Número de cesarianas cai pela primeira vez no Brasil

Cesariana

Os números mostram ainda que, considerando apenas partos realizados no Sistema Único de Saúde (SUS), o percentual de partos normais permanece maior, 59,8% contra 40,2% de cesarianas

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Pela primeira vez desde 2010, o número de cesarianas na rede pública e privada de saúde não cresceu no país. Dados divulgados nesta sexta-feira pelo Ministério da Saúde revelam que esse tipo de procedimento, que apresentava curva ascendente, caiu 1,5 ponto percentual em 2015. Dos 3 milhões de partos feitos no Brasil no período, 55,5% foram cesáreas e 44,5%, partos normais.

Em 2016, o ministério publicou o Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas para Cesariana, com parâmetros que devem ser seguidos pelos serviços de saúde
Em 2016, o ministério publicou o Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas para Cesariana, com parâmetros que devem ser seguidos pelos serviços de saúde

Os números mostram ainda que, considerando apenas partos realizados no Sistema Único de Saúde (SUS). O percentual de partos normais permanece maior, 59,8% contra 40,2% de cesarianas. No ano passado, segundo a pasta, dados preliminares indicam tendência de estabilização do índice, que ficou em torno de 55,5%.

Novas diretrizes

Esta semana, o governo anunciou novas diretrizes de assistência ao parto normal, que servirão de consulta para profissionais de saúde e gestantes. “A partir de agora, toda mulher terá direito de definir o seu plano de parto. Que trará informações como o local onde será feito, as orientações e os benefícios do parto normal”. Informou o ministério.

Segundo a pasta, as medidas visam ao respeito no acolhimento. Mais informações para o empoderamento da mulher no processo de decisão ao qual tem direito. “Assim, o parto deixa de ser tratado como um conjunto de técnicas. E representa momento fundamental entre mãe e filho”, acrescentou.

Para o ministério, a estabilização das cesarianas no país é consequência de medidas como a implementação da Rede Cegonha. E investimentos em 15 centros de Parto Normal; a qualificação das maternidades de alto risco. A maior presença de enfermeiras obstétricas na cena do parto e a atuação da Agência Nacional de Saúde Suplementar junto às operadoras de planos de saúde.

Capacitação

A pasta informou ainda que, por meio de cooperação com a Universidade Federal de Minas Gerais. Vai capacitar profissionais de saúde em 86 hospitais de ensino. Localizados nas 27 unidades da Federação, que fazem mais de mil partos por ano.

– Trata-se de um projeto de qualificação da atenção obstétrica e neonatal hospitalar com atividades de ensino, com produção de impacto em toda a rede de serviços da linha de cuidados da saúde da mulher e da criança. A medida totaliza, em quatro anos, investimento de R$ 13,6 milhões.

Riscos da cesárea

Em 2016, o ministério publicou o Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas para Cesariana, com parâmetros que devem ser seguidos pelos serviços de saúde. A proposta é auxiliar e orientar profissionais da saúde a diminuir o número de cesarianas desnecessárias, já que o procedimento, quando não indicado corretamente, traz riscos como o aumento da probabilidade de surgimento de problemas respiratórios para o recém-nascido e grande risco de morte materna e infantil.

Senado aprova primeira medida para derrubar Obamacare

Descartar o Obamacare é uma grande prioridade para muitos republicanos em ambas as Casas, assim como do presidente eleito Donald Trump, também republicano

Por Redação, com Reuters – de Washington:

O Senado dos Estados Unidos deu nesta quinta-feira um primeiro passo concreto para desmontar a lei de saúde do governo Obama, conhecida como Obamacare, após votação para instruir comitês parlamentares a traçarem legislações para repelir o programa, que representa um dos principais legados do presidente Barack Obama. 

Presidente dos EUA, Barack Obama, durante assinatura de lei de saúde conhecida como Obamacare, em Washington
Presidente dos EUA, Barack Obama, durante assinatura de lei de saúde conhecida como Obamacare, em Washington

A votação foi aprovada por 51 votos a 48. A resolução agora vai para a Câmara dos Deputados, que deve votar a questão nesta semana. Descartar o Obamacare é uma grande prioridade para muitos republicanos em ambas as Casas. Assim como do presidente eleito Donald Trump, também republicano.

Republicanos disseram que o processo de derrubar o Obamacare pode levar meses. O desenvolvimento de um plano substituto pode levar mais tempo. Mas eles estão sob pressão de Trump para agir rapidamente.

Na quarta-feira, o presidente eleito disse que a revogação e a substituição da lei devem acontecer “essencialmente simultaneamente”.

Plano de saúde

Cerca de 20 milhões de norte-americanos ganharam acesso a cobertura de planos de saúde sob a legislação criada pelo governo Obama. A cobertura foi estendida com a expansão de um outro programa, chamado Medicaid, e através de consultas online onde consumidores podem receber subsídios baseados em sua renda. 

No passado, republicanos lançaram sucessivos esforços legais e legislativos para derrubar a lei. Criticando-a como um excesso do governo. Eles dizem que querem substituí-la ao dar aos Estados, e não ao governo federal, mais controle. 

Mas, recentemente, alguns republicanos expressaram preocupações sobre a atual estratégia do partido de votar por uma revogação sem ter um plano substituto pronto. 

Obamacare

O presidente da Casa, Paul Ryan, disse nesta semana querer colocar o máximo de provisões possíveis de substituição na legislação de revogação do Obamacare. Mas o presidente do Comitê de Finanças do Senado, Orrin Hatch, um republicano, disse que isso pode ser difícil sob as regras do Senado. 

A resolução aprovada nesta quinta-feira instrui comitês da Câmara e do Senado a traçarem uma legislação de revogação. Com prazo estimado de 27 de janeiro. Ambas as Casas precisão, então, aprovar a legislação resultante antes de qualquer revogação entrar em efeito.

Dados de emprego nos EUA ditam primeira queda na Bovespa em 2009

Após subir 16% em seis sessões seguidas, a Bolsa de Valores de São Paulo fechou em forte queda, atingida por um movimento global de realização de lucros, em meio a um salto no número de demissões do mercado de trabalho dos Estados Unidos.

De acordo com números preliminares, o Ibovespa teve baixa de 3,91%, aos 40.657 pontos, apagando a maior parte dos ganhos da semana.

O volume financeiro de negócios no pregão totalizou 2,79 bilhões de reais.

Ações que vinham alavancando o Ibovespa, como Vale e BM&F Bovespa, que haviam subido entre 35 e 40% em dólar nas últimas duas semanas, estiveram entre as líderes de perdas.

O mote para a realização de lucros foi a divulgação de um relatório mostrando que o setor privado nos Estados Unidos eliminou 693 mil postos de trabalho em dezembro, muito acima das previsões de analistas, o que empurrou os índices de Wall Street para baixo.

Ferrari será primeira equipe a apresentar o carro para 2009

A campeã de construtores Ferrari será a primeira equipe de Fórmula 1 a apresentar seu carro para a temporada de 2009, dia 12 de janeiro, em sua fábrica de Maranello, informou a escuderia italiana nesta segunda-feira.

O brasileiro Felipe Massa, que disputou com Lewis Hamilton, da McLaren, o título mundial no último ano e acabou com o vice-campeonato, será o primeiro a conduzir o carro, no final do dia.

A McLaren fará o lançamento em sua fábrica na Inglaterra em 16 de janeiro, um dia após a Toyota lançar seu novo modelo na Internet.

Pela primeira vez desde 2003, mês de novembro mostra queda no número de postos de trabalho

Pela primeira vez, desde o início do primeiro mandato do presidente Lula, em 2003, houve queda no número de postos de emprego em novembro, em relação ao mês anterior.

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, anunciou nesta segunda-feira a redução de 40.821 vagas, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Segundo Lupi, o número negativo já é reflexo da crise. O setor mais atingido foi a indústria de transformação, onde a queda foi mais elevada, com a perda de 80.798 empregos. O comércio foi o setor que se saiu melhor em novembro, criando 77.886 postos de trabalho.

Neste ano, até o fim de novembro, foram criados 2.107.150 empregos. Como o mês de dezembro costuma ser de redução, em média de 300 mil vagas, o ministro do Trabalho e Emprego disse esperar que o ano feche com um acréscimo entre 1,85 milhão e 1,95 milhão de postos de trabalho, número que ultrapassaria o recorde de 2007, quando foram criados 1,617 milhão de empregos.

– Ao contrário da maioria dos economistas, acho que os efeitos mais graves dessa crise passarão até março – afirmou o ministro. Lupi atribuiu sua crença ao efeito positivo que a posse de Barack Obama significará para a recessão que os Estados Unidos enfrentam há um ano.

Também contrariando economistas, inclusive do governo, ele disse que a economia brasileira crescerá, em 2009, mais do que os 4,5% previstos. “Eu sempre acerto”, completou.

O ministro acredita que, para o próximo ano, mesmo com a crise, será possível criar mais 1,5 milhão de postos de trabalho. Se a previsão for confirmada, terão sido criados no governo Lula, até o início de 2010, ano de eleições, mais de 11 milhões de empregos.

Câncer é principal causa de morte por doença entre crianças brasileiras

O câncer é uma das principais causas de mortalidade entre crianças e adolescentes, na faixa de um a 18 anos no Brasil, e representa a primeira causa de morte por doença a partir dos cinco anos de idade. Essa é uma das constatações de estudo inédito lançado na última quinta-feira, pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), do Ministério da Saúde.

A pesquisa foi realizada em conjunto com a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope) e com os Registros de Câncer  de Base Populacional (RCBP), que atuam em 20 cidades nas cinco regiões brasileiras.

Segundo informou o coordenador de Prevenção e Vigilância do Inca, Cláudio Noronha, as leucemias são o tipo de câncer mais importante e aparecem em primeiro lugar em todas as faixas de idade, tanto entre meninos como entre meninas. As leucemias predominam entre as crianças mais jovens. Em segundo lugar, vêm os tumores de sistema nervoso central (SNC), que respondem pelas mortes acima de dez anos de idade.  Os tumores do sistema linfático predominam  na faixa de um a quatro anos e de 15 a 18 anos.

A mortalidade infanto-juvenil no Brasil por câncer está em torno de 40 mortes  para cada um milhão de crianças ao ano, sendo 44 mortes por milhão entre meninos e 36 por milhão entre as meninas. Noronha informou que, nas últimas três décadas, houve redução na mortalidade em torno de 0,27% ao ano, sendo mais significativa nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Nas regiões Norte e Nordeste, foi observado aumento da mortalidade por câncer entre crianças e adolescentes, mas Noronha advertiu que as diferenças regionais tendem a diminuir. “Tem havido uma melhoria importante na qualidade dessas informações. A tendência é de homogeneidade em relação ao padrão de mortalidade no Brasil”, afirmou. Ele destacou também que apesar dessa doença evoluir mais rápido entre as crianças do que entre adultos, a resposta ao tratamento é grande e costuma ser mais rápida quando o câncer é diagnosticado precocemente.

No entanto, ainda não há elementos que possam esclarecer a razão de haver maior mortalidade e incidência de câncer entre crianças do sexo masculino. Os profissionais do Inca descartaram, ainda, que haja relação entre a doença e o meio ambiente, envolvendo fatores como fumo ou poluição.

Obama dará primeira entrevista coletiva após eleição na 6ª

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, vai conceder sua primeira entrevista coletiva na sexta-feira, depois de se reunir com uma equipe de conselheiros econômicos, informou um representante do democrata na quinta-feira.

Vão participar do encontro em Chicago vários conselheiros importantes. Obama está começando a formar seu gabinete depois da vitória nas eleições presidenciais. Obama e sua mulher, Michelle, também viajarão a Washington no começo da semana que vem, para se encontrar com o atual presidente, George W. Bush, na Casa Branca, segundo o representante.

Hospital público de São Paulo tem primeira grávida com óvulo doado

Uma paciente do hospital público Pérola Byington, em São Paulo, foi a primeira, utilizando o Sistema Única do Saúde (SUS), a ficar grávida com um óvulo doado. A mulher tem 42 anos e não teve sua identidade revelada.

O hospital realiza gratuitamente o processo de doação de óvulos sadios para mulheres com mais de 40 anos que não conseguem engravidar. As doadoras serão pacientes que fazem tratamento de fertilização in vitro no hospital, e que obtem óvulos sobressalentes à sua necessidade.

– Temos pacientes mais velhas que já não tem capacidade de produzir óvulos em qualidade suficiente para fertilizar e implantar. Essas pacientes recebem óvulos excedentes de pacientes mais jovens, que tem menos de 35 anos – explica o diretor da clínica de reprodução assistida do Pérola, Mário Cavagna.

O hospital implanta óvulos doados em muheres de até 50 anos que não conseguem engravidar. O gameta implantado é fertizado com sêmem do parceiro da mulher que tem problemas para engravidar. 

Antes da doação, o hospital cadastra as pacientes com menos de 35 anos, que aguardam na fila e que estariam dispostas a doar óvulos. A partir daí, busca-se entre as candidatas a receber a doação aquela que tenha o mesmo tipo físico e sangüíneo da doadora. As duas pacientes passam por uma série de exames para detectar possíveis doenças, como aids, hepatite,  sífilis e problemas genéticos graves.

Depois dos exames, as doadoras começam a usar medicamentos para estimular a produção de óvulos aproveitáveis. As receptoras são medicadas para facilitar a recepção do embrião. Assim que os hormônios fazem efeito, os óvulos são retirados, fecundados com o sêmen do pai e reinseridos na receptora.

As crianças geradas a partir da doação de óvulos herdam as características genéticas da mãe biológica, apesar de gestadas por outra mulher. A identidade da doadora não pode ser fornecida à receptora por determinação do Conselho Nacional de Medicina.

Fundo Amazônia tem primeira reunião do comitê orientador

O Comitê Orientador do Fundo Amazônia fez nesta sexta-feira, na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), sua primeira reunião, na qual foram estruturadas as primeiras diretrizes de aplicação de recursos, criado o regimento interno e elaborado o relatório anual do fundo.

O comitê é formado exclusivamente por brasileiros: um terço é composto pelos governadores dos nove estados da Amazônia Legal, um terço por representantes do governo federal e um terço por representantes da sociedade civil, inclusive das indústrias.

O Fundo Amazônia, criado em 1º de agosto, destina-se à captação de doações para investimentos no combate ao desmatamento e na promoção da conservação e desenvolvimento sustentável das florestas na Amazônia brasileira.

Segundo o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que participou da primeira reunião do comitê, trata-se de uma iniciativa inovadora para reduções voluntárias na emissão de gases de efeito estufa.

– O Fundo Amazônia é uma possibilidade de recursos, a fundo perdido, financiarem atividades sustentáveis que permitam coibir o ilegal e ter uma alternativa legal de sobrevivência – disse ele.

De acordo com o decreto de criação do fundo, que será administrado pelo BNDES, poderão ser captados US$ 1 bilhão no primeiro ano de vigência. O calculo é baseado na quantidade de toneladas de carbono evitadas pelo país, que no ano passado foi 200 milhões de toneladas.

A Noruega foi o primeiro país a fazer a doação de US$ 1 bilhão até 2015. O primeiro aporte foi de US$ 20 milhões e, ao longo dos próximos 12 meses, serão US$ 140 milhões.

Os países doadores não têm nenhum peso decisório no Fundo, mas, segundo o ministro, têm a garantia de que os recursos só poderão ser sacados caso o desmatamento na região amazônica tenha sido, no ano interior, menor do que a média dos últimos dez anos.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que a atual crise financeira mundial não afetará as doações ao fundo. “As empresas que têm interesse em contribuir para esse fundo são empresas cujo compromisso com a sustentabilidade e com o meio ambiente vai mais além de uma crise financeira, é parte inerente dos negócios dela.”

O decreto prevê doações privadas, nacionais e estrangeiras. Minc adiantou que já há três grandes empresas interessadas em contribuir para o fundo, mas não revelou nomes. O anúncio será feito em dezembro, na Polônia, durante a Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), quando também será feita uma apresentação do Fundo Amazônia com o intuito de captar mais doações privadas e estrangeiras.

As aplicações dos recursos poderão ser acompanhadas pela internet em tempo real, por fotos e filmes captados por satélite. A previsão é de que os primeiros projetos sejam implementados a partir do primeiro semestre de 2009, informou Coutinho. Segundo ele, o comitê deve se reunir outra vez até o final do ano para os ajustes finais do programa de trabalho de 2009. Além da administração do fundo, o BNDES ficará responsável pela contratação de auditoria para verificar a aplicação correta dos recursos.

Petrobras inaugura primeira plataforma construída no país

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa nesta terça-feira da cerimônia de batismo da plataforma semi-submersível P-51, a primeira construída integralmente no Brasil. Será às 10h no estaleiro BrasFels, em Angra dos Reis, onde ela foi desenvolvida.

A obra faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), recebeu investimentos de US$ 1 bilhão e gerou 4 mil empregos diretos.

Participam também da cerimônia o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, o presidente da BR Distribuidora, José Eduardo Dutra, além de ministros e diretores da empresa. A madrinha da plataforma será a primeira-dama Marisa Letícia.

Às 15h, Lula participa em Macaé, no norte do estado, da inauguração de uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). A unidade Geraldo Silveira Coutinho terá 20 salas de aula, 20 oficinas para educação profissional e oferecerá consultoria tecnológica às empresas.

No fim da tarde, no Rio, o presidente entrega a 49 pessoas a Ordem do Mérito Cultural 2008. A solenidade começa às 17h30, no Theatro Municipal, e faz parte das comemorações do centenário da morte de Machado de Assis.