Operação com cães registra recorde de apreensão no Rio

Nos últimos três anos, o BAC teve um aumento de mais de 1.200% na quantidade de drogas apreendidas. Em janeiro de 2015, foi registrada a apreensão de 264 kg

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro:

Policiais militares do Batalhão de Ações com Cães (BAC) apreenderam aproximadamente três toneladas de drogas somente no mês de janeiro. As operações aconteceram em diversas comunidades do Rio de Janeiro. Ações também apreenderam um grande volume de armamentos.

Policiais militares apreenderam três toneladas de drogas apenas em janeiro
Policiais militares apreenderam três toneladas de drogas apenas em janeiro

Nos últimos três anos, o BAC teve um aumento de mais de 1.200% na quantidade de drogas apreendidas. Em janeiro de 2015, foi registrada a apreensão de 264 kg e, no mesmo mês de 2016, 126 kg de drogas apreendidas. Já em 2017, foram 3.224 kg, o que comprova o aumento expressivo deste ano.

– O resultado é fruto do esforço coletivo dos nossos policiais e do treinamento com os nossos cães. O batalhão é pioneiro no Brasil em reprodução assistida, então, temos diversos cães que nasceram e foram treinados no próprio batalhão – explicou o primeiro-tenente do BAC, Felipe da Silva Rodrigues.

Denúncias

Segundo o tenente, a população fluminense pode ajudar nas ações fazendo denúncias.

– Se alguém observar qualquer movimentação estranha ou tiver informações de pessoas ligadas ao tráfico, é dever do cidadão denunciar – disse o policial.

Operação

No dia anterior, agentes da Operação Centro Presente, durante patrulhamento na Rua Souza e Silva, prenderam Altemir da Silva Gomes, de 28 anos, e Nilton dos Santos Azevedo, de 34 anos. Eles foram abordados quando saíram da fábrica Moinho Fluminense com um rolo de fio grosso, uma mochila e sacola preta. Com eles foram encontrados fios de cobre e disjuntores. Nilton e Altemir foram encaminhados à 4ª DP (Praça da República) e autuados por furto.

Três horas depois, policiais militares da Operação prenderam Marcio José Benedito da Conceição, de 33 anos. A equipe recebeu informações de que um homem estaria praticando furto de materiais na mesma fábrica. Os agentes foram ao local e com Márcio encontraram uma sacola com vários rolos de fio de cobre. Ele foi conduzido à 4ª DP (Praça da República) e autuado por furto. Márcio é morador de Belford Roxo e possui três anotações criminais.

Na mesma rua, na manhã de hoje, os agentes capturaram um foragido da Justiça. Após consulta ao Banco Nacional de Mandados de Prisão, foi verificado que contra Pablo Pinheiro da Silva, de 22 anos, havia um mandado de prisão pendente pelo crime de homicídio qualificado. Ele foi encaminhado à 4ª DP, onde o caso foi registrado.

Agentes da Operação Centro Presente patrulhavam a Rua Gereral Caldwel, na noite de quarta-feira, quando dois adolescentes de 15 e 12 anos em uma bicicleta tentaram fugir após perceberem a aproximação policial. Com eles foi encontrado um celular que eles confessaram ter furtado em um estabelecimento comercial na Lapa. Os menores foram encaminhados para a Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA) e vão responder por fato análogo ao crime de furto.

Brasil tem recorde de 6,6 milhões de turistas estrangeiros em 2016

O Brasil atingiu o número recorde de 6,6 milhões de visitas de estrangeiros, em 2016

Os argentinos mantiveram a tradicional liderança entre os visitantes ao ultrapassarem a marca de 2,1 milhões de turistas

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O Brasil atingiu o número recorde de 6,6 milhões de visitas de estrangeiros, em 2016. O ano em que o país sediou as Olimpíadas e as Paralimpíadas registrou aumento de 4,8% na entrada de turistas internacionais em relação ao ano anterior.

