220%, o que justificaria a imposição de um limite. Para as entidades tratam-se de casos pontuais, que “certamente” são objeto de investigação pelas “autoridades competentes”.

O FNDE diz que “este processo não deve ter impacto para o estudante com financiamento no Fies, que não deve ser discriminado ou impedido de frequentar aulas ou fazer exames. Os contratos com os estudantes devem ser cumpridos”.

Informa ainda que Amaury de Oliva, da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, e Antonio Correa Neto, do FNDE, a quem a carta foi endereçada, “responderão nos próximos dias diretamente às entidades”. O grupo formado pelo MEC e o Ministério da Justiça ainda não concluiu os trabalhos. Por enquanto, o grupo analisa a evolução dos valores financiados pelo Fies. “A partir dessa análise, o MEC e o FNDE notificarão, individualmente, as instituições de ensino superior (IES) para [convocar] reuniões com o objetivo de tratar dos reajustes acima do patamar originalmente estabelecido no SisFies – Sistema Informatizado do Fies”.

O Fies oferece cobertura da mensalidade de cursos em instituições privadas de ensino superior a juros de 3,4% ao ano. O estudante começa a quitar o financiamento 18 meses após a conclusão do curso. O programa acumula 1,9 milhão de contratos e abrange mais de 1,6 mil instituições.

O prazo para as renovações vai até o dia 29 de maio. De acordo com o último balanço do MEC, faltam ser renovados 148.757 contratos.

Samsung Electronics pode elevar dividendos deste ano em até 50% ante 2013

Um júri norte-americano manteve em US$ 119,6 milhões o valor total da indenização que a Samsung deverá pagar à Apple
As ações da companhia se recuperaram de uma mínima atingida em outubro graças em parte ao anúncio da empresa
As ações da companhia se recuperaram de uma mínima atingida em outubro graças em parte ao anúncio da empresa

 

A sul-coreana Samsung Electronics disse nesta sexta-feira que está considerando elevar seu pagamento de dividendos em 2014 em até 50 %, na mais recente tentativa de impulsionar o preço de seus papéis em um ano impactado por resultados decepcionantes.

A maior fabricante de smartphones do mundo disse em um documento apresentado a reguladores que está ativamente considerando um “aumento especial” nos dividendos de 30 a 50 por cento. O Conselho da companhia decidirá a soma do dividendo de final de ano em janeiro, e buscará aprovação na reunião anual de acionistas prevista para março.

O anúncio surge em meio à pressão crescente para que a gigante de tecnologia retorne mais capital para investidores conforme se dirige para seu pior lucro anual em três anos, afetada pela queda na participação no mercado global de smartphones.

Explicando sua decisão, a companhia disse que deseja aumentar o valor para os acionistas, além de também contribuir para a revitalização da economia sul-coreana.

As ações da companhia se recuperaram de uma mínima atingida em outubro graças em parte ao anúncio da empresa em novembro de um plano de recompra de ações de US$ 2 bilhões. No entanto, as ações ainda acumulam desvalorização de 3,2 %  no ano.

– A companhia não tinha muita desculpa para não aumentar os dividendos quando está sentada sobre 60 trilhões de wons (US$ 55 bilhões) em caixa … isso ajudará os preços das ações a permanecerem estáveis perto dos níveis atuais”, disse o gestor de fundos Park Jung-hoon, da HDC Asset Management. Ele espera que o pagamento de dividendo para o fim de ano fique próximo a 20 mil wons por ação.

O total de dividendos pagos pela companhia em 2013 foi de 2,2 trilhões de wons, incluindo um dividendo de fim de ano de 13.800 wons por ação ordinária.

 

Aneel decide dar provimento parcial a pedido da Eletrobras envolvendo Itaipu

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu dar provimento parcial a pedido de reconsideração da Eletrobras no sentido de reconhecer que os valores correspondentes às inadimplências de pagamentos das distribuidoras à companhia devem ser considerados no saldo da Conta de Comercialização de Energia Elétrica de Itaipu.

A decisão, que saiu em despacho publicado nesta segunda-feira no Diário Oficial da União, faz referência à resolução homologatória nº 1.674, de 19 de dezembro de 2013, que estabeleceu a tarifa de repasse da potência oriunda da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional para este ano, a ser praticada pela Eletrobras, em US$ 26,05 por quilowatt (kW).mês.

O texto ressalvou, contudo, que a diretoria da Aneel decidiu manter na íntegra o conteúdo da resolução e, consequentemente, os valores da tarifa fixada, “dado que as eventuais despesas incorridas com a inadimplência e demais dívidas dos cotistas poderão ser compensadas, de forma atualizada, quando da definição da tarifa de repasse da potência para o ano de 2015”.

EUA não têm como priorizar pagamentos em caso de um calote da dívida

Segundo líderes democratas disseram, nesta quinta-feira, o presidente Barack Obama rejeitou apelos dos republicanos para negociar sua lei
Segundo líderes democratas disseram, nesta quinta-feira, o presidente Barack Obama rejeitou apelos dos republicanos para negociar sua lei

A administração Obama informou, nesta quinta-feira, que será impossível priorizar os pagamentos de dívida em detrimento de outras obrigações caso o Congresso fracasse em elevar o teto da dívida do país, de US$ 16,7 trilhões, e o Tesouro fique sem dinheiro. Uma autoridade sênior do Tesouro disse a jornalistas que favorecer as contas para credores em relação aos outros seria inadministrável e que a administração se opõe completamente à essa abordagem, que alguns republicanos no Capitólio têm sugerido.

Separadamente, em relatório detalhando o potencial impacto econômico de um default, o Tesouro alertou que não pagar as contas do país pode punir as famílias e empresas norte-americanas com uma recessão pior do que a crise de 2007 a 2009. O relatório afirma que um default pode empurrar para cima os custos de empréstimo, enfraquecer o investimento e frear o crescimento, causando um prejuízo à economia que pode durar mais do que uma geração.

– Um default seria sem precedentes e tem o potencial de ser catastrófico: os mercados de crédito poderiam congelar, o dólar poderia despencar, as taxas de juros dos EUA poderiam disparar – disse o Departamento do Tesouro. “Os contágios negativos podem reverberar mundo afora, e pode haver uma crise financeira e uma recessão que poderia ecoar os eventos de 2008 ou pior”, acrescentou.

Negativa

Segundo líderes democratas disseram, nesta quinta-feira, o presidente Barack Obama rejeitou apelos dos republicanos para negociar sua lei de saúde nesta quarta-feira como condição para um acordo para aprovar a legislação que acabaria com uma paralisação do governo. O líder da maioria no Senado, Harry Reid, deixou a reunião após mais de uma hora de conversa com Obama, o presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, principal republicano dos EUA, e outros líderes do Congresso para dizer que Obama afirmou aos republicanos que “ele não vai permitir” as táticas que estão sendo usadas por eles.

A líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi, disse que Obama não vai invocar uma cláusula na 14ª Emenda da Constituição dos EUA, como forma de elevar o teto da dívida no país. Os Estados Unidos vão ficar sem dinheiro para pagar suas contas em 17 de outubro, se o teto da dívida não for elevado.

– Ele não vai (invocar a 14ª Emenda) – disse ela aos repórteres.

Bolsas reagem

Os principais índices de Wall Street recuaram, na véspera, segundo dia de paralisação do governo dos Estados Unidos, com as disputas em Washington levantando preocupações de que a interrupção parcial das operações federais pode ser prolongada. Somando-se a esses temores, empregadores privados geraram menos postos de trabalho do que o esperado em setembro. Investidores observaram atentamente esses dados porque a divulgação do relatório mais amplo de folhas de pagamento, que ocorreria na sexta-feira, será adiada se um acordo orçamentário não for alcançado.

O índice Dow Jones recuou 0,39%, para 15.133 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 teve desvalorização de 0,07%, para 1.693 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,08%, para 3.815 pontos. As perdas foram generalizadas, lideradas por papéis do setor industrial, que recuou 0,4%. A disputa sobre a paralisação está rapidamente mesclando com a batalha sobre o teto da dívida do governo, que deve chegar a um impasse em breve. O Tesouro disse que os EUA atingirão o limite de endividamento até 17 de outubro.

– Eu não chamaria o declínio de hoje de pânico. Mas quão mais durar essa paralisação, com mais notícias sobre o prazo de 17 de outubro, investidores ficarão mais e mais preocupados. Mesmo parecendo impossível, investidores estão pensando que há agora a possibilidade de um default – disse o estrategista do mercado do Prudential Financial, Quincy Krosby.

Líderes parlamentares e o presidente Barack Obama, na reunão desta manhã, discutiram o impasse orçamentário e a elevação do teto da dívida dos EUA. Entre as ações individuais, a possibilidade de uma segunda oferta de ações da Blackberry reverteu a queda do papel após a fabricante de smartphones anunciar que espera sofrer 400 milhões de dólares em encargos antes de impostos relacionados a cortes anunciados no mês passado. A ação avançou 0,3%, para US$ 78,06, após bater mais cedo a mínima intradia em 11 meses, a US$ 77,28.

 INSS se compromete a revisar 491 mil benefícios e pagar atrasados

INSS
A Previdência Social desembolsará R$ 14,9 bilhões e ao todo, serão 2,797 milhões de beneficiários afetados

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e o Sindicato Nacional dos Aposentados (Sindnapi) entraram em acordo para corrigir e pagar atrasados de benefícios por incapacidade concedidos entre 1999 até 2009.

Com esse acordo, a Previdência Social desembolsará R$ 14,9 bilhões e ao todo, serão 2,797 milhões de beneficiários afetados, diz o sindicato. Segundo João Batista Inocentini, presidente do Sindnapi, 491 mil benefícios ativos (de quem recebe aposentadorias por invalidez ou pensões por morte derivadas dessas aposentadorias) ganharão a correção nos benefícios de forma automática a partir de janeiro.

Já o pagamento dos atrasados (diferença entre o que deveria ter sido pago e o que foi efetivamente pago nos últimos anos) desses 491 mil que ainda recebem benefícios será pago conforme a idade do beneficiário. Segundo o acordo, beneficiários acima de 60 anos receberão os atrasados já em fevereiro. Aqueles com idade entre 46 e 59 anos receberão em fevereiro de 2014, de 2015 e de 2016, conforme o valor a ser pago. Os que têm até 45 anos, receberão os atrasados entre 2016 e 2019.

Para os casos de benefícios “findos” (daquele trabalhador que recebeu por determinado período auxílio-doença e já não o recebe mais, por exemplo), os atrasados serão pagos entre 2019 e 2022. O sindicato afirmou existem 17 milhões de benefícios findos, sendo que eles correspondem a 2,3 milhões de pessoas. Segundo comunicado do instituto, serão pagos os atrasados referentes aos últimos cinco anos.

A revisão e o pagamento dos atrasados serão feitos porque o cálculo dos benefícios por incapacidade foi feito com base no total dos salários de contribuição pagos pelo trabalhador, sendo que uma nova regra estipulou que o cálculo fosse feito com base na média dos valores dos 80% mais altos salários de contribuição. Esse erro ocorreu nos benefícios concedidos a partir de 1999 até 2009.

Segundo o INSS, não será necessário que aposentados e pensionistas procurem uma agência da Previdência Social. Os segurados que têm direito ao reajuste ou aos atrasados receberão correspondência informando a data e o valor do pagamento. De acordo com o presidente, todos os casos serão identificados pelo INSS.

O acordo será assinado na próxima sexta-feira (10) e deve ser protocolado na segunda-feira (13). A decisão foi tomada após reunião entre o presidente do INSS, Mauro Luciano Hauschild, e o Sindnapi em São Paulo. O sindicato pedia a revisão dos benefícios por incapacidade para 670 mil benefícios ativos e para outros 17 milhões “findos”.

Em março, o Sindnapi e o Ministério Público de São Paulo moveram ação civil pública pedindo a revisão de benefícios por incapacidade concedidos nos últimos 12 anos, bem como o pagamento desses atrasados. O pedido foi aceito em primeira instância com a determinação de iniciar os pagamentos imediatamente. O INSS recorreu e, desta vez, a Justiça manteve o pagamento imediato das correções pedindo, no entanto, que sindicato e instituto apresentassem planilhas e propostas para o pagamento dos benefícios. Por isso, a reunião desta quinta-feira foi realizada.

Entenda

– Ao conceder benefícios por incapacidade entre 1999 e 2009, o INSS utilizou uma fórmula de cálculo diferente da prevista em lei vigente
– Pela fórmula usada, o cálculo dos benefícios por incapacidade foi feito com base no total dos salários de contribuição pagos pelo trabalhador
– No entanto, o cálculo era para ter sido feito com base na média dos valores dos 80% mais altos salários de contribuição
– Por causa da defasagem causada, sindicato e Ministério Público de São Paulo entraram na Justiça pedindo a correção dos benefícios e o pagamento dos atrasados (diferença entre o que deveria ter sido pago e o que foi efetivamente pago)
– A Justiça aceitou o pedido, mas determinou que Previdência e sindicato mostrassem como esse pagamento seria feito
– Ao total, serão revistos os benefícios por incapacidade, que abrangem 491 mil ativos e 17 milhões “findos”
– Esses benefícios envolvem aposentadorias e pensões pagas até hoje e auxílios-doenças que foram pagos por períodos determinados nos últimos anos
– Aqueles que tiverem direito à revisão e/ou ao pagamento dos atrasados receberão correspondência informando a data e o valor do pagamento
– O INSS afirma que todos os casos serão identificados pelo órgão