O Brasil atingiu o número recorde de 6,6 milhões de visitas de estrangeiros, em 2016
O Brasil atingiu o número recorde de 6,6 milhões de visitas de estrangeiros, em 2016

O movimento histórico dos turistas estrangeiros injetou na economia brasileira o montante de US$ 6,2 bilhões. O valor equivale a mais de R$ 21 bilhões e é 6,2% maior do que o registrado em 2015. A entrada de recursos não foi recorde como o número de visitantes devido às variações do câmbio que refletem diretamente no turismo.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo Ministério do Turismo, com informações do Banco Central e da Polícia Federal. “Os números são extremamente positivos. Se comparados com o contexto internacional, mostram que ainda podemos avançar muito, mas comprovam que soubemos aproveitar os megaeventos que realizamos no país”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

O perfil da maior parte dos visitantes que desembarcaram no Brasil de janeiro a dezembro é de latinos e norte-americanos, seguidos de europeus. Os argentinos mantiveram a tradicional liderança entre os visitantes ao ultrapassarem a marca de 2,1 milhões de turistas. Os Estados Unidos ocuparam o segundo lugar, com o envio de 600 mil pessoas. Em seguida, aparecem na lista Chile, Paraguai, Uruguai, França, Alemanha, Itália, Inglaterra, Portugal e Espanha.

O lazer é o principal objetivo da viagem, apontado por metade dos turistas. A mesma proporção de turistas ficou em hotéis, flats ou pousadas e viajou em família ou de casal. Cerca de 30% do total de viajantes foram influenciados por amigos e parentes e 40% se informaram pela internet. Os dados farão parte da Demanda Turística Internacional, estudo elaborado anualmente pelo Ministério do Turismo e que só deve ser divulgado em detalhes no fim do semestre.

Expectativa de crescimento

Para 2017, a expectativa é que o fluxo de estrangeiros no país cresça em torno de 6%, mesma tendência de crescimento registrada em outros países que sediaram Olimpíadas, no ano seguinte ao evento. A Inglaterra, por exemplo, país que sediou os Jogos antes do Brasil, registrou aumento médio de 5% ao ano depois do megaevento. O último crescimento registrado no país antes dos Jogos tinha sido de 0,92%

O aumento no fluxo no Brasil também é esperado devido ao retorno positivo dos turistas ouvidos pelo Ministério do Turismo no período dos Jogos. A pesquisa mostra que mais de 87% dos estrangeiros pretendem voltar ao Brasil e que 94,2% dos brasileiros querem retornar ao Rio de Janeiro.

Para garantir a continuidade do movimento alto de turistas. O governo prepara um pacote de medidas que deve ser lançado ainda no primeiro semestre deste ano. “O desafio do Ministério do Turismo é transformar o ganho de imagem em geração de emprego. O desejo de retorno do turista internacional em realidade. Além de fazer os brasileiros conhecerem mais os destinos domésticos. Para isso, estamos investindo na melhoria de infraestrutura, qualificação de mão-de-obra e promoção dos nossos destinos”. Informou o ministério.

Verão

Grande parte dos hóspedes esperados já deve chegar no verão. O ministério estima que o número de viagens pelo Brasil nos meses mais quentes (de dezembro a fevereiro) deve chegar a 73,4 milhões. Número ligeiramente superior às 72,8 milhões viagens realizadas no verão 2015.

Em 2016, o Ministério do Turismo recebeu R$ 235,9 milhões, o terceiro pior orçamento da Esplanada. Com a liberação de alguns créditos e recursos para PAC. O ano fechou com o valor empenhado de R$ 671,4 milhões.

Segundo a pasta, os recursos devem ser ampliados em 2017. “O turismo é uma das atividades que dá mais retorno. Mesmo com investimentos mínimos. Acredito que se conseguirmos passar as medidas que estamos trabalhando com o apoio da Casa Civil, esse problema de recursos estará sanado”, disse Beltrão.

Número de matrículas em escolas públicas bate recorde no Rio

A procura por escolas públicas no Estado do Rio de Janeiro cresceu 18%

Além da migração da escola particular para a pública, a alta também está relacionada ao aumento de matrículas de estudantes que estavam afastados da sala de aula

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

A busca por vagas na rede estadual de ensino do Rio de Janeiro bateu recorde este ano: foram 240.792 matrículas para 2017. Em 2016, 220.498 estudantes se matricularam. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pelo governo do Estado.

A procura por escolas públicas no Estado do Rio de Janeiro cresceu 18%
A procura por escolas públicas no Estado do Rio de Janeiro cresceu 18%

A alta está relacionada ao aumento de 18,25% no número de estudantes que migraram de escolas particulares para as públicas. Para o ano letivo de 2016, houve 27.357 inscrições de alunos que estudavam na rede privada. Enquanto para 2017, o número atingiu 32.350.

Além da migração da escola particular para a pública. A alta também está relacionada ao aumento de matrículas de estudantes que estavam afastados da sala de aula. E decidiram voltar a estudar. Segundo o governo do Rio. Em 2016, 3.852 alunos que estavam fora das salas de aula se inscreveram para voltar a estudar. Já para 2017, 13.524 candidatos nesta situação realizaram o cadastro pela Internet.

Inscritos

Os municípios com o maior número de inscritos foram Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, São Gonçalo, Belford Roxo, São João de Meriti, Campos dos Goytacazes, Niterói, Magé e Angra dos Reis.

Para agilizar o processo de inscrição e seleção. A Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro antecipou as datas de divulgação dos resultados e de confirmação da matrícula. Os alunos já poderão conhecer as escolas onde foram alocados a partir do dia 30 de dezembro, no site do Matrícula Fácil. Onze dias antes da previsão inicial. Os interessados terão de 4 a 10 de janeiro de 2017 para confirmar a matrícula na unidade em que foram selecionados.

Produção de alimentos na Síria atinge baixa recorde, segundo ONU

A produção de alimentos na Síria atingiu a sua maior baixa dos últimos tempos

Segundo agência da ONU, pelo menos sete milhões de sírios vivem em situação de “insegurança alimentar”, quando não têm certeza como conseguirão a próxima refeição

Por Redação, com DW – de Genebra:

 

A produção de alimentos na Síria atingiu a sua maior baixa dos últimos tempos. O alerta foi lançado nesta terça-feira pela Organização das Nações Unidas (ONU), às vésperas do sexto inverno que os civis sírios enfrentarão com o país em guerra.

A produção de alimentos na Síria atingiu a sua maior baixa dos últimos tempos
A produção de alimentos na Síria atingiu a sua maior baixa dos últimos tempos

Muitos produtores de alimentos tiveram de abandonar suas terras. Sem condições de custear a compra de sementes e fertilizantes para as plantações e combustível para os tratores. Afirma a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Segundo o alerta da FAO, a produção de trigo, muito importante para a produção de pães, base da dieta síria. Caiu de uma média de 3,4 milhões de toneladas métricas colhidas antes de a guerra começar, em 2011, para 1,5 milhões este ano.

Ainda segundo FAO, a área plantada de cereais na safra 2015-16 é “a menor de todos os tempo”. Outras pesquisas e visitas de campo também mostraram baixa produção de cevada.

– A produção de alimentos na Síria atingiu baixa recorde devido à guerra e à insegurança. Mas também tem a ver com as condições climáticas – afirmou a porta-voz da FAO Bettina Luescher.

“Insegurança alimentar”

A baixa nas reservas de alimentos é ainda mais preocupante no leste de Aleppo. A parte rebelde da cidade sitiada por forças governamentais.. Onde ainda vivem entre 250 mil e 275 mil civis, de acordo com estimativas da ONU.

– As últimas provisões de alimentos fornecidas pela ONU foram distribuídas (no leste de Aleppo). É muito difícil dizer como as pessoas vão lidar com isso. Claro que é uma situação muito diferente na capital, onde a comida está disponível nos mercados e as pessoas podem comprar coisas”, disse Luescher.

De acordo com a porta-voz da FAO, mais de sete milhões de pessoas na Síria estão em situação de “insegurança alimentar”. O que significa que não sabem como terão acesso à próxima refeição.

Para tentar reduzir os impactos da falta de alimentos. A FAO está distribuindo provisões para mais de quatro milhões de pessoas por mês na Síria.

No mês passado que o governo sírio fechou um acordo para comprar um milhão de toneladas de trigo da aliada Rússia. O suficiente para cobrir as áreas controladas pelo governo por um ano.

Antes da guerra, a Síria era um exportador de gado. “Agora os rebanhos e a criação de aves encolheram. Há 30% menos gado, 40% menos ovelhas e cabras e 60% menos aves, que são naturalmente a fonte mais acessível de proteína animal”, ressaltou Luescher.

Cheque especial: juros chegam a 315,7% ao ano

cheque especial

Em 2016, a taxa do cheque especial subiu 28,7 pontos percentuais em relação a dezembro de 2015

Por Redação, com ABr – de Brasília:

A taxa de juros do cheque especial continuou subindo em junho. De acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados, nesta quarta-feira, a taxa do cheque especial aumentou 4,7 pontos percentuais de maio para junho, quando chegou a 315,7% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica do BC, iniciada em julho de 1994.

cheque especial
Essa é a maior taxa da série histórica do Banco Central, iniciada em julho de 1994

Em 2016, a taxa do cheque especial subiu 28,7 pontos percentuais em relação a dezembro de 2015, quando estava em 287% ao ano.

Já taxa de juros do rotativo do cartão de crédito caiu 0,6 ponto percentual de maio para junho. Mesmo assim, continua sendo a mais cara entre as pesquisadas pelo BC. Em junho, ficou em 470,9% ao ano.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. Essa é a modalidade com taxa de juros mais alta na pesquisa do BC.

Aumento da taxa de cheque especial em julho

Três entre sete instituições financeiras analisadas em pesquisa da Fundação Procon-SP elevaram a taxa de cheque especial em julho. A taxa média foi de 13,46% ao mês (a.m.), superior à do mês anterior, que foi de 13,37% a.m., representando uma alta de 0,09 ponto percentual.

As altas verificadas são no Banco do Brasil, que alterou de 12,40% para 12,61% a.m., o que significa uma variação positiva de 1,69% em relação à taxa de junho de 2016. O Bradesco alterou de 12,89% para 12,99% ao mês, uma variação positiva de 0,78%. A Caixa Econômica Federal alterou de 12,59% para 12,88% ao mês, variação positiva de 2,30%.

No caso de empréstimo pessoal, a taxa média dos bancos pesquisados foi de 6,56% a.m., superior à do mês anterior que foi de 6,48%, representando uma alta de 0,08 ponto percentual.

A única modificação nessa modalidade foi a do Banco Safra, que elevou de 5,40% a.m. para 5,90%, acréscimo de 0,50 ponto percentual, uma variação positiva de 9,26% em relação à taxa de junho .

De acordo com os especialistas da Fundação Procon-SP, é imprescindível que o consumidor tenha um bom controle financeiro, evitando contrair dívidas, pois as taxas de juros estão em patamares elevadíssimos, como comprova a pesquisa.

Cheque especial: taxa de juro chega a 311,3% ao ano

juros

A taxa de juros do cheque especial é a maior da série histórica do Banco Central, iniciada em 1994

Por Redação, com ABr – de Brasília:

A taxa de juros do cheque especial continuou a subir em maio. De acordo com dados do Banco Central (BC) divulgados, nesta segunda-feira, a taxa do cheque especial subiu 2,6 pontos percentuais, de abril para maio, quando ficou em 311,3% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica do BC, iniciada em julho de 1994. Em 12 meses, essa taxa já subiu 79,3 pontos percentuais.

juros
A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito chegou a 471,3% ao ano, em maio, segundo o BC

A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito é ainda maior: chegou a 471,3% ao ano, em maio, com alta de 18,9 pontos percentuais em relação a abril. Em 12 meses, a taxa subiu 111 pontos percentuais.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando parcela o valor integral da fatura do cartão. Essa é a modalidade com taxa de juros mais alta na pesquisa do BC. A taxa média das compras parceladas com juros, do parcelamento da fatura do cartão de crédito e dos saques parcelados caiu 1,5 ponto percentual para 148,9% ao ano.

A taxa do crédito pessoal, sem considerar operações consignadas (com desconto das prestações em folha de pagamento), caiu 0,9 ponto percentual para 129,9% ao ano. A taxa do crédito consignado caiu 0,1 ponto percentual para 29,6% ao ano.

A taxa média de juros cobrada das famílias subiu 0,7 ponto percentual para 71,7% ao ano. A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas subiu 0,1 ponto percentual para 6,3%.

No caso das empresas, a taxa de inadimplência subiu 0,3 ponto percentual para 5,4%. A taxa média de juros cobrada das pessoas jurídicas caiu 0,5 ponto percentual para 30,6% ao ano.

Esses dados são do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura) a taxa de juros para as pessoas físicas subiu 0,4 ponto percentual para 10,4% ao ano. A taxa cobrada das empresas subiu 0,2 ponto percentual para 11,8% ao ano.

O saldo de todas as operações de crédito concedido pelos bancos subiu 0,1%, em maio, quando ficou em R$ 3,144 trilhões. Esse valor correspondeu a 52,4% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), ante o percentual de 52,6% registrado em abril deste ano.

Dólar continua subindo e bate novo recorde

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O dólar continua a subir e bater recorde na manhã desta quinta-feira. Às 9h29, o dólar comercial estava cotado a R$ 4,2134. Ontem, a moeda fechou com forte alta, vendida a R$ 4,146, com alta de R$ 0,092 (2,28%). O dólar subiu mesmo com intervenções do BC no mercado de câmbio.

Na quarta-feira, o BC fez leilões de venda de dólares das reservas internacionais com compromisso de recompra futura e de novos contratos de swap (operação equivalente à venda de dólares no mercado futuro), que não era realizado desde abril.

dólar
A moeda norte-americana subiu mesmo com intervenções do Banco Central no mercado de câmbio

O BC vinha realizado apenas operação de rolagem (renovação) de swaps cambiais. Além de fazer os leilões, na quarta-feira, o BC anunciou um leilão de swap cambial para esta quinta-feira.

Recessão deve compensar impacto da alta do dólar nos preços

A recessão econômica deve compensar o impacto da alta do dólar nos preços, segundo avaliação do Banco Central (BC), divulgada no Relatório de Inflação,nesta quinta-feira. Segundo o BC, “o cenário recessivo da atividade econômica deve contribuir para a redução da trajetória da inflação de preços livres no restante deste ano, mais que compensando o impacto dos choques cambiais”.

O BC também cita como fatores de compensação as perspectivas mais fracas para a economia em 2016, o atual nível de estoques de produtos e o melhoras nos preços de commodities (produtos primários com cotação internacional) e a taxa básica de juros, a Selic, elevada por sete vezes seguidas.

O dólar está em alta nos últimos dias. A moeda mais cara afeta a inflação porque torna produtos importados mais caros. Mas o BC avalia que – com a economia em queda – esse repasse do câmbio para a inflação deve ser menor. Ontem, o dólar comercial fechou o dia cotado em patamar recorde de R$ 4,146.

No relatório, o BC também avalia que, “depois de um período necessário de ajustes, que pode ser mais intenso e mais longo que o antecipado, o ritmo de atividade tende a se intensificar”. Para que isso aconteça, o BC destaca que é preciso melhorar a confiança das empresas e famílias.

O BC também considera que, no médio prazo, o consumo tende a crescer em ritmo menos intenso e os investimentos devem ganhar impulso. No cenário externo, o BC avalia que o crescimento da economia global, mesmo moderado, combinado com a alta do dólar, deve levar ao reequilíbrio das contas externas e ao crescimento sustentável da economia brasileira.

O BC também destaca que, “em prazos mais longos, emergem perspectivas mais favoráveis à competitividade da indústria e da agropecuária”. O setor de serviços, por sua vez, “tende a crescer a taxas menores do que as registradas em anos recentes”, avalia o BC.

Produção de petróleo e gás da Petrobras sobe 3,1% em agosto

Por Redação, com Reuters – de São Paulo:

A produção média de petróleo e gás natural da Petrobras no Brasil e no exterior atingiu 2,88 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) em agosto, aumento de 3,% em relação a julho, o maior volume produzido na história da companhia, com o crescimento da produção do pré-sal e a retomada de plataformas que estavam em manutenção. O volume representa aumento de 4,% ante o total produzido no mesmo mês do ano passado.

produção de petróleo
O volume representa aumento de 4,% ante o total produzido no mesmo mês de 2014

A produção total da estatal em agosto de 2015 superou em 0,8% o recorde anterior de 2,86 milhões boed alcançado em dezembro de 2014, segundo a Petrobras, cujo plano multibilionário de investimentos dos últimos anos está no foco da operação Lava Jato, que investiga aquele que por muitos é considerado o maior escândalo de corrupção do país.

Já a produção de petróleo da companhia no Brasil, que responde pela maior parte do total, somou 2,21 milhões de barris/dia, alta de 3% ante o mês anterior e de 5% na comparação com agosto de 2014.

“O crescimento reflete a entrada em operação em 31 de julho do FPSO Cidade de Itaguaí, ancorado em Iracema Norte, área localizada na porção noroeste do campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos”, disse a estatal, referindo-se à plataforma flutuante com capacidade para 150 mil bpd de petróleo e 8 milhões de metros cúbicos/dia de gás natural.

Além da nova plataforma, a Petrobras contou no mês passado com a retomada da operação de plataformas que estavam com paradas programadas para manutenção.

Assim, a produção de gás natural no Brasil, excluído o volume liquefeito, também apresentou novo recorde de 77,2 milhões de metros cúbicos/dia, alta de 3,6% ante o mês anterior.

Na área do pré-sal, foram atingidas duas marcas históricas, após pesados investimentos nos últimos anos em meio à euforia política com a nova fronteira petrolífera descoberta no Brasil na década passada: produção diária operada pela Petrobras, com volume de 896 mil bpd registrado em 19 de agosto; e produção mensal operada pela companhia, que alcançou 859 mil bpd.

No exterior, a estatal produziu 192 mil boed, 3,8% acima dos 185 mil boed de julho, devido, principalmente, ao retorno das operações da plataforma do Campo de Saint Malo, no Golfo do México norte-americano.

Djokovic vence Murray e conquista o Aberto da Austrália

Djokovic
Djokovic
Djokovic conquista recorde profissional na Austrália

Novak Djokovic derrubou Andy Murray por 7/6 (5), 6/7 (4), 6/3 e 6/0 para conquistar o seu quinto título do Aberto da Austrália, recorde da era profissional. Os dois disputaram um duelo feroz da linha de base nos dois primeiros sets, mas depois de abrir 2-0 no terceiro, Murray sucumbiu à pressão do sérvio e perdeu 12 dos últimos 13 games, enquanto Djokovic fechava uma vitória enfática debaixo das luzes da Arena Rod Laver.

O principal cabeça de chave, Djokovic selou a vitória no segundo match point, correndo à rede após um golpe de aproximação que Murray conseguiu apenas mandar à rede.

O sérvio dos olhos de aço gritou em triunfo e correu para o seu camarote para compartilhar a vitória com a equipe antes de rasgar a sua camisa e jogá-la ao público.

– Azar esta noite. Você é um grande competidor – disse Djokovic, com a Copa Normam Brookes em mãos, na cerimônia de entrega do troféu.

– Você lutou muito, e quero dar os parabéns a sua equipe e desejar o melhor para você durante o resto da temporada. Também quero dar os parabéns a você e a Kim (Sears) pelo seu noivado. Desejo-lhes um casamento maravilhoso – completou.

Agora, Djokovic venceu quatro dos últimos cinco títulos em Melbourne Park, após vencer três seguidos entre 2011 e 2013 e o seu primeiro Grand Slam, na Austrália em 2008.

A derrota parte novamente o coração de Murray naquela região, onde ele agora perdeu quatro finais de Grand Slam, inclusive três para o amigo Djokovic, também com 27 anos.

– Quero dar os parabéns a Novak pelo quinto título do Aberto da Austrália. Fantástico, um recorde incrível e muito merecido – disse Murray.

– Vou tentar voltar no ano que vem e espero que o resultado da final seja ligeiramente diferente – completou.

Um encontro de grande expectativa entre os dois deu o seu tom desde o primeiro ponto, com um rali nervoso, cheio de defesas e corridas à rede.

Petrobras: Produção de petróleo bate recorde em agosto, antecipa Foster

A presidenta da estatal anunciou também que o pré-sal deve ter recorde de produção em agosto
A presidenta da estatal anunciou também que o pré-sal deve ter recorde de produção em agosto

A presidenta da Petrobras, Graça Foster, antecipou nesta quarta-feira que a produção de petróleo da estatal baterá novo recorde com a divulgação dos números de agosto, que ficaram em torno de 2,1 milhões de barris por dia. A executiva evitou falar em números mais precisos, antes da divulgação do balanço, mas destacou que o crescimento de julho já havia sido um recorde e que agosto soma uma sequência de sete meses seguidos de crescimento.

– Estamos muito entusiasmados com o presente e completamente crédulos com o futuro próximo – disse Graça, que afirmou “não abrir mão” da meta de crescer 7,5% ao ano. Até julho, a produção da Petrobras tinha aumentado 1,5% na comparação com o mesmo período de 2013.

A presidenta da estatal anunciou também que o pré-sal deve ter recorde de produção em agosto e que a Petrobras operadora superou os 2,2 milhões de barris de petróleo no mês passado.

Para Graça Foster, o mês de agosto deve superar julho também nos números nacionais. Nesta terça-feira, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis anunciou que a produção de petróleo e gás bateu recorde no país, com 2,82 milhões de barris de óleo equivalente.

– Agosto certamente está muito melhor – projetou ela.

Entusiasmo

Em julho, a produção de petróleo da empresa no Brasil foi de 2,049 milhões de barris por dia, alta de 2% sobre junho e avanço de 8,6% contra um ano antes.

– Nós, na Petrobras, estamos entusiasmados com o presente e completamente crédulos com o futuro próximo… Nossa produção sobe pelo sétimo mês. Os números de agosto ainda não fecharam, mas beiram 2,1 milhões de óleo ao dia – afirmou a executiva.

A Petrobras conectou 17 novos poços marítimos no segundo trimestre e planeja conectar mais 33 entre julho e dezembro.

– A Petrobras, como operadora, já passou dos 2,2 milhões de barris de petróleo ao dia. Tudo isso nos deixa, de fato, entusiasmados – acrescentou a presidente.

No início de agosto, e Petrobras já tinha informado que sua produção de petróleo no Brasil estava na faixa de 2,1 milhões de barris por dia nos primeiros dias do mês, um patamar que não era visto desde o início de 2012.

A companhia mantém a previsão de elevar a extração nacional em 7,5 por cento em 2014, com margem de tolerância na estimativa de 1 ponto percentual para cima ou para baixo.

– A gente trabalha firme para atingir a meta de 7,5, mais ou menos um – disse a jornalistas o diretor de Exploração e Produção da estatal, José Formigli, no mesmo evento.

Ao deixar o evento, sem parar para falar com a imprensa, a presidente apenas frisou aos jornalistas que “não abre mão, de jeito nenhum”, da meta de crescimento da produção.

As ações preferenciais operavam em baixa de 1,2%, por volta das 11h30, após abertura em alta